Foi a Terra “terraformada” por marcianos?

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 3 min.

Por Avi Loeb
Há cerca de 2 a 2,5 bilhões de anos, a vida no Sistema Solar testemunhou quase simultaneamente boas e más notícias. Por um lado, Marte perdeu a sua atmosfera e os seus reservatórios superficiais de água líquida, transformando-se no deserto congelado que é hoje. Mas, mais ou menos na mesma época, as cianobactérias aumentaram abruptamente o nível de oxigênio na atmosfera da Terra. Este Grande Evento de Oxidação permitiu o metabolismo aeróbico e as formas de vida complexas que levaram à nossa existência.

Esta coincidência de tempo entre os dois eventos ocorreu por acaso ou foi desencadeada por causa e efeito?

Por exemplo, se Marte perdesse a sua atmosfera como resultado do impacto de um asteroide gigante, a mesma colisão poderia ter transferido numerosas rochas marcianas com organismos biológicos ou produtos químicos únicos para a Terra, inclinando a balança a favor das cianobactérias e desencadeando uma transformação da vida terrestre. A possibilidade de Marte e a Terra partilharem a mesma ascendência biológica será testável assim que identificarmos vestígios de vida no início de Marte. Mas a ancestralidade poderia ser mais profunda e envolver inteligência.

Num ensaio anterior, calculei que se uma civilização tecnológica avançada se originasse em Marte duas vezes mais rápido que na Terra e depois desaparecesse quando Marte perdesse a sua habitabilidade, então toda a infra-estrutura tecnológica em Marte já teria sido transformada em pó como resultado da queda de asteroides. Esta devastação natural teria sido equivalente ao lançamento de várias dezenas de bombas atômicas de Hiroshima por quilômetro quadrado na superfície marciana.

Mas vamos seguir um pouco mais esta possibilidade lógica. Se existisse uma civilização tecnológica avançada no início de Marte, certamente teria havido uma versão marciana de Elon Musk que fundou uma empresa marciana, digamos a SpaceY, com o objetivo de trazer marcianos para a Terra depois de expressarem o desejo de morrer na Terra. E imagine que este desejo foi realizado entre 2 e 2,5 mil milhões de anos atrás, ao contrário da imagem espelhada do desejo actual de Musk de morrer em Marte, que ainda não foi realizado.

Nesse caso, as receitas e o valor das ações da SpaceY devem ter disparado há 2,5 mil milhões de anos, quando se tornou claro para os marcianos que o seu planeta estava prestes a perder a sua atmosfera e a capacidade de sustentar água líquida. Habitar a Terra tornou-se o caminho óbvio para a salvação, e a terraformação da Terra tornou-se uma grande prioridade na política marciana.

O Grande Evento de Oxidação foi o resultado de um projeto marciano para terraformar a Terra? O aumento da atividade das cianobactérias poderia ter sido cultivado artificialmente através da supressão de espécies concorrentes, da semeadura ou do aumento dos nutrientes que permitiram que as cianobactérias prosperassem. Nesse caso, o Grande Evento de Oxidação na Terra foi seguido por um Grande Evento de Êxodo em Marte?

Francamente, não gosto de ficção científica quando o enredo viola as leis da física. Mas eu adoro ciência e esta hipótese da “Terra Terraformada” pode ser testada com base no método científico. Poderíamos facilmente descartar essa possibilidade estudando a vida primitiva na Terra ou em Marte e descobrindo que o código genético dos organismos vivos nos dois planetas é diferente. Mas também se poderia procurar evidências arqueológicas na Terra, em Marte ou mesmo na Lua, se uma civilização anterior ali tivesse aterrissado.

A datação de crateras de sal usando dados da Mars Reconnaissance Orbiter implica que Marte tinha água líquida há cerca de 2 a 2,5 bilhões de anos. O MAVEN Orbiter da NASA apresentou evidências de que Marte perdeu a sua atmosfera nessa altura. Até agora, o jipe-sonda Perseverance não notou nenhuma relíquia da tecnologia marciana. Mas também é possível acompanhar esta última busca na Terra.

Como seriam os vestígios arqueológicos de uma civilização marciana na Terra? Tal como calculei no meu ensaio anterior, a infra-estrutura tecnológica de uma civilização que nos antecedeu e depois pereceu há milhares de milhões de anos, teria sido removida por impactos de meteoros e atividade geológica sob a forma de vulcões e placas tectônicas. Mas em locais onde a devastação foi incompleta, poderemos encontrar relíquias incomuns.

Qualquer busca desse tipo constituiria uma operação de alto risco e alta recompensa. Mas o nível de risco ou recompensa associado à busca é muito menor do que o envolvido num êxodo real de uma civilização tecnológica de um planeta rochoso para o seu vizinho mais próximo. Caso os marcianos tenham chegado aqui primeiro, a ambição atual de Musk de trazer humanos a Marte assemelha-se a um plano de viagem a uma casa de infância após a morte dos pais.

Aliás, foi exatamente isso que fiz nos últimos dias enquanto dirigia perto da fazenda onde nasci, localizada nas proximidades do Instituto Weizmann, onde devo proferir uma palestra pública sobre o Projeto Galileo – em busca de relíquias tecnológicas extraterrestres perto da Terra.

Ocorreu-me que caso encontrássemos alguma coisa, a resposta ao paradoxo de Enrico Fermi: “Onde está todo mundo?”, seria: “Bem aqui, na nossa frente”.

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Danilo Tercariol ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


Avi LoebmarcianosMarteTerra
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.