web analytics

A primeira nave espacial da China para Marte em fase de integração para o lançamento em 2020

Tempo de leitura: 2 minutos


A China permanece no cronograma para preparar sua primeira missão independente a Marte a tempo para uma pequena janela de lançamento em meados de 2020, de acordo com uma importante autoridade espacial.

A primeira nave espacial da China para Marte em fase de integração para o lançamento em 2020 1

“A espaçonave da missão Mars 2020 está passando por integração”, disse Wang Chi, diretor do Centro Nacional de Ciências Espaciais (CNCE) em Pequim, à SpaceNews em uma atualização rara sobre a missão.

Ambiciosamente, a missão consiste em um orbitador e uma sonda de pouso, com um total de 13 cargas úteis para a ciência. O CNCE estará envolvido na integração dos instrumentos com a espaçonave.

 O orbitador será equipado com uma câmera de alta resolução comparável ao HiRise a bordo do Mars Reconnaissance Orbiter da NASA, uma câmera de média resolução, radar de subsuperfície, espectrômetro de mineralogia, analisadores de partículas neutras e energéticas e um magnetômetro.

O jipe-sonda, ​​movido a energia solar de 240 quilos, quase o dobro da massa dos veículos lunares Yutu da China, terá um radar de penetração no solo, uma câmera multiespectral, um instrumento de Espectroscopia de Indução de Queda Induzida por Laser e cargas úteis para detectar o clima e o ambiente magnético.

Enquanto isso, a Academia de Tecnologia de Propulsão Aeroespacial, um instituto na Corporação de Ciência e Tecnologia Espacial da China (CCTEC), completou este mês testes de um motor de empuxo variável, capaz de 7.500 Newtons de empuxo, o que proporcionará a maior parte da desaceleração. para o pouso.

Duas áreas de pouso preliminares foram selecionadas. A primeira é a Chryse Planitia, perto dos locais de pouso da Viking 1 e Pathfinder da NASA, com a segunda área sendo a Isidis Planitia, que se estende até a borda oeste da região de Elysium Mons, entre os locais de pouso do Curiosity e Viking 2.

A primeira nave espacial da China para Marte em fase de integração para o lançamento em 2020 2
Mapa indicando duas áreas de pouso preliminares para a sonda Mars 2020 da China.

A China pousou duas espaçonaves, Chang’e-3 e Chang’e-4, na Lua, mas os desafios para Marte são maiores e mais variados. A presença de uma atmosfera rarefeita representa perigos para a espaçonave através do aquecimento aerotérmico, mas não fornece grande ajuda para desacelerar ou descer via pára-quedas…

Um Long March 5, o veículo de lançamento mais poderoso da China, é necessário para lançar a missão, embora o foguete de carga pesada não tenha voado desde um fracasso em 2017. Um retorno ao voôo marcado para meados de julho parece ter falhado, já que os componentes do foguete ainda não foram inseridos no Centro de Lançamento de Satélites Wenchang.

Um lançamento bem-sucedido do Long March 5 será necessário para a China estar pronta para a janela de transferências Mars Hohmann em 2020, e perder este período de lançamento de baixa energia traria uma espera de 26 meses até a próxima oportunidade de lançamento da missão.

Também a NASA lançará missões para Marte durante a janela de lançamento em julho-agosto de 2020, enviando um jipe-sonda de 1.050 kg para a cratera Jezero. Neste mesmo período também serão enviados a marte o jipe-sonda ESA-Russia ExoMars 2020, e um orbitador dos Emirados Árabes Unidos.

A Índia tornou-se o primeiro país asiático a ter sucesso com uma missão ao Planeta Vermelho com a nave espacial Mars Orbiter Mission que entrou em órbita em 2014. A primeira tentativa da China, a nave espacial Yinghuo-1 foi perdida quando o seu foguete Zenit-2SB não conseguiu sair da órbita da Terra…

(Fonte)

Este site publica notícias que estão sendo disponibilizadas na Internet a respeito do fenômeno OVNI, bem como assuntos alternativos relevantes ao nosso planeta/Universo e à raça humana. Antes de criticar um artigo aqui publicado, entenda nossa missão clicando neste link.


Uma verdadeira corrida espacial está em pleno andamento. Isso é bom para o progresso tecnológico da raça humana, mas há quem critique que o dinheiro deveria ser utilizado para resolver os problemas do nosso planeta.

Eu já penso que “cada macaco no seu galho”. Há riquezas suficientes no planeta para tratar de problemas aqui, bem como trabalhar em prol da humanidade se tornar uma raça espacial.

Termos recém pesquisados por leitores: