web analytics

Planeta possivelmente habitável é encontrado próximo do nosso sistema solar

Tempo de leitura: 3 minutos


Um planeta aquecido descoberto pelo Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) da NASA apontou o caminho para mundos adicionais que orbitam a mesma estrela, um dos quais está localizado na zona habitável da estrela.

Planeta possivelmente habitável é encontrado próximo do nosso sistema solar
Representação artística do planeta possivelmente habitável em órbita da estrela GJ 357, a 31 anos-luz. NASA

Se for rochoso, este planeta pode ter de duas vezes o tamanho da Terra. Os novos mundos orbitam uma estrela chamada GJ 357, uma estrela anã do tipo M, com cerca de um terço da massa e do tamanho do Sol e cerca de 40% mais fria que a nossa estrela.

O sistema está localizado a ‘apenas’ 31 anos-luz de distância, na constelação de Hydra.

Em fevereiro, as câmeras do TESS capturaram a estrela escurecendo levemente a cada 3,9 dias, revelando a presença de um exoplaneta em trânsito – um mundo além do nosso sistema solar – que atravessa a face de sua estrela durante cada órbita e obscurece brevemente a luz da estrela.

Rafael Luque, um estudante de doutorado do Instituto de Astrofísica das Ilhas Canárias (IAC) em Tenerife, que liderou a equipe de descoberta, disse:

De certa forma, esses planetas estavam escondidos em medições feitas em numerosos observatórios durante muitos anos. Demorou para o TESS nos apontar para uma estrela interessante, onde poderíamos descobri-los.

Os trânsitos observados pelo TESS pertencem ao GJ 357 b, um planeta cerca de 22% maior que a Terra. Ele orbita 11 vezes mais perto de sua estrela do que Mercúrio faz nosso sol. Isso proporciona uma temperatura de equilíbrio – calculada sem levar em conta os efeitos adicionais de aquecimento de uma possível atmosfera – de cerca de 254 graus Celsius.

O co-autor Enric Pallé, um astrofísico do IAC e supervisor de doutorado de Luque, disse:

Descrevemos o GJ 357 b como uma ‘terra quente’. Apesar de não poder sediar vida, é digno de nota o terceiro exoplaneta em trânsito mais conhecido e um dos melhores planetas rochosos que temos para medir a composição de qualquer atmosfera que possa possuir.

Mas enquanto os pesquisadores analisavam os dados para confirmar a existência da Terra quente, descobriram dois mundos adicionais.

Imagem: NASA/Goddard Space Flight Center/Chris Smith

O planeta descoberto mais longe de sua estrela, chamado GJ 357 d, é especialmente intrigante.

Diana Kossakowski, coautora do Instituto Max Planck de Astronomia em Heidelberg, Alemanha, disse:

O GJ 357 d está localizado dentro da borda externa da zona habitável de sua estrela, onde recebe aproximadamente a mesma quantidade de energia estelar de sua estrela que Marte recebe do Sol. Se o planeta tiver uma atmosfera densa, que levará estudos futuros para determinar, ele poderia reter calor suficiente para aquecer o planeta e permitir a existência de água líquida em sua superfície.

Sem uma atmosfera, ele tem uma temperatura de equilíbrio de -64 °C, o que tornaria o planeta mais glacial do que habitável. O planeta pesa pelo menos 6,1 vezes a massa da Terra e orbita a estrela a cada 55,7 dias a uma distância de cerca de 20% da Terra a partir do Sol.

O tamanho e a composição do planeta são desconhecidos, mas um mundo rochoso com essa massa varia de cerca de uma a duas vezes o tamanho da Terra.

Mesmo com o TESS monitorando a estrela por cerca de um mês, a equipe de Luque prevê que qualquer trânsito teria ocorrido fora da janela de observação da TESS.

O GJ 357 c, o planeta do meio, tem uma massa pelo menos 3,4 vezes a da Terra, orbita a estrela a cada 9,1 dias a uma distância um pouco mais que o dobro do planeta em trânsito, e tem uma temperatura de equilíbrio em torno de 127 °C .

O TESS não observou os trânsitos deste planeta, o que sugere que sua órbita está ligeiramente inclinada – talvez em menos de 1 grau – em relação à órbita do planeta mais quente da Terra, de modo que nunca passa pela estrela da nossa perspectiva.

Para confirmar a presença de GJ 357 b e descobrir seus vizinhos, Luque e seus colegas voltaram-se para as medições existentes da velocidade radial da estrela, ou a velocidade de seu movimento ao longo de nossa linha de visão. Um planeta orbital produz um puxão gravitacional em sua estrela, o que resulta em um pequeno movimento, reflexo este que os astrônomos podem detectar através de pequenas mudanças de cor na luz das estrelas.

Astrônomos têm procurado por planetas ao redor de estrelas brilhantes usando dados de velocidade radial por décadas, e eles frequentemente fazem essas observações longas e precisas publicamente disponíveis para uso por outros astrônomos.

A equipe de Luque examinou dados baseados no solo desde 1998, no Observatório Europeu do Sul e Observatório de Las Campanas, no Chile, o Observatório W.M. Keck, no Havaí, e o Observatório de Calar Alto, na Espanha, entre muitos outros…

(Fonte)

Colaboração: Lênio, MaryH


E este é somente mais um grão de areia na infinita praia chamada Universo, onde pode haver vida.

Quem ainda achar que somente há vida na Terra, é porque não consegue compreender a imensidão do Cosmos.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

ATENÇÃO: Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.



Participe dos comentários mais abaixo…

Termos recém pesquisados por leitores: