Novas descobertas sobre lago na Sibéria aprofunda o mistério do Evento de Tunguska

Tempo de leitura: 2 min.

Em 30 de junho de 1908, uma enorme explosão estremeceu uma área remota da Sibéria, próxima do Rio Podkamennaya Tunguska, derrubando 2.600 metros quadrados de árvores e criando um mistério que se tornou conhecido como o Evento de Tunguska. O que teria causado tamanha destruição? A maioria dos especialistas acreditava que a área teria sido atingida por um cometa ou meteoro, sendo que o cometa se tornou a explicação aceita, já que nenhuma cratera ou fragmentos de meteoros foram encontrados. Um cometa do tipo bola de gelo, derretendo e subsequentemente vaporizando, não deixaria tais evidências.

Tunguska

Essa explicação foi aceita até 2012, quando uma equipe italiana de pesquisa liberou os resultados de duas explorações ao Lago Cheko, um corpo d’água raso a aproximadamente 8 quilômetros do centro do Evento de Tunguska.  Um relatório sísmico de 1999 mostrou algo grande e não identificado no fundo do lago, enterrado sob o que seriam 109 anos de sedimentos.  Calculando tudo, eles concluíram que este poderia ser o meteorito Tunguska. Uma olhada em mapas antigos mostrou que não havia o Lago Cheko na região antes de 1908.  Viagens retornando ao local, em 2009 e 20012, para a coleta de mais evidências e condução de um levantamento magnético, pareceram confirmar que havia algo no lago e eles acreditavam que seria evidência suficiente para concluir que a causa do Evento de Tunguska teria mesmo sido um meteoro. Tudo que eles precisavam era um pedaço da rocha.

Em 2016, pesquisadores russos decidiram que era hora de resolver o mistérios por si mesmos. Ele tiraram amostras das valetas mais profundas no Lago Cheko, fizeram análises geoquímicas e bioquímicas, e então enviaram as amostras para o Instituto de Geologia e Mineralogia da Academia de Ciências Russa para análise radioscópica.  Seus resultados serão publicados no aniversário do evento em 30 de junho, mas numa liberação de imprensa esta semana, eles deixaram escapar uma informação.

Mapa batimétrico do Lago Cheko e localização do núcleo de sedimentos, tomados na primeira expedição

O estudo mostrou que a amostra mais profunda tem aproximadamente 280 anos, o que significa que o lago é provavelmente ainda mais velho, porque os pesquisadores não conseguiram obter amostras do fundo real.  Mesmo assim, isto prova que o Lago Cheko é muito mais velho do que o Evento de Tunguska e não é uma cratera de impacto de um suposto meteoro.

Tunguska
Local do Evento de Tunguska hoje

Mas como é que não encontraram o Lago Cheko em mapas antes de 1908?  A área é muito remota e na verdade ninguém fez nenhuma exploração detalhada e mapeamento por lá até depois da explosão.

Então, se não é o meteorito Tunguska, o que está no fundo do lago?  Isso terá que esperar para outra expedição com brocas mais longas.

O que causou o Evento de Tunguska?  Até alguém encontrar uma cratera ou um pedaço de meteorito, continuará sendo um mistério.

n3m3

Fonte

-------

BOMBANDO NO planetaabsurdo.com.br:

PESSOAS MISTERIOSAS COM OSSOS INQUEBRÁVEIS

-------
-------

AVISO: Todos são bem-vindos a participar da área de comentários abaixo. Contudo, os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de seus próprios autores e o site OVNI Hoje não se responsabiliza por quaisquer inconveniências ou conflitos por eles causados.

Também informamos que, a fim de não causar distrações e conflitos desnecessários, comentários, avatares e pseudônimos com viés político, seja de qual ideologia for, serão prontamente apagados quando encontrados pelos moderadores. O foco dos comentários deve ser mantido no assunto de cada artigo e somente desviado quando for pertinente ao tema do OVNI Hoje.

Assim, colabore com o bom andamento dos comentários, seja civilizado ao comentar e reporte abusos, marcando comentários fora do padrão como 'inapropriados', acessando a pequena flecha apontada para baixo no lado direito de cada comentário.

Obrigado.