Inteligência não humana está no limite (Uma opinião de Jacques Vallée)

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 4 min.

Por Jacques Vallée
Na turbulência das notícias mundiais esta semana, não é difícil encontrar ocasiões para se preocupar. No entanto, dois temas novos também se tornaram proeminentes, cada um deles levantando o alarme desde os laboratórios de alta tecnologia de Silicon Valley até aos corredores do Congresso.

Crédito da imagem ilustrativa: n3m3/playground.com

Relacionam-se com o potencial da IA ​​para tornar os humanos obsoletos e com a ameaça global implícita no mistério dos OVNIs, mesmo quando reformulados como os menos intimidadores “UAPs”, como preferem os puristas do Pentágono.

O verdadeiro problema é que as duas questões estão mais estreitamente relacionadas do que se poderia prever, e o seu poder combinado para perturbar as realidades sociais, empresariais e talvez até espirituais ameaça tornar-se incontrolável, mesmo que os dois eleitorados tenham pouco em comum.

O enigma da IA ​​é surpreendentemente simples de descrever. Sob o disfarce do anonimato, no final do ano passado, funcionários seniores da OpenAI, uma startup sem fins lucrativos da Califórnia (com uma subsidiária com fins lucrativos) alertaram que a abordagem da sua empresa à “inteligência artificial geral” (IAG) estava prestes a desencadear “sistemas que ultrapassam os humanos nas tarefas economicamente mais valiosas”. Havia um projeto misterioso chamado Q*. Mesmo assim, os denunciantes não se revelaram e nenhum detalhe foi dado antes do retorno do CEO Sam Altman no mês passado.

Enquanto esses desenvolvimentos agitavam as coisas para a empresa de IA, seus investidores na Microsoft e seus concorrentes, um drama semelhante acontecia em Washington, DC: uma proposta de alteração ao enorme projeto de lei de Apropriações de Defesa, ansiosamente aguardada pelo público e por uma parte vocal do mundo científico, estava sendo abatido, ou pelo menos profundamente ferido, enquanto o Senado enterrava o conceito de divulgação de OVNIs por mais alguns anos. Forças poderosas do Partido Republicano intervieram no final do jogo para alterar, minimizar ou eliminar a linguagem introduzida pelo senador Schumer.

Entre outras disposições controversas, teria exigido o confisco de alegados materiais ou naves alienígenas, dos quais quase uma dúzia teria sido capturada por unidades especiais do Pentágono. Nos últimos anos, essas naves brincavam de esconde-esconde com nossos melhores caças da frota do Pacífico. No entanto, houve uma história muito mais longa – em grande parte confidencial – de trabalhos científicos para elucidar a sua origem e natureza. Também aqui a maioria dos denunciantes permaneceu escondida em segurança.

Tal como acontece com Q*, pensa-se que o pleno reconhecimento da realidade e do potencial da tecnologia exótica ameaça a humanidade. Isto sugere a necessidade de uma transição histórica para nos prepararmos para coexistir num futuro complexo onde nós, humanos, poderemos tornar-nos redundantes e incapazes de gerir o planeta ou mesmo a nossa própria sobrevivência. Tal como a inteligência artificial, a questão dos OVNIs surgiu no nosso mundo sem qualquer precedente histórico facilmente comparável.

As duas questões preocupantes – a iminência da IA ​​e as evidências dos OVNIs – me interessam separadamente e em conjunto. Conquistei um dos primeiros doutorados em IA na Northwestern, em 1967, para um programa que respondia a perguntas em inglês sobre um grande catálogo astronômico. Ele produzia resultados de cálculo em minutos, eliminando o trabalho penoso de codificação e economizando uma operação noturna do computador. Programas de segunda geração foram desenvolvidos pela indústria nos anos seguintes, trazendo controles sofisticados para locais que incluíam os nossos carros e aumentando a produtividade desde os pátios ferroviários até à aviação. Essa fase era invisível, no entanto. Mal conscientes da revolução em curso, a maioria de nós apreciou estes desenvolvimentos como recompensas esperadas da produtividade.

Em 1985, publiquei demonstrações de um assistente de IA que guiava um analista humano através de dezenas de hipóteses quando confrontado com um relato de um evento OVNI complexo, facilitando a sua explicação ou documentando a sua seleção para acompanhamento presencial (ver Vallée, J.F. : “Towards the use of artificial intelligence techniques in the screening of reports of Anomalous Phenomena” [“Rumo ao uso de técnicas de inteligência artificial na triagem de relatos de fenômenos anômalos”] ​​Instituto Americano de Aeronáutica e Astronáutica (AIAA). Los Angeles, 19 de abril de 1986).

O que vemos hoje é um enorme passo em frente, uma extensão natural da ciência da IA ​​que é eloquente, visível, intrusiva, abrangente e ampla; ocasionalmente louca ou engraçada também, mas sempre reveladora. O mais relevante é que a nova forma não é mais apenas uma serva; é um companheiro intimidante com a capacidade de digerir Santo Agostinho ou Kierkegaard na mesma heurística. Isso desencoraja a maioria dos usuários de desafiar seus vereditos. É aqui que reside o perigo, claro: o absurdo acolhe a rotina à medida que o raciocínio se torna estratificado, a sua lógica ancorada no aparente encadeamento de predicados impecáveis. Só cede à análise crítica quando se regressa à fonte dos seus dados, perfurando o véu do tecido dedutivo… mas quem tem tempo para isso?

As implicações para a investigação e a indústria são profundas. Eles se conectam diretamente à análise de problemas complexos demais para projetos humanos limitados. A sabedoria do software não está mais vinculada a um fluxo descendente dedutivo. Poderíamos pegar um enorme armazém de dados de OVNIs, como aquele (que permanece classificado) que projetei para o Advanced Aerospace Weapons Systems Ap.

Três oportunidades de progresso foram perdidas:

Se a verdade sobre os dados inexplicáveis ​​de OVNIs tivesse sido dita pelas autoridades dos EUA já em meados da década de 1950 – como poderia ter sido – o problema teria recaído sobre os melhores cientistas do mundo, bem equipados para verificar os dados e lidar com eles. Isso não foi feito.

Se a verdade (recém alinhada por milhares de encontros bem compreendidos) tivesse sido dita no final dos anos sessenta ou setenta, teria havido uma perturbação política, ignorando os cientistas deixados à própria sorte. A questão teria transcendido os assuntos comuns, com impacto sentido em todo o mundo, mas ainda assim era administrável. No entanto, nada foi feito: apresentações enérgicas perante o Comité Político da ONU em 1978 foram negadas pela oposição do Reino Unido e dos EUA.

E quanto à terceira falha em dizer a verdade, dada a falta de ação decisiva em Washington no mês passado?

Neste momento, qualquer tentativa de divulgação pode perturbar as sensibilidades religiosas, com um risco maior para a estabilidade social do que os perigos científicos ou políticos de décadas anteriores, dados os conflitos que dividem o mundo. A jovem geração de cientistas de IA ansiosos por lançar novas formas de inteligência, e os sobreviventes das discussões do Pentágono em torno do “armazém de dados” dos OVNIs, podem ser sábios em permanecer anônimos: além do limite, qualquer sabedoria que possamos buscar em nossos algoritmos primitivos é muito realmente frágil.

Qualquer que seja a decisão tomada, as implicações são poderosas e afetam áreas sensíveis, desde a política científica (quanta investigação deve permanecer confidencial?) até à avaliação de ameaças na defesa e às relações internacionais com nações interessadas que não são amigas, mas que podem ter dados essenciais.

O perigo pode então residir nas consequências das decisões iniciais que impedem ou sobrecarregam a nossa capacidade de controlar a complexidade das ações futuras. E esta não é uma tarefa que qualquer IA atual esteja pronta para enfrentar.

(Fonte)

Colaboração: Emmanuel


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Franklin Viana ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


alienígenasinteligência artificialinteligência não humanaJacques ValléeOpinião
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.