Convenção da MUFON é publicada em veículo de imprensa convencional

Tempo de leitura: 2 min.

Rick Rojas, jornalista do Los Angeles times, fez menção em um artigo naquele jornal a um simpósio patrocinado pela MUFON sobre ovniologia.

Ficamos animados ao ver que um veículo da mídia convencional parecia estar levando a sério este assunto tão cativante.  Contudo, como verão mais abaixo, nem tudo que reluz é ouro.

Ele escreveu:

A primeira regra de qualquer pessoa que queira ser investigador de OVNIs é: Mantenha sua mente aberta.

Todos nós queremos acreditar, e muito”, disse David MacDonald, um investigador certificado da Mutual UFO Network – MUFON. “Mas se faz necessário procurar por evidências.  Você deve abordar isso como um pesquisador científico“.

Na sexta-feira, 29 de julho passado, MacDonald e dezenas de indivíduos que compartilham este interesse encheram uma sala de conferências de um hotel em Irvine, Califórnia, para discutir sobre a investigação de coisas inexplicáveis – ou pelo menos aquilo que não pode ser explicado em termos terrestres.  Como parte do simpósio anual da MUFON, foi lecionado aos participantes aquilo que é necessário para se tornar um investigador de campo certificado.

Foi dito a eles para abordar todos os alegados avistamentos objetivamente, e com a precisão de um cientista, e para levar sempre aparelhos de gravação, um contador Geiger e uma máscara de gás.

Os aspirantes a investigadores de OVNIs foram também aconselhados a observar o seguinte protocolo: Sempre faça com que a testemunha assine os devidos papéis.  Faça perguntas detalhadas.  Documente tudo.  Sempre carregue o distintivo da MUFON e, o que é mais importante, sempre seja profissional.

Muitos dos objetos voadores não identificados que são relatados para a MUFON podem ser facilmente explicados com satélites viajando pelo céu noturno, reflexos atmosféricos, ou até mesmo ‘parapentes’.  Porém existem ocasiões quando nenhuma explicação pode ser encontrada. E é aí que pode se tratar de um visitante de outro mundo.

Também,  é claro, um dos perigos ocupacionais que um investigador de OVNIs deve encarar é um certo desrespeito por parte dos outros.

Uma reclamação comum entre os muitos participantes do simpósio foi a de que eles eram vistos como se estivessem ‘fora da norma’.  “Nos temos aquilo que consideramos como evidências, mas a comunidade científica não quer considerá-las como tal“, disse Barbara Lamb, uma psicoterapeuta que trabalha com os ‘experienciados’ – aqueles que foram abduzidos.

Richard Dolan, um conhecido pesquisador de OVNIs e autor de vários livros, disse: “Logo abaixo daquele nível de riso abafado está o medo“.

O tópico principal do simpósio foi o que acontece se e quando extraterrestres visitam a Terra, mas outros tópicos também foram apresentados, tais como: ‘Segredos da Propulsão Antigravitacional’, ‘Viagem no Tempo é Real’ e ‘Marte, o Planeta Vivo’…

——

Mas acreditem, mesmo quando parece que um artigo da mídia convencional vai levar algo relacionado aos OVNIs asério, há uma recaída.  O artigo acima termina com um parágrafo que não traduzi, o qual fala a respeito da mulher da foto ao lado, Cynthia Crawford, uma artista plástica que produz estatuetas de alienígenas.  Ela participou da convenção e alega ser parte alienígena, parte humana. 

Convenientemente este fato foi colocado no final do artigo para desafiar a credibilidade do simpósio.

É pena, pois parece que ainda falta muito para a ovniologia ser tratada com o respeito que merece.

Relembrando o que disse Richard Dolan: “Logo abaixo daquele nível de riso abafado está o medo“.

n3m3

Fonte: www.latimes.com

AVISO: Fique alerta quanto as regras da área de comentários clicando aqui.