web analytics

Mofo mutante na Estação Espacial é imune à radiação

Tempo de leitura: 2 minutos

A Estação Espacial Internacional, como todos os habitats humanos no espaço, tem um problema de mofo irritante.

Mofo mutante na Estação Espacial

Os astronautas da ISS passam horas a cada semana limpando o interior das paredes da estação para evitar que o mofo se torne um problema de saúde.

Uma nova pesquisa que está sendo apresentada descobriu que esporos de fungos também podem sobreviver nas paredes externas da espaçonave.

Esporos dos dois tipos mais comuns de mofo na ISS, Aspergillus e Pennicillium, sobrevivem à exposição aos raios X a 200 vezes a dose que mataria um humano, segundo Marta Cortesão, microbiologista do Centro Aeroespacial Alemão (DLR) em Colónia, que apresentou a nova pesquisa na Conferência de Ciência Astrobiológica de 2019 (AbSciCon 2019).

As espécies Pennicillium e Aspergillus geralmente não são prejudiciais, mas a inalação de seus esporos em grandes quantidades pode adoecer as pessoas com sistemas imunológicos enfraquecidos.

Os esporos de fungos podem suportar temperaturas extremas, luz ultravioleta, produtos químicos e condições secas. Essa resiliência os torna difíceis de matar.

Cortesão disse:

Agora sabemos que [esporos dos fungos] resistem à radiação muito mais do que pensávamos, ao ponto de precisarmos levá-los em consideração quando estivermos limpando as espaçonaves, dentro e fora.

Se estivermos planejando uma missão de longa duração, podemos planejar ter esses esporos de fungos conosco, porque provavelmente eles sobreviverão às viagens espaciais.

A nova pesquisa também sugere que protocolos de proteção planetária, projetados para impedir que estes visitantes às naves espaciais contaminem outros planetas e luas em nosso sistema solar com microorganismos da Terra, podem precisar considerar os esporos de fungos uma ameaça mais séria.

Mas os fungos não são todos ruins. Cortesão investiga a capacidade de crescimento de espécies de fungos nas condições do espaço com o objectivo de aproveitar os microorganismos como fábricas biológicas para materiais de que as pessoas possam necessitar em longas viagens espaciais.

Os fungos são geneticamente mais relacionados aos humanos do que às bactérias. Suas células têm estruturas internas complexas, como a nossa, com o equipamento celular necessário para construir polímeros, alimentos, vitaminas e outras moléculas úteis que os astronautas podem precisar em longas viagens para além da Terra.

Cortesão disse:

O mofo pode ser usado para produzir coisas importantes, compostos como antibióticos e vitaminas. Ele não é apenas mau, um patógeno humano e um destruidor de alimentos; ele também pode ser usado para produzir antibióticos ou outras coisas necessárias em longas missões…

Experimentos projetados para testar o crescimento de fungos em microgravidade devem ser lançados no final de 2019.

(Fonte)

Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.


Então, dizem os cientistas que estudam Marte, que a vida não poderia lá existir, pois a radiação solar a mataria. E agora, descobre-se que mofos podem sobreviver à radiação.

Talvez esses cientistas precisariam ver se não há mofo crescendo na forma com que pensam.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.



Termos recém pesquisados por leitores:

ATENÇÃO: Os comentários abaixo são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências por eles causados, como também reserva o direito aos seus moderadores de banir qualquer usuário que bem determinarem. Ao usar a área de comentários abaixo, você concorda com esses termos.

Assim, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando tais comentários como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado superior direito de cada comentário.

Obrigado.