web analytics

A procura por vida alienígena diferente da vida que conhecemos

Tempo de leitura: 4 minutos

A procura por vida alienígena diferente da vida que conhecemos

Quatro bilhões de anos atrás, os primeiros organismos primordiais emergiram, finalmente evoluindo para a complexa teia de vida de hoje, da qual a espécie humana, com nosso impacto destrutivo sobre a biosfera, está desempenhando o que talvez possa ser um papel efêmero. Ou podemos nem estar na metade do caminho, onde em um futuro pós-humano nossa evolução poderia se estender por bilhões de anos.

Se a evolução darwiniana ocorreu em uma estrela mais antiga que a do Sol, a vida poderia ter tido uma vantagem inicial de um bilhão de anos ou mais, quando a inteligência orgânica semelhante à Terra era apenas um breve interlúdio antes que as máquinas aprendessem a se replicar e assumir o controle.

Esses ‘cérebros alienígenas’ podem compactar a realidade de uma forma que não podemos conceber, onde ET pode ser uma única inteligência integrada. Mesmo que os sinais estivessem sendo transmitidos, podemos não reconhecê-los como artificiais, porque podemos não saber como decodificá-los. Como poderíamos dizer se um sinal é uma mensagem ou ‘vazamento’?

Em 2017, a astrobióloga Nathalie Cabrol, Diretora do Centro Carl Sagan no Instituto SETI, realizou um workshop intitulado “Decoding Alien Intelligence”, organizado em torno de seu artigo de 2016, “Alien Mindscapes”, que desafiou o SETI a buscar “a vida como nós não conhecemos”.

Um desafio enfrentado pela oficina é a tendência a manter suposições ou expectativas sobre o que podemos encontrar. O artigo de Cabrol sugere que podemos estar perdendo algo: que a “busca por inteligência extraterrestre” geralmente acaba sendo uma “busca por outras versões de nós mesmos”.

Procurar por outras versões de nós mesmos, diz Cabrol, faz todo o sentido como ponto de partida. Afinal, esse é o único modelo de vida que conhecemos e um modelo comprovado em nosso planeta.
Tal estratégia de exploração é ainda mais justificada pelo fato de que os elementos básicos da vida como a conhecemos são comuns no universo, e ambientes habitáveis ​​para a vida como os conhecemos parecem abundantes.

A missão Kepler e os dados obtidos de telescópio em solo sugerem que pode haver até 40 bilhões de planetas semelhantes à Terra em nossa galáxia, 25% deles em torno de estrelas semelhantes ao Sol. Outros modelos sugerem que pode haver até 700 trilhões de planetas no universo, mas a grande maioria seria muito mais antiga que a Terra. Um Índice de Complexidade Biológica, propõe a existência de 100 milhões de planetas na Via Láctea, onde a vida complexa poderia ter evoluído.
No entanto, como eles observam, a vida complexa não significa necessariamente uma vida tecnologicamente avançada.

Os caminhos evolutivos que levam à vida complexa na Terra, observa Cabrol, sugerem fortemente que a vida avançada, tal como a conhecemos, pode ser rara no universo e é improvável que esteja em um estado de avanço que está temporariamente sincronizado conosco. No entanto, isso não significa que outros tipos de inteligência avançada sejam tão raros. Limitar nossa busca a algo que conhecemos e podemos compreender não deixa espaço para que uma base epistemológica e científica explore hipóteses alternativas. Para encontrar ET, precisamos expandir nossas mentes para além de uma perspectiva centrada na Terra, profundamente enraizada, e reavaliar conceitos que são tomados como certos.

Cabrol sugere que tentemos acessar conceitos desconhecidos e arquétipos que são literalmente estranhos para nós (não parte de nossa própria herança evolutiva) através da imaginação e do discurso. Isso é o que a ficção científica tenta fazer em suas representações de mundos e civilizações alienígenas. Não é de surpreender que esse processo resulte em versões mais ou menos elaboradas de nós mesmos, uma vez que essas representações são geradas por sistemas neurais conectados ao nosso próprio ambiente planetário. Para conceituar um tipo diferente de vida, temos que sair de nossos cérebros.

A maioria das espécies alienígenas avançadas provavelmente desenvolveu formas de comunicação completamente irreconhecíveis para nós. Uma maneira de cortar o viés centrado no ser humano é através do uso da Inteligência Artificial. Graham Mackintosh, um consultor de IA da NASA, diz que os extraterrestres podem estar fazendo coisas que nem podemos imaginar, usando tecnologias tão diferentes que nem sequer pensamos em procurá-las. A IA, ele propôs, pode ser capaz de fazer esse pensamento avançado para nós. “Podemos não ser capazes de nos tornar mais inteligentes, mas talvez”, sugeriu Mackintosh, “possamos fabricar máquinas que sejam mais inteligentes para nós”.

O Instituto SETI, em parceria com a NASA, Intel, IBM e outros, organizou um acelerado programa de pesquisa e desenvolvimento chamado Frontier Development Lab, com o objetivo de aplicar tecnologias de inteligência artificial aos desafios da exploração espacial. Embora exista uma promessa incrível no uso da IA ​​no campo da defesa planetária, como detecção de asteroides e modelagem de tempestades solares, pode haver um potencial rico em suas aplicações para entender as comunicações alienígenas.

Embora haja muitos “imóveis” (planetas) habitáveis ​​por aí, “habitável” não é o mesmo que “habitado”, diz o professor da Universidade Estadual do Arizona e destacado cosmólogo, Paul Davies. Como ninguém sabe como a não-vida se transferiu para a vida na Terra, é impossível estimar as probabilidades dela surgir em outras partes do universo.

Em suas formas mais avançadas, diz Davies, a vida pode existir em formas além da matéria como a conhecemos, a qual pode não ter tamanho ou forma fixos; não ter limites bem definidos. Ela pode ser dinâmica em todas as escalas de espaço e tempo. Ou, inversamente, não parece fazer nada que possamos discernir. Não consiste em coisas distintas e separadas; mas sim é um sistema, ou uma correlação sutil de alto nível das coisas.

Davies indaga: “São matéria e informação tudo o que existe?” Quinhentos anos atrás, observa Davies, “o próprio conceito de um dispositivo que manipula informações, ou software, teria sido incompreensível. Poderia haver um nível ainda mais alto, ainda fora de toda experiência humana, que organiza elétrons?

Em caso afirmativo, esse “terceiro nível” jamais se manifestaria por meio de observações feitas no nível informativo, e ainda menos no nível da matéria.

Devemos estar abertos à possibilidade distinta de que a tecnologia alienígena avançada, com um bilhão de anos, possa operar no terceiro, ou talvez até um quarto ou quinto nível – todos eles totalmente incompreensíveis para a mente humana em nosso estado atual de evolução em 2018.

Talvez um dia encontraremos evidências de inteligência alienígena – ou mesmo (embora isso seja menos provável) ‘conectaremos’ a alguma mente cósmica, diz o astrofísico Martin Rees. Por outro lado, ele conclui:

Nossa Terra pode ser única e as buscas podem falhar. Isso decepcionaria os pesquisadores. Mas isso teria um lado positivo para a ressonância de longo prazo da humanidade. Nosso sistema solar mal tem meia-idade e, se os humanos evitarem a autodestruição no próximo século, a era pós-humana pode chegar. A inteligência da Terra poderia se espalhar por toda a galáxia, evoluindo para uma complexidade abundante muito além do que podemos conceber. Se assim for, nosso pequeno planeta – esse ponto azul pálido flutuando no espaço – poderia ser o lugar mais importante em todo o cosmos. ”

(Fonte)


Quanto ao Professor Davies, só faltou ele confessar que acredita que seres alienígenas, pelo menos alguns deles, possam ser espíritos e seres angelicais, o que pode muito bem ser verdade.

Já, a afirmação de Rees de que poderíamos ser a única raça de seres pensantes no Universo vai contra a lógica da probabilidade, pois seria um grande desperdício de criação a existência de trilhões de planetas lá fora para que somente um tivesse este tipo de vida.

Pode ser que logo saberemos a verdade.

n3m3