web analytics

Podemos ser parte da personalidade múltipla de uma Consciência Cósmica, diz pesquisador

Tempo de leitura: 2 minutos

personalidade múltipla de uma Consciência Cósmica

O Transtorno Dissociativo de Identidade, ou TDI, continua sendo uma das condições psicológicas mais misteriosas conhecidas pela ciência. TDI, anteriormente conhecido como transtorno de personalidade múltipla, faz com que as consciências dos indivíduos essencialmente ‘se dividam’ em estados distintos de personalidade. Nesses estados, a linguagem corporal, os padrões vocais e até mesmo os estados emocionais podem variar significativamente. Muitas pessoas não se lembram de eventos ocorridos em diferentes estados de personalidade. Enquanto Hollywood e O Caso Estranho do Dr. Jekyll e Mr. Hyde tendem a exagerar os sintomas deste distúrbio mental, tem havido casos documentados de indivíduos com TDI realizando atos violentos, às vezes demoníacos, enquanto em vários estados de personalidade.

O TDI desafia nossa compreensão da consciência e da mente humana, sugerindo que a consciência pode existir em unidades separadas do cérebro ou do corpo-mente. Se a mente de uma pessoa pode abrigar várias personalidades distintas, qual delas representa essa pessoa? São todas as personalidades ‘eles/elas’? Onde exatamente na mente essas personalidades existem, e de que são feitas?

Enquanto a neurociência e a psicologia ainda estão lidando com essas questões, um novo artigo publicado no Journal of Consciousness Studies leva nossa compreensão de TID um passo adiante para dentro do que é estranho. De acordo com o jornal, todos os organismos vivos no Universo são diferentes dissociados de personalidades de uma consciência cósmica singular. O artigo foi escrito pelo filósofo Bernardo Kastrup, que segundo seu site “tem um Ph.D. em engenharia da computação com especializações em inteligência artificial e computação reconfigurável.”

O argumento de Kastrup centra-se em pesquisas sobre pacientes com TID que demonstram que a atividade cerebral realmente muda junto com mudanças nos estados de personalidade, a ponto da atividade cerebral associada à visão não estar presente em indivíduos que experimentam estados dissociativos personalidade nos quais sua personalidade alternativa é a de uma pessoa cega. Assim, Kastrup argumenta que, uma vez que “a dissociação tem uma aparência extrínseca identificável”, na forma de atividade cerebral, a aparência extrínseca de várias formas de vida “é a dissociação na consciência cósmica, como certos padrões de atividade cerebral são para os pacientes com DID”.

Em essência, a alegação aqui é que não há nada para [um organismo], mas o lado revelado – a aparência extrínseca – das experiências internas do ‘outro’ correspondente. No entanto, pode-se objetar a isso argumentando que muitas partes do corpo parecem inteiramente não relacionadas à experiência interna: onde certos padrões de atividade cerebral se correlacionam com relatos subjetivos de experiência, muito parece continuar no cérebro ao qual os sujeitos não têm acesso introspectivo.

Kastrup afirma que o “mundo inanimado que vemos ao nosso redor é a aparência revelada desses pensamentos” de uma consciência cósmica singular. Embora esse argumento seja um fascinante experimento mental, certamente não deveria ser chamado de romance. Muitas religiões e sistemas de crenças adotam noções semelhantes da interconexão de todas as coisas dentro da consciência ou sonho de seres divinos, enquanto descobertas na física quântica e na filosofia moderna têm muitas pessoas acreditando que, como Alan Watts colocou, “somos o Universo experienciando a si mesmo.” Sou mais parcial com relação à versão de Carl Sagan: “somos uma maneira do cosmos se conhecer.”

…Poderíamos todos ser as alter personalidades de uma consciência cósmica com transtorno dissociativo de identidade? …

(Fonte)


É de se pensar e considerar no caso, quando paramos e observamos o que realmente ocorre ao nosso redor.

Mas há ainda outras teses quanto a nossa experiência aqui:

Estaríamos vivendo em uma realidade simulada?

n3m3