Cientistas dizem que há um aumento constante de impactos de asteroides na Terra

Tempo de leitura: < 1 min.
Cientistas dizem que há um aumento constante de impactos de asteroides na Terra

Tendo examinado dados coletados pela NASA, os cientistas determinaram que “pelo menos três vezes mais” asteroides atingem o nosso planeta hoje em comparação com os tempos em que os dinossauros percorriam a Terra.

Como o Dr. Thomas Gernon, professor associado em Ciências da Terra na Universidade de Southampton que esteve envolvido no estudo, revelou, os pesquisadores chegaram a esta conclusão estudando a superfície da Lua que, como ele apontou, “é o nosso vizinho mais próximo, assim é atingido pela mesma população de asteroides”.

Segundo ele, rochas espaciais que caem em direção à Terra geralmente vêm do cinturão de asteroides, onde colisões de asteroides “geram muitos fragmentos, que ao longo do tempo podem ser empurrados para a terra”.

Ele ainda disse:

Com o passar do tempo, essas rochas são bombardeadas pela luz do Sol, e há um processo que emite essa energia e basicamente dá a esses fragmentos um pequeno empurrão, que pode então enviá-los em um caminho de colisão com a Terra. É um pouco como uma maré crescente; você tem um monte de material saindo do cinturão de asteroides em um ponto.

Ele observou, no entanto, que a probabilidade de um ataque de asteroides acabar com a humanidade é extremamente baixa.

O cientista explicou:

Não há necessidade de as pessoas se preocuparem com esse aumento de fluxo. Estamos dizendo que impactos de grandes asteroides – mais de 1 km de diâmetro – passaram de um a cada 3-5 milhões de anos, antes de 90 milhões de anos atrás, para aproximadamente 1-2 milhões de anos.

(Fonte)


Porém, o que os cientistas não falam, é que asteroides não vêm em períodos espaçadamente iguais, e uma grande rocha pode vir ignorando o espaçamento teorizado pelos cientistas.

E, a propósito, recentemente alguns cientistas disseram que os dados da NASA sobre asteroides são falhos.

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.