O que os pensadores da Grécia Antiga acreditavam sobre a vida extraterrestre

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 3 min.

Havia escolas de pensamento na Grécia Antiga que especulavam sobre a vida extraterrestre na tentativa de responder às muitas questões sobre o universo.

Crédito da imagem ilustrativa: n3m3/Bing/DALL-E

A visão de mundo aristotélica de um cosmos unificado e finito, sem extraterrestres, foi muito influente no pensamento grego antigo.

No entanto, a possibilidade de vida fora da Terra começou no mundo grego antigo, originando-se pelo menos já no século IV a.C.

Anaximandro (610 – 546 a.C.), um filósofo que viveu em Mileto, contribuiu com uma ideia-chave. Ele foi o primeiro a propor que a Terra é um corpo flutuando em um vazio infinito sustentado por nada. Esta foi uma visão primitiva da estrutura do nosso universo.

Além disso, ele especulou sobre o início e a origem da vida animal e afirmou que os humanos se originaram de outros animais que viviam nas águas.

De acordo com a sua teoria evolucionista, os animais surgiram do mar há muito tempo, nascendo presos numa casca espinhosa, mas, à medida que envelheciam, a casca secava e os animais seriam capazes de quebrá-la.

Tais ideias estavam tão à frente do tempo de Anaximandro que se poderia pensar que era impossível para o homem compreender tanto sobre a origem dos humanos.

Grécia Antiga: Introdução à ideia de vida extraterrestre

As primeiras especulações sobre a vida extraterrestre que se tornaram populares na Grécia antiga foram as dos filósofos epicuristas.

Demócrito e Epicuro acreditavam que o universo era o resultado de uma colisão casual de átomos e acreditavam que não só era altamente provável que existissem outros mundos no cosmos, mas também que eles fossem habitados.

O discípulo de Epicuro, Metrodoro de Lampasco, considerou improvável a ideia de nosso “mundo” ser o único, semelhante a “se uma única espiga de trigo crescesse em uma vasta planície”.

Essas hipotéticas “outras terras” eram planetas distantes além do nosso.

Aristóteles, por outro lado, acreditava que a existência de outros mundos era impossível.

Os seguidores de Aristóteles acharam o conceito de mundos múltiplos muito abstrato. Eles queriam observar as coisas em vez de apenas imaginá-las.

Existem teorias de que o famoso Mecanismo de Anticítera, datado do século II a.C., não poderia ter sido criado pelo homem da época, mas por uma inteligência superior, presumivelmente de extraterrestres.

Além disso, no século V a.C., o poeta Píndaro escreveu sobre estátuas que ganhavam vida como criaturas que se moviam e respiravam. Hoje chamaríamos isso de robôs, mas o que realmente inspirou Píndaro a escrever sobre essas estátuas?

Pitágoras e Astraios

A história de Pitágoras e Astraios se destaca na mitologia grega. Diz-se que um dia, Mnesarchus, o pai do filósofo, encontrou uma criança abandonada debaixo de uma árvore, olhando para o Sol.

Mnesarchus chamou a criança misteriosa de Astraios, que significa literalmente “criança estrela” em grego. Ele então deu a criança a Pitágoras para ser seu servo e aprendiz.

Alguns disseram que a criança tinha sido enviada à Terra por extraterrestres para ensinar ao gênio matemático grego as suas grandes teorias em matemática e trigonometria, que ainda hoje se aplicam.

Os romanos seguiram os gregos, como tantas vezes faziam, expandindo o conceito grego de vida extraterrestre.

O poeta epicurista romano Lucrécio escreveu:

“Nada no universo é único e solitário e, portanto, em outras regiões deve haver outras terras habitadas por diferentes tribos de homens e raças de animais.”

“Os deuses gregos eram seres extraterrestres”

Em seu livro Odisseia dos Deuses: A História Alienígena da Grécia Antiga, o autor suíço Erich Von Daniken sugere que os deuses gregos eram na verdade seres extraterrestres que chegaram à Terra há milhares de anos.

Usando evidências arqueológicas duvidosas e os escritos dos antigos, incluindo Aristóteles, Von Daniken tenta provar que os deuses alienígenas do Olimpo cruzaram com humanos, realizaram experimentos genéticos e criaram criaturas míticas, como centauros e ciclopes.

No livro, o autor suíço, que escreveu duas dúzias de livros sobre seres extraterrestres misturando-se com as pessoas e moldando a civilização humana, sugere que o que chamamos de mitologia grega é, na verdade, história real.

Ele afirma que o local do Oráculo de Delfos era uma estação de reabastecimento de aeronaves e que a busca de Jason pelo velo de ouro era uma busca por um componente essencial da aeronave.

Outra de suas teorias é que as antigas cidades de Tróia e Atlântida eram uma só e foram destruídas em uma guerra entre alienígenas ou seus descendentes.

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Franklin Viana ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


Grécia antigapensadores gregosUniversovida extraterrestre
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.