web analytics

Estaria a humanidade prestes a declarar acidentalmente guerra contra civilizações alienígenas?

Tempo de leitura: 6 minutos

guerra contra civilizações alienígenas

Imagine-se em um mundo não muito diferente da Terra, orbitando uma estrela não tão diferente do nosso Sol. A temperatura e a atmosfera são perfeitas para a água líquida existir na superfície, e uma mistura de oceanos e continentes garante que a vida tenha condições estáveis ​​e prósperas por bilhões de anos. Os processos evolutivos também aumentaram a complexidade e o nível de diferenciação dos organismos neste mundo. Através de uma combinação de mutações do acaso e pressões de seleção, uma espécie neste mundo tornou-se consciente e atingiu níveis sem precedentes de domínio sobre a natureza.

À medida que sua tecnologia avançava, começaram a se perguntar sobre civilizações alienígenas em torno de outras estrelas. E então, de um distante e fraco ponto de luz em seu céu, o primeiro ataque aconteceu, abrindo um buraco em seu planeta a velocidades relativísticas. Não foi um meteoro, asteroide ou cometa; do outro lado do espaço interestelar, foi a humanidade.

Aqui na Terra, nossos sonhos de viagem interestelar tradicionalmente caíram em duas categorias:

1. Nós vamos devagar, com propulsão de foguete, em uma jornada que leva muito tempo de vidas humanas.

2. Nós vamos rapidamente, presumindo que faremos enormes avanços científicos para viajar em velocidades relativistas (quase da luz).

Mesmo com uma jornada não tripulada, essas duas opções pareciam ser as únicas que existem. Ou vamos como as naves espaciais Voyager, levando muitos milhares de anos para viajar até mesmo um único ano-luz, ou desenvolvemos alguma nova tecnologia capaz de acelerar uma espaçonave a velocidades muito maiores. A primeira opção parece inaceitável; a segunda parece irrealista.

Estaria a humanidade prestes a declarar acidentalmente guerra contra civilizações alienígenas? 1

O sistema de velocidade de dobra nas naves estelares Star Trek foi o que tornou possível viajar de estrela em estrela. Se tivéssemos essa tecnologia, poderíamos facilmente cobrir a distância entre as estrelas, mas isso permanece no reino da ficção científica para hoje. (ALISTAIR MCMILLAN / C.C.-BY-2.0)

Mas algo aconteceu durante a década de 2010, que tem o potencial de mudar o jogo.
Realmente fizemos um enorme avanço tecnológico que poderia transmitir uma grande quantidade de energia a uma espaçonave por um período de tempo razoavelmente longo, permitindo-nos (em princípio) acelerá-la a velocidades tremendas.

O grande avanço? Na ciência da física a laser. Os lasers, agora, são mais poderosos e mais colimados do que jamais foram, e isso significa que se colocarmos uma enorme variedade desses lasers de alta potência no espaço, onde eles não têm que lutar contra a dispersão atmosférica, eles poderiam brilhar em um único alvo por um longo tempo, transmitindo energia e impulso a ele até atingir mais de 10% da velocidade da luz.

Estaria a humanidade prestes a declarar acidentalmente guerra contra civilizações alienígenas? 2

O conceito de vela a laser DEEP baseia-se em um grande arranjo de feixes de laser que atinge e acelera uma espaçonave de área relativamente grande e baixa massa. Isso tem o potencial de acelerar objetos não vivos a velocidades que se aproximam da velocidade da luz, possibilitando uma jornada interestelar em um único período de vida humana. (© 2016 UCSB EXPERIMENTAL COSMOLOGY GROUP)

Em 2015, uma equipe de cientistas escreveu um documento sobre como uma matriz de laser avançada poderia combinar com o conceito de vela solar, para criar uma espaçonave baseada em ‘velas a laser’. Em teoria, poderíamos usar a tecnologia atual e naves espaciais de massa extraordinariamente baixa (ou seja, “starchips”) para alcançar as estrelas mais próximas em uma única vida humana.

A ideia é simples: aponte este conjunto de laser de alta potência em um alvo altamente reflexivo, conecte um micro-satélite muito pequeno e de baixa massa à vela e acelere-o à velocidade máxima possível. As ideias das velas solares são antigas e existem desde a época de Kepler. Mas usar uma vela a laser seria uma verdadeira revolução.

Estaria a humanidade prestes a declarar acidentalmente guerra contra civilizações alienígenas? 3

A interpretação de uma vela movida a laser por um artista mostra como uma espaçonave leve e de área grande poderia ser acelerada a velocidades muito altas, refletindo continuamente a luz de laser de alta potência e altamente colimada. (ADRIAN MANN / UCSB)

As vantagens desta configuração comparada com as outras são incríveis:

– A maior parte da energia usada para isso não vem de combustível de foguete usado apenas uma vez, mas sim de lasers, que podem ser recarregados.

– As massas das espaçonaves starchips são incrivelmente baixas e, portanto, podem ser aceleradas a velocidades muito rápidas (próximas da velocidade da luz).

– E com o advento da miniaturização em eletrônica e materiais ultra-fortes e leves, podemos criar dispositivos utilizáveis ​​e enviar-lhes anos-luz de distância.

A ideia não é nova, mas o advento da nova tecnologia – ambas atualmente disponíveis e que devem estar disponíveis nas próximas duas ou três décadas – torna essa uma possibilidade aparentemente realista.

Estaria a humanidade prestes a declarar acidentalmente guerra contra civilizações alienígenas? 4

A chegada de uma vela a laser em um mundo distante seria tremenda e fantástica, mas essa representação mostra que ela se move cerca de mil vezes mais devagar para ser realista. A 0,2 vezes a velocidade da luz, isso passaria por todo o Sistema Solar em questão de apenas algumas horas. (BREAKTHROUGH STARSHOT / YOUTUBE)

Então digamos que acertemos. Desenvolvemos o material certo para refletir o suficiente da luz do laser que não incinere a vela. Colimamos os lasers bem o suficiente e construímos uma matriz grande o suficiente para acelerar essas espaçonaves para suas velocidades projetadas de 20% da velocidade da luz: ~ 60.000 km/s. E então, os apontamos em um planeta em torno de uma estrela potencialmente habitável, como Alpha Centauri A ou Tau Ceti.

Talvez enviemos uma matriz de starchips para o mesmo sistema, com a esperança de investigar esses sistemas e obter mais informações. Afinal, o objetivo principal da ciência, como foi proposto, é simplesmente pegar dados durante a chegada e transmiti-los de volta.

Mas há três grandes problemas com esse plano e, combinados, podem ser equivalentes a uma declaração de guerra interestelar.

Estaria a humanidade prestes a declarar acidentalmente guerra contra civilizações alienígenas? 5

O conceito de vela a laser, para uma espaçonave de estilo starchip, tem o potencial de acelerar a espaçonave a cerca de 20% da velocidade da luz e alcançar outra estrela dentro do período da vida humana. Mas a mensagem que enviamos pode ser catastrófica. (BREAKTHROUGH STARSHOT)

O primeiro problema é que o espaço interestelar está cheio de partículas, a maioria das quais se move relativamente devagar (a algumas centenas de km/s) através da galáxia. Quando elas atingirem esta espaçonave, elas farão buracos, transformando-a em queijo suíço cósmico em pouco tempo.

A segunda é que não há mecanismo de desaceleração razoável. Quando essas espaçonaves chegarem ao seu destino, elas ainda estarão se movendo à velocidade que partiram. Não há como parar para receber dados ou executar uma inserção orbital suave.

E o terceiro é que visar o nível de precisão necessário para passar perto (mas não colidir com) um planeta alvo é virtualmente impossível.

O ‘cone de incerteza’ para qualquer trajetória incluirá o planeta que pretendemos.

Estaria a humanidade prestes a declarar acidentalmente guerra contra civilizações alienígenas? 6

Em 1860, um meteoro atingiu a Terra e produziu uma exibição espetacularmente luminosa. Temos tipicamente cerca de 2% de chance, dada uma colisão aleatória, de ter um meteoro que raspe a atmosfera como este, contra uma chance de 98% de colisão. (FREDERIC EDWIN CHURCH/ JUDITH FILENBAUM HERNSTADT)

O que acontece quando atingimos um planeta habitado? Como vai ser?

A velocidade de 60.000 km/s é milhares de vezes mais rápida do que qualquer espaçonave que já fizemos para reentrar na nossa atmosfera. É cerca de 1.000 vezes mais rápido que os meteoros mais rápidos que o nosso Sistema Solar produz. Levaria apenas alguns milésimos de segundo para esta nave passar por toda a atmosfera: do espaço à superfície.

Com velocidades milhares de vezes mais baixas, afinal de contas, apenas os protetores térmicos mais avançados já sobreviveram à reentrada em nossa própria atmosfera.

Mas velocidade e energia estão relacionadas de uma forma que torna a situação muito ruim. Se você dobrar a velocidade, você adquire quatro vezes a energia; a energia cinética é proporcional à velocidade ao quadrado. Uma pedra gigante pesando 1.000.000 kg que atinge um planeta a 60 km/s causará alguns danos, mas uma rocha que pesa apenas 1 kg e chega a 60.000 km/s irá transmitir a mesma quantidade de energia em uma colisão.

Mesmo se tornarmos essa massa minúscula, ainda causará algum dano. Um planeta atingido por uma espaçonave de ~ 1 grama movendo-se a 60.000 km/s experimentará o mesmo nível de efeitos catastróficos como um planeta atingido por um asteroide de ~ 1 tonelada que se move a ~ 60 km/s, o equivalente ao que ocorre na Terra apenas uma vez por década. Cada golpe atingirá o mundo deles com a mesma energia que o meteoro de Chelyabinsk atingiu a Terra: a mais enérgica colisão da década.

Estaria a humanidade prestes a declarar acidentalmente guerra contra civilizações alienígenas? 7

Em 2013, o maior meteoro em muitos anos atingiu a Terra, causando prejuízos de milhões de dólares e ferindo milhares de pessoas. Uma colisão de uma espaçonave de 1 grama movendo-se a uma velocidade relativa de 60.000 km/s com um planeta seria ainda mais danosa. Tal ato poderia ser visto como uma exibição maliciosa de agressão, ou pior ainda, uma declaração de guerra. (Elizaveta Becker / ullstein bild via Getty Images)

Se você fosse um alienígena neste mundo que foi atingido por essas massas relativistas, o que você concluiria? Você sabe que elas são muito grandes e rápidos demais para serem criadas naturalmente; elas foram feitos por uma civilização inteligente. Você sabe que estava sendo intencionalmente apontada para seu planeta, e o espaço é muito vasto para que esse objetos te atinjam por acaso. E – pior de tudo – você supõe que essa civilização tenha uma intenção maliciosa. Nenhum alienígena benevolente lançaria algo tão imprudente e descuidadamente, dado o dano que causaria. Se formos inteligentes o suficiente para enviar uma espaçonave pela galáxia para outra estrela, certamente poderemos ser sábios o suficiente para avaliar as consequências desastrosas de fazê-lo.

Estaria a humanidade prestes a declarar acidentalmente guerra contra civilizações alienígenas? 8

Professor Stephen Hawking no palco durante o anúncio da ‘New Space Exploration InitiativeBreakthrough Starshot ‘no One World Observatory em 12 de abril de 2016 na cidade de Nova Iorque. A ideia é ambiciosa e inovadora, mas traz consigo um grande perigo potencial que deve ser enfrentado se quisermos evitar um ato acidental de agressão interestelar. (Jemal Condessa / Getty Images)

Stephen Hawking notoriamente alertou:

Se alienígenas nos visitarem, o resultado seria como quando Colombo chegou na América, o que não deu certo para os nativos americanos.

No entanto, a menos que nos preocupemos em considerar as consequências de nossas ambições interestelares e a tecnologia que temos para realizá-las, seremos os primeiros a disparar os primeiros tiros de  um planeta habitado para outro. Que ele mesmo era o mais proeminente defensor do Breakthrough Starshot representa uma grande inconsistência cósmica. O defensor da cautela quando se trata de contato com alienígenas não teve nenhum problema em defender o lançamento de uma arma interestelar.

Este não é o oeste selvagem. É a fronteira final. Ao darmos nossos primeiros passos no oceano cósmico, certamente haverá tropeços. Mas devemos garantir que sejam tropeções de inocência, livres de malícia. Prosseguir por um caminho imprudente e perigoso sem cautela é conhecido como negligência. Se formos violentamente negligentes com uma espécie milhares de anos mais avançada tecnologicamente do que somos, isso pode significar mais do que um tapa no mão. Poderia ser o primeiro tiro disparado em uma guerra interestelar catastrófica.

(Fonte)


Com a palavra, os leitores…

n3m3