Porque devemos levar os OVNIs a sério

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 4 min.

Por Chris Rutkowski
A maioria das crianças passa por uma fase espacial. Mas a minha continuou depois que vi a NASA lançar suas espaçonaves Gemini e Mercury na TV. E continuou depois que entrei para o clube de OVNIs da minha escola em Winnipeg (Canadá). Quando me matriculei na Universidade de Manitoba, optei por um diploma em ciências; eu queria ser astrônomo. Eu ficaria feliz em passar todos os meus dias olhando para cima.

Crédito da imagem ilustrativa: n3m3/Bing/DALL-E

Na época, meus professores recebiam toneladas de ligações de civis sobre avistamentos de OVNIs. Convencidos de que eram bobagens, pararam de atender. Perguntei se eles poderiam passar as ligações para mim. Durante todo o meu primeiro ano, recebi relatos de observadores de OVNIs e às vezes até os visitei em suas casas. Seus avistamentos eram principalmente coisas como estrelas e aviões – erros honestos. Mas outros, como o conto de uma família sobre uma “roda gigante de luzes”, não tinham explicações simples. Um professor me pediu para fazer uma apresentação sobre o que tinha ouvido. Centenas de pessoas lotaram o auditório. Eu me tornei o “cara do OVNI” da noite para o dia.

No que diz respeito aos entusiastas de OVNIs, não sou eu quem está dizendo: “Os alienígenas estão aqui roubando nossa água e sequestrando pessoas”. Muitas vezes sou criticado por ser muito cético. Sempre considerei os OVNIs – que são separados dos alienígenas – como um problema científico, que deveria ser pesquisado usando ferramentas adequadas e métodos rigorosos.

Desde os anos 80, produzo a Canadian UFO Survey (Pesquisa Canadense de OVNIs), uma coleção anual de avistamentos de todo o país. Ela extrai dados de documentos governamentais e relatórios de pilotos, policiais e civis e depois os divide por critérios como número de testemunhas e “nível de estranheza”. Entre 700 e 1.000 relatórios são apresentados no Canadá todos os anos, dois a cinco por cento dos quais desafiam qualquer categorização. Aproximadamente 10% de todos os canadenses tiveram avistamentos, e esse número inclui apenas aqueles que relataram. Quer você os chame de OVNIs ou UAPs – fenômenos anômalos não identificados, um termo que está ganhando força (dentro do governo dos EUA, etc.) – eles são entidades reais que vale a pena estudar seriamente.

Uma série de incidentes recentes e de alto perfil deram início ao nosso mais recente frenesi sobre OVNIs: em fevereiro passado, um jato militar americano derrubou um balão de vigilância chinês na costa da Carolina do Sul, depois mais três objetos benignos sobre o Lago Huron, Yukon e Alasca dentro de um semana. Os OVNIs também foram objeto de uma audiência de duas horas no Congresso americano em julho, seguida por uma audiência no Congresso mexicano em setembro (completa com falsos restos mortais de alienígenas apresentados por um jornalista local).

À medida que o nosso espaço aéreo se torna mais comercializado, com drones de entrega de pacotes da Amazon Prime Air juntando-se aos satélites Starlink de Elon Musk no céu, haverá cada vez mais razões válidas para rastrear OVNIs. Um dos principais é a segurança: os pilotos de avião, por exemplo, relatam regularmente avistamentos de OVNIs, que muitas vezes acabam por ser drones civis. No entanto, se estiverem vendo luzes ou outras curiosidades – invisíveis ao controle de tráfego aéreo – isso é uma grande preocupação. Quer estes avistamentos indiquem um mau funcionamento do sistema anti-colisão de um avião, um piloto com olhos cansados ​​ou um verdadeiro OVNI, podem representar um perigo para a segurança dos passageiros. Os OVNIs também são uma questão de defesa nacional. Objetos que correspondiam às descrições do infame balão espião da primavera passada foram vistos flutuando sobre partes do Canadá meses antes do balão ser oficialmente reconhecido pelos militares dos EUA. Precisamos prestar mais atenção.

A primeira solução deveria ser a forma como o governo canadense lida com os avistamentos. Neste momento, uma rede diversificada de agências aceita relatórios; muitos o fazem e não se comunicam entre si. A Real Força Aérea Canadense passou o controle oficial do arquivo para o Conselho Nacional de Pesquisa, ou NRC, nos anos 60, quando os OVNIs não eram mais considerados uma questão puramente de segurança, mas sim científica. (Os avistamentos geralmente eram meteoros.) O NRC delegou alguns incidentes a destacamentos da RCMP para investigações locais, depois desistiu do arquivo em 1995 por razões de custo. Depois disso, o arquivo OVNI tornou-se uma batata quente administrativa, acabando por cair nas mãos da Transport Canada e da Nav Canada, uma organização sem fins lucrativos que gerencia os incidentes de aviação do país. A Nav Canada não está sujeita a solicitações de acesso a informações, então, neste momento, existe um buraco negro gigante em torno do que está sendo investigado.

O Canadá deveria estabelecer um repositório central onde novos relatos de OVNIs possam ser coletados e analisados. Todos os anos, esse gabinete deve produzir um relatório público, da mesma forma que o Supremo Tribunal do Canadá divulga o seu ano anual em revisão. Este resumo deve incluir avistamentos de civis – agricultores, observadores de aves e até contabilistas que olham para cima durante as suas deslocações diárias. A ciência sempre avançou pelas observações de pessoas comuns.

A comunidade científica mais ampla também precisará participar de estudos de OVNIs para fornecer dados adequados aos canadenses. Já há boas notícias nesta frente. Em setembro passado, a NASA divulgou um relatório de 33 páginas que pedia uma melhor coleta de dados de OVNIs, possivelmente auxiliada por tecnologia de IA e aplicativos de código aberto para smartphones. Também no início deste ano, surgiram notícias de que o Gabinete do Conselheiro Científico Chefe do Canadá havia lançado o Projeto Sky Canada, o primeiro esforço conhecido de pesquisa de OVNIs do governo canadense em três décadas. O objetivo é examinar como os OVNIs são rastreados no Canadá. (Os resultados são esperados para 2024.) Estes desenvolvimentos abrem a porta à utilização de ferramentas científicas, como a videovigilância, a tecnologia de deteção remota e os telescópios. Eles podem nos ajudar a identificar o que vemos e também a responder perguntas como há quanto tempo ele esteve lá e como se moveu. Os cientistas gostam de dados tangíveis e replicáveis, não de contos. Essas ferramentas podem fornecer isso.

Eu gostaria de ver as instituições pós-secundárias canadenses incluírem mais cursos focados em OVNIs em suas disciplinas – e não apenas em astronomia. Os engenheiros, por exemplo, poderiam especular sobre os detalhes técnicos de como as viagens interestelares poderiam funcionar. Tem havido algumas pesquisas sobre OVNIs em universidades canadenses, como o Instituto de Estudos Aeroespaciais da Universidade de Toronto. Mas na maior parte, a ovnilogia – o estudo dos OVNIs – permaneceu dentro da “faculdade invisível”, entre cientistas que conduziram pesquisas por interesse, sem apoio institucional.

Há também a questão da desinformação: quando os cientistas rejeitam a validade do estudo dos OVNIs, os canadenses não ficam menos fascinados por eles. Somos apenas forçados a nos contentar com fontes de informação marginais e menos confiáveis. (Um documento da Sky Canada, por exemplo, lista a “prevenção de teorias da conspiração” como uma prioridade.) Somos apanhados pela especulação selvagem no Reddit ou X, ou assistimos Encounters, a nova e popular (mas incompleta) série documental sobre OVNIs da Netflix. Marcos da cultura pop, como Star Trek e Unsolved Mysteries, alimentam nosso desejo fundamental de saber se estamos ou não sozinhos no universo. Mas o dever cívico dos cientistas é fornecer-nos os fatos.

Estou, é claro, intrigado com a ideia de alienígenas. Vários canadenses, incluindo eu próprio, estão atualmente trabalhando no Projeto Galileo, um projeto de investigação internacional baseado em Harvard. Seu objetivo é procurar sistematicamente por vida extraterrestre; estou aconselhando a equipe sobre como obter melhores dados sobre OVNIs. Não creio que conhecerei nenhum homenzinho verde durante a minha vida, e a possibilidade de alienígenas visitarem os canadenses é remota. Mas não é zero. Como qualquer fã de ciência, acredito que a verdade está aí.

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Franklin Viana ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


Chris RutkowskiOpiniãoOVNIsUAPsUFOs
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.