web analytics

A pesquisa científica secreta dos Estados Unidos

Tempo de leitura: 5 minutos

Isto mostra a existência de uma cultura científica de dois níveis, da qual o nível superior seria um domínio para a P&D (Pesquisa & Desenvolvimento) clandestinos, desconhecidos das autoridades democraticamente eleitas.

* Conteúdo da matéria com veracidade comprovada, de fontes originais fidedignas. (Em se tratando de tese ou opinião científica, só pode ser garantida a veracidade da declaração da pessoa envolvida, e não o fato por ela declarado.) (Missão do OVNI Hoje)

A pesquisa científica secreta dos Estados Unidos
Captura de tela de site de Bob Lazar.

Muitos investigadores e denunciantes nos Estados Unidos, nos últimos 40 anos, chamaram a atenção para programas científicos e técnicos não reconhecidos, os quais estão sendo realizados em vários laboratórios e centros de pesquisa públicos e privados, afiliados a agências militares e de inteligência, em áreas “exóticas”. que oficialmente não são considerados merecedores de séria atenção em instituições civis como as universidades.

O que sabemos sobre os programas suspeitos de “acesso especial” que se escondem dentro do complexo militar-industrial-de-inteligência americano e o que é respaldado por evidências materiais?

Entre os primeiros denunciantes, que surgiram na década de 1980 (1989 no seu caso), Bob Lazar é digno de nota, devido à extensa informação que ele forneceu em conversas gravadas em vídeo sobre pesquisa que ele realizou na Área S-4, perto da notória Área 51, na faixa de testes atômicos do deserto de Nevada, ao redor do leito seco do lago Groom.

Lazar alegou ter sido recrutado pelo Escritório de Inteligência Naval (de sigla em inglês, ONI), através do empreiteiro de defesa EG&G, para trabalhar como parte de uma equipe em um projeto altamente sigiloso que envolvia o exame e a engenharia reversa de uma nave em forma de pires, de 52 pés de largura (16 metros), a qual ele rapidamente percebeu que não foi construída por humanos.

Ele explicou ainda que era feito de um material desconhecido, semelhante a cerâmica, podia acomodar três tripulantes de pequeno porte (1,5 m de altura) e era alimentado por um elemento super pesado até então não descoberto, eventualmente identificado como número 115 na tabela periódica, o qual gerava seu próprio campo gravitacional e permitia que a nave atingisse velocidades fantásticas.

Lazar explicou ainda que o veículo espacial recuperado estava sendo testado na Área 51 / S-4, embora nem seus materiais, nem seus sistemas de propulsão, pudessem ser compreendidos ou reproduzidos. No entanto, ele advertiu que os militares dos EUA haviam, de alguma forma, conseguido uma quantidade substancial de Elemento 115, armazenado em Los Alamos e destinado à construção de armas. Seu relatório foi apoiado por investigadores bem relacionados, inclusive John Lear, filho do inventor do Learjet e um agente veterano da CIA, o qual testemunhou que ele também foi exposto a pesquisas secretas sobre tecnologias ‘alienígenas’.

O testemunho de Lazar (refeito e atualizado em um recente documentário de Jeremy Corbell intitulado “Bob Lazar, Area 51 and Flying Saucers” (“Bob Lazar, Área 51 e Discos Voadores”) foi um dos muitos que foram mais ou menos divulgados nas décadas seguintes, apesar das negações inflexíveis dos setores oficiais.

Em 1997, o ex-funcionário da inteligência do Pentágono e o livro mais vendido do Coronel Philip Corso, “The Day After Roswell“, (“O Dia Seguinte a Roswell”) pretendia levantar o véu sobre grande parte da pesquisa clandestina realizada desde 1947 por vários ramos do governo federal e compartimentadamente terceirizada para empresas de defesa, como Lockheed, Boeing, McDonnell Douglas, Martin Marietta, Northrop,
Grumman, Raytheon, General Dynamics
e outras.

No entanto, os resultados dessas investigações avançadas permaneceram em grande parte não revelados, embora Corso tenha alegado que grandes avanços técnicos, tais como microtransistores, supercondutores, fibra óptica, Kevlar e óculos de visão noturna foram desenvolvidos através da engenharia reversa de materiais estranhos. Desde então o engenheiro aeronáutico Edgar Fouché, que relata ter trabalhado para o Projeto Aurora na Área 51, que construiu a espaçonave secreta triangular abastecida com plasma de mercúrio, Tr3-B, Dr. Robert Wood da McDonnell Douglas, Corey Goode e Wlliam Tompkins, também da McDonnell Douglas e, o mais polêmico, Dan Burisch, estão entre os supostos “delatores” que falaram a respeito de vários programas “negros”.

Alguns, como Goode, alegam ter servido em uma SSF (Secret Space Fleet, ou Frota Espacial Secreta), uma ramificação da Marinha dos EUA que começou a operar nos anos 1960 ou 1970, sob o codinome Solar Warden. Suas alegações foram extensivamente reportadas e analisadas ​​por pesquisadores veteranos como Linda Moulton Howe, como parte de sua série Earthfiles, Paola Harris, Dr. Steven Greer (em seu amplamente divulgado Disclosure Project) e pelo Dr. Michael Salla, co-fundador do Exopolitics Institute.

Além disso, em junho de 2017, um documento secreto de 47 páginas foi vazado e analisado por vários especialistas. Parece ser um documento de instruções ditado por um membro da agência clandestina MJ-12 (criada para lidar com questões relacionadas aos OVNIS em 1954) para o Dr. Philip Morrison, um eminente físico do MIT. Ele contém descrições detalhadas de naves alienígenas e sua recuperação, transcrições de comunicações com seres alienígenas e explicita as medidas tomadas pelas agências envolvidas para manter todo o assunto em segredo, até mesmo das autoridades eleitas mais altas.

Em 2007, o senador Harry Reid, de Nevada, onde a Área 51 está localizada, e que então presidiu o Comitê Seleto de Inteligência do Senado, montou um novo grupo de estudos com o apoio dos senadores Inouye e Stevens, sob o nome de AATIP. (sigla em inglês para Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais) por sugestão de seu amigo, o bilionário Robert Bigelow, presidente da Bigelow Aerospace, um empreiteiro da NASA que conduziu pesquisas sobre OVNIs e coletou evidências substanciais da presença extraterrestre.

O senador Reid queria reunir informações sobre o trabalho secreto que estava sendo realizado fora do alcance das autoridades do Congresso e conseguiu uma dotação de US$ 22 milhões para um orçamento de cinco anos. As investigações foram confiadas à divisão de pesquisa aeroespacial de Bigelow e coordenadas pela Earthtech de Austin, Texas, um centro de P&D em áreas de fronteira da ciência liderado pelo Dr. Harold Puthoff, anteriormente no Stanford Research Institute.

A AATIP, sob a liderança do alto funcionário de inteligência Luis Elizondo, encomendou um relatório de 490 páginas e coletou 38 documentos confidenciais de várias universidades e centros de pesquisa, refletindo algumas das metas perseguidas a pedido da DIA (sigla em inglês para Agência de Inteligência de Defesa), como Documentos de Pesquisa para Inteligência de Defesa (de siga em inglês, DIRD) e outros órgãos de inteligência militar.

O projeto permaneceu desconhecido do público até que, tanto o New York Times quanto o Washington Post, em 16 de dezembro de 2017, publicaram artigos sobre o assunto com os esperados rumores céticos “obrigatórios”. Ambos, no entanto, forneceram links online para um vídeo feito em 2004 pelos pilotos de jatos Super Hornet do USS Nimitz, na costa do sul da Califórnia, de uma esquadrilha de objetos voadores extremamente rápidos, exibindo desempenhos muito além das habilidades dos mais avançados. aeronaves, cujos formatos pareciam o da bala ‘tictac‘, que se tornou seu apelido.

O físico Jack Sarfatti, que trabalhou para a San Diego State University, afirmou que está fazendo pesquisas sobre o sistema de propulsão do OVNI ‘tictac‘, estudando os metamateriais ‘alienígenas’ recuperados sob a custódia da Earthtech do Dr. Puthoff. A existência desses materiais de origem não terrestre foi oficialmente confirmada.

Em janeiro deste ano, um pedido da Lei de Liberdade de Informação de Steven Aftergood, diretor da Federação de Cientistas Americanos contra o Sigilo do Governo, levou à divulgação pelo DIA da lista de títulos dos 38 relatórios de pesquisa financiados pelo governo, recolhidos pela AATIP. Eles incluem dois documentos vazados anteriormente por Corey Goode, respectivamente intitulados “Traversable Wormholes, Stargates and Negative Energy” (“Buracos de Minhocas Atravessáveis, Portais Estelares e Energia Negativa”) (número 8 na lista) e “Warp Drive, Dark Energy and Manipulation of Extra-Dimensions” (“Motores de Dobra Espacial, Energia Negra e Manipulação de Extra-Dimensões”) (número 19). Outros são dedicados às tecnologias de ocultação de invisibilidade, sistemas de propulsão a partir do vácuo espacial, antigravidade, comunicação espacial baseada em emaranhamento quântico e não-localidade, matéria programável, propulsão negativa em massa e outros tópicos não reconhecidos publicamente como estando no reino das possibilidades reais.

Os cínicos, que alegaram que tudo isso é um monte de asneira especulativa e um desperdício de dinheiro público, não consideraram que a divulgação da AATIP parece ser o que a CIA chama de “ponto de encontro limitado”: ​​isto é, um vislumbre superficial de um segredo muito maior ocultado numa “negação plausível”.

Desde o alegado encerramento da AATIP em 2012, uma iniciativa privada chamada TTSA (To the Stars Academy) foi criada com a participação de alguns dos funcionários da AATIP, inclusive seu ex-diretor Luis Elizondo. A TTSA está trabalhando com oficiais militares e civis aposentados para divulgar ainda mais o extenso e secreto P&D militar realizado entre agências governamentais e empresas privadas envolvidas no que é comumente chamado de Deep State (Estado Profundo). Seu diretor executivo Tom DeLonge produziu uma nova série de documentários para o History Channel confiando em testemunhos militares e intitulada Unidentified (Não Identificado).

Quanto mais tempo e esforço será necessário para certas agências do governo dos Estados Unidos confessarem os muitos segredos sinistros ou incompreensíveis que eles esconderam do público, muitas vezes violando os princípios constitucionais e as normas e procedimentos legais?

(Fonte)

Colaboração: Marcelino Silva Melo


Parece haver agora um movimento nos EUA que está ligando os pontos de todos os movimentos para o desacobertamento do fenômeno OVNI.

Aguardemos, à medida que o ano avança, porém sentados para não cansarmos.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS: