Poderia equação que calcula o número de civilizações extraterrestres estar errada?

Tempo de leitura: 4 minutos


Examine os capítulos de qualquer livro-didático introdutório sobre astronomia e você encontrará a segunda mais célebre equação em ciência: a Equação de Drake.

* Conteúdo da matéria com veracidade comprovada, de fontes originais fidedignas. (Em se tratando de tese ou opinião científica, só pode ser garantida a veracidade da declaração da pessoa envolvida, e não o fato por ela declarado.) (Missão do OVNI Hoje)

Frank Drake e sua equação.

Eclipsado na fama apenas pela E = mc2 de Einstein, esta fórmula foi inventada pelo astrônomo Frank Drake em 1961 como uma agenda para a primeira reunião formal sobre as perspectivas de futuros experimentos SETI (Procura por Inteligência Extraterrestre).

A intenção direta da equação era a de fornecer uma estimativa do número de sociedades em comunicação na Galáxia, N. Claramente, se esse número for próximo de zero, não há muito sentido em dedicar tempo de telescópio para procurar sinais de extraterrestres. Se ele for grande, há motivos para esperar por uma descoberta que prove (oficialmente) que não estamos sozinhos.

No entanto, enquanto muitas das equações da ciência são imutáveis, a Equação de Drake é uma mistura de parâmetros cujos valores, ou mesmo relevância, podem mudar. Alguns são potencialmente mensuráveis, como o número de planetas bio-amigáveis ​​na Via Láctea, e outros não – como fc, a fração de espécies inteligentes que desenvolvem capacidade de sinalização – pelo menos até que tenhamos encontrado uma série de civilizações adeptas.

Dada essa natureza problemática, não é surpresa que muitas pessoas tenham oferecido o que consideram “melhorias” à formulação de Drake. O próprio Drake diz que recebe regularmente correspondência daqueles que acham que sua equação deveria ser ajustada.

Alguma dessas idéias provou ser digna de atenção? Os livros didáticos devem ser alterados?

Considere algumas das sugestões mais comuns. Algumas pessoas afirmam que a equação é muito conservadora. Ela parte da premissa de que a comunicação de extraterrestres evoluiu em um planeta que não é apenas adequado para a biologia, mas que pode gerar biologia inteligente. Em outras palavras, o planeta deles tem alguma semelhança com o nosso, e as amplas pinceladas de sua história evolutiva não são muito diferentes das nossas.

Desenvolvimentos recentes em astronomia e tecnologia podem modificar esse cenário. Por exemplo, um dos termos da Equação de Drake se refere ao número médio de planetas semelhantes à Terra em um sistema solar. Mas agora consideramos que a biologia pode se apossar dos lagos e oceanos de luas, algo que pode até ter acontecido nas proximidades, nos satélites de Júpiter e Saturno. O berço de uma sociedade alienígena pode ser uma lua, não um planeta.

Mas, embora interessante, isso não é mais que um bom argumento. Isso requer apenas uma mudança semântica para um dos termos da equação – ou seja, substituir “planetas semelhantes à Terra” por “mundos habitáveis”.

Uma deficiência possivelmente mais substantiva da fórmula de Drake pode ser que – qualquer que seja o berço em que surjam – os extraterrestres podem não permanecer nele. Se as sociedades avançadas podem colonizar outros ambientes estelares, então a inteligência pode ser difundida, mesmo que a evolução da inteligência seja rara. Isso pode ser implausível para os seres biológicos, mas talvez não para os supostos sucessores em formato de máquinas. As máquinas pensantes não sofrem as fragilidades e as vidas finitas da inteligência biológica, e podem se espalhar longe de seus sistemas solares natais.

Uma possibilidade semelhante pode ser encontrada no outro extremo do espectro evolutivo, a saber, que os organismos microscópicos poderiam se difundir naturalmente através do espaço – uma ideia conhecida como panspermia. Nesse quadro, a vida primitiva pode ser transportada de um planeta a outro, como passageiros de detritos ejetados em colisões entre mundos portadores de vida e outros corpos em seu sistema planetário.

Esses cenários podem parecer modificar a premissa fundamental da equação de Drake. Se a vida ou a inteligência podem se espalhar, a contagem de mundos bio-amigáveis ​​não é especialmente importante, porque mesmo os mundos que não são adequados para gerar vida ainda poderiam tê-la. No entanto, o próprio Drake aponta que esses cenários podem ser incluídos no valor de fl. De fato, se colonização, panspermia ou exploração espacial inteligente são comuns, fl e fc podem ser muito grandes.

E em qualquer caso, Drake argumenta que a colonização deliberada pode ser incomum.

Ele diz:

A disseminação da vida inteligente de um sistema estelar para outro provavelmente não seria interessante para criaturas verdadeiramente inteligentes, uma vez que calculem isso, mesmo viajando a, digamos, apenas um décimo da velocidade da luz, é preciso mais do que um milhões de vezes mais energia para estabelecer uma colônia em torno de outra estrela do que a necessária para estabelecer uma do mesmo tamanho perto da sua. Há muito material disponível nos satélites e asteroides de ambientes estelares, presumindo-se que eles se assemelham aos nossos, para criar uma infinidade de moradias habitáveis, em planetas semelhantes próximos de casa.

Quanto à panspermia, ele observa:

Seria muito mais eficiente enviar por rádio os dados para replicar o DNA da criatura, para clonar duplicatas de si mesmos.

E essa sinalização, é claro, pode ser detectável.

Uma categoria diferente de modificações propostas diz respeito à arquitetura matemática da equação. Cada termo é representado por um único número; por exemplo, fi, a fração média de mundos com vida que eventualmente produzem vida inteligente. Mas, para muitos termos, um intervalo de valores será aplicado. Consequentemente, vários pesquisadores, começando com o matemático italiano Claudio Maccone, sugeriram a substituição desses números únicos por distribuições de probabilidade.

Isso pode parecer não mais que um refinamento técnico, e um que poderia ser visto como um exagero de uma equação que, afinal de contas, pretendia apenas guiar a discussão em uma reunião. Mas uma consequência da substituição de valores médios por distribuições é que isso poderia facilmente ampliar enormemente a gama de estimativas para N. De fato, alguns autores argumentam que, ao fazer isso, pode-se produzir qualquer coisa, de civilizações comunicantes nulas a uma miríade; não podemos aprender muito com a equação.

O pequeno grupo de cientistas que foi exposto pela primeira vez à Equação de Drake em 1961 não anotou nenhuma estimativa para os valores de seus parâmetros. E embora agora saibamos algumas dessas quantidades melhor do que fizemos há sessenta anos (como a fração de estrelas com planetas), há vários termos para os quais ainda temos zero informações: em particular, fc e L.

Ainda assim, é encorajador que nenhum dos fatores que foram restringidos por novas pesquisas tenha diminuído nossa hipótese de que a inteligência possa ser comum. Isso poderia ter sido diferente.

De uma perspectiva mais ampla, podemos considerar as muitas tentativas de reformar a Equação de Drake como um tributo à sua importância. Afinal, pretendia-se encapsular as quantidades que se acreditava serem relevantes para avaliar o valor dos experimentos para descobrir outros seres, ou pelo menos outras inteligências.

Devemos apreciar a Equação de Drake por sua utilidade, não por suas possíveis deficiências. Afinal, um mapa não é um destino. Mas isso pode ajudá-lo a chegar lá. Não mudem os livros didáticos.

(Fonte)


Se eu tivesse que apostar, diria que a equação está errada sim. Há muito mais lá fora do que os cientistas acham, pois só se baseiam em fatos por eles conhecidos e comprovados. O Universo, porém, é muito mais do que isso.

Veja abaixo o que significam as variáveis dessa notável equação:


N = o número de civilizações em nossa galáxia com as quais comunicação poderia ser possível;
R* = a taxa média de formações de estrelas por ano em nossa galáxia;
ƒp = a fração dessas estrelas que possuem planetas;
ne = o número médio de planetas que podem potencialmente abrigar a vida, por estrela que tem planetas;
ƒℓ = a fração dos planetas acima, que poderiam desenvolver vida em algum momento;
fi = a fração dos planetas acima, que realmente desenvolvem vida inteligente;
ƒc = a fração de civilizações que desenvolvem tecnologia necessária para liberar sinais para o espaço, que poderiam ser detectáveis;
L = o tanto de tempo que tal civilização libera esses sinais detectáveis para o espaço.

n3m3

Você pode ajudar na manutenção do OVNI Hoje. Clique aqui para saber mais.

O OVNI Hoje TAMBÉM ESTÁ NAS REDES SOCIAIS: