Tempestade solar de 1977 revela quão despreparados estamos para o próximo “grande problema”

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 2 min.
Ouça este artigo...

Uma nova pesquisa descobriu que as tempestades solares variam em intensidade em distâncias surpreendentemente curtas, e a atual rede de sensores pode não ser suficiente para preparar adequadamente para futuras explosões.

Crédito da foto ilustrativa: deposiphotos.com

A força das tempestades solares que atingem a Terra pode variar dramaticamente em distâncias curtas, com locais a apenas algumas dezenas de quilômetros de distância sofrendo perturbações magnéticas muito diferentes, revela uma nova investigação.

Isto pode significar que algumas áreas são mais vulneráveis ​​a grandes tempestades solares do que se pensava anteriormente, disse em comunicado a coautora do estudo, Eija Tanskanen, diretora do Observatório Geofísico de Sodankylä (SGO), na Finlândia.

Hoje, a maioria das redes de monitoramento de tempestades solares possui sensores espaçados em média cerca de 400 quilômetros entre si. Mas Tanskanen e os seus colegas descobriram que a intensidade da tempestade solar varia em distâncias muito menores, de cerca de 100 km.

Tanskanen disse:

“Quando uma tempestade solar ocorre, [uma] rede de magnetômetros muito esparsa pode levar à subestimação dos distúrbios magnéticos locais.”

As tempestades solares acontecem quando fortes explosões de partículas carregadas do Sol atingem a atmosfera da Terra. A atmosfera protege a superfície do planeta da maioria destas partículas carregadas, embora os satélites em órbita baixa da Terra corram o risco de sofrer picos eléctricos e danos. Quando as tempestades são grandes o suficiente, elas podem causar a ocorrência de auroras em latitudes mais baixas do que o normal. Nos piores casos, as tempestades solares podem perturbar as redes elétricas.

Para estudar os detalhes essenciais desses impactos, pesquisadores da SGO e da Universidade de Oulu, na Finlândia, olharam para 1977. Em dezembro daquele ano, uma forte tempestade solar atingiu a Terra e foi registrada por 32 estações no Scandinavian Magnetometer Array (SMA). Este conjunto de sensores de campo magnético era mais denso do que as redes de monitorização que operam hoje nos países nórdicos, mas nunca foi digitalizado – por isso todos os dados ficaram em tiras de filme.

Para o novo estudo, os investigadores fotografaram e digitalizaram estes registos e descobriram que as variações de estação para estação eram extremas. Numa forte tempestade solar, como o Evento Carrington de 1859, que interrompeu as comunicações telegráficas, pode haver uma variação de até 150 nanotesla na perturbação magnética ao longo de cerca de 10 km. (Uma nanotesla é uma medida de campos magnéticos fortes.) Em outras palavras, uma área pode passar despercebida quase sem qualquer perturbação magnética, enquanto um local a uma curta distância de carro pode experimentar centenas de vezes essa força.

A descoberta é um argumento para adicionar mais sensores à rede que mede as mudanças no campo magnético da Terra, disse Tanskanen.

Ela ainda disse:

“Uma rede de magnetômetros mais densa nos ajudaria a compreender a estrutura complexa do campo magnético durante as tempestades solares. Poderíamos fornecer alertas locais sobre movimentos de tempestades solares e proteger melhor a infraestrutura vulnerável a perturbações magnéticas.”

As descobertas foram publicadas em 2 de novembro na revista Scientific Reports.

(Fonte)


ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

Apoie o OVNI Hoje: Cada Doação é Essencial!

Agradecimentos aos colaboradores do mês: ❤️Eneias Vieira ❤️Silas Raposo ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️Cristina Vilas Boas

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:

perigo para Terraperturbação magnéticatempestade solar
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.