Viemos da constelação de Órion?

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 4 min.

Qual é a verdadeira história da origem da humanidade? Quais são as nossas verdadeiras origens? Ao contrário do que dita a corrente dominante, alguns teóricos sugerem que a civilização humana não se origina na Terra, mas que viemos de um lugar muito distante: a constelação de Órion.

Constelação de Órion à direita, com a estrela binária Sírius (a mais brilhante do céu noturno) no centro abaixo. Crédito: Wikipedia.

Por que esse padrão de estrelas se repete em monumentos de todo o mundo antigo? Por que o homem antigo considerava Órion uma das constelações mais proeminentes no céu?

Órion foi crucial para o homem antigo no passado, e estas civilizações distantes prestaram homenagem aos deuses de Órion construindo monumentos incríveis e colocando-os em locais específicos da Terra imitando o céu.

Os astrônomos referem-se a Órion como M42, mas a humanidade antiga conhecia esta constelação milhares de anos antes da astronomia moderna, sem telescópios como o Hubble. As questões são como e por quê?

Órion é um lugar onde as estrelas nascem e os astrônomos referem-se a ele como um “Berçário de Estrelas”.

A constelação de Órion é uma das formações estelares mais proeminentes no céu noturno e é uma das constelações mais famosas da atualidade, facilmente identificável no céu noturno claro. Ela é nomeada após o semideus grego Órion no século 8 a.C. Ao conectar as estrelas, elas formam a cabeça, os ombros, o cinturão e os pés de um homem. As três principais estrelas da constelação são Alnilam, Alnitak e Mintaka, que formam o cinturão de estrelas de Órion.

Segundo a mitologia grega, Órion era um caçador gigante que Zeus colocou entre as estrelas como a constelação de Órion.

Órion nos tempos antigos

Fontes antigas contam diversas histórias diferentes sobre Órion. Existem duas versões principais de seu nascimento e várias versões de sua morte. Os episódios mais importantes registados são o seu nascimento em algum lugar na Beócia, a sua visita a Quios onde conheceu Mérope e foi cegado pelo pai dela, Enopion; a recuperação da visão em Lemnos, a caça com Ártemis em Creta, a sua morte pelo arco de Ártemis ou pela picada do escorpião gigante que se tornou a constelação de Escorpião, e sua elevação aos céus.

A maioria das fontes antigas omite alguns desses episódios e várias contam apenas um.

“Esses vários incidentes podem ter sido originalmente histórias independentes e não relacionadas e é impossível dizer se as omissões são meras brevidades ou representam um desacordo real.”

–Wikipédia

A mitologia egípcia na verdade sugere que os deuses descendiam do cinturão de estrelas de Órion e Sirius e acreditavam que seres em forma de humanos surgiram de Sirius e Órion. Eles os chamavam de Osíris e Ísis, e foram eles que realmente instigaram a raça humana.

Sirius e Órion são talvez uma das constelações mais importantes no céu noturno, não apenas para os gregos e egípcios, mas também para outras civilizações antigas na Babilônia, na América do Sul e Central, e até mesmo para as tribos nativas da América do Norte.

Monumentos antigos e sua sincronização com Órion

Será apenas uma coincidência que a localização de alguns dos monumentos mais importantes da Terra pareça estar precisamente posicionada para imitar o cinturão de Órion no céu? Como é possível que existam estruturas semelhantes que apontam para Órion, construídas por civilizações a milhares de quilômetros de distância, que os estudiosos modernos dizem não estarem ligadas de forma alguma? Esta é uma incrível coincidência cósmica? Ou existe uma ligação sobrenatural a este fenômeno, um fenômeno que poderia lançar luz sobre as nossas próprias origens?

Os astecas, os maias, os antigos egípcios e outras civilizações antigas apontam para Órion. Os antigos egípcios ligaram Osíris à criação, e alguns pesquisadores acreditam que Osíris e Órion são na verdade o mesmo fenômeno.

No Egito, foram descobertos textos esculpidos nas paredes das pirâmides que datam de 2.400 a.C. e que falam do faraó egípcio Unas, que governou por 30 anos e finalmente fez sua última viagem ao sistema estelar de Órion.

Segundo alguns historiadores, Sirius foi identificada como a estrela bíblica Mazzaroth e a tribo Dogon do Deserto do Saara teve esta estrela entre os seus lugares mais preciosos no céu, mas é no Antigo Egito onde encontramos uma vasta história sobre este sistema binário (o que o olho nu percebe como uma única estrela é na verdade um sistema estelar binário, formado por uma estrela branca da sequência principal do tipo espectral A1V, chamada Sirius A, e uma fraca companheira anã branca do tipo espectral DA2, chamada Sirius B. A distância que separa Sirius A de sua companheira varia entre 8,2 e 31,5 UA). Na mitologia egípcia, Hathor estava intimamente relacionada com Sirius, mas Ísis também.

A Passagem Descendente apontava para a estrela polar Alpha Draconis, por volta de 2170-2144 A.C. Esta era a Estrela do Norte naquela época. Nenhuma outra estrela se alinhou com a passagem desde então. O eixo sul da Câmara do Rei apontava para a estrela Al Nitak (Zeta Orionis) na constelação de Órion, por volta de 2.450 a.C. E como mencionamos antes, a constelação de Órion estava associada ao deus egípcio Osíris. Nenhuma outra estrela se alinhou com este mastro durante esse período da história.

O vértice da Grande Pirâmide corresponde ao polo geográfico, enquanto o perímetro da Pirâmide corresponde ao equador, ambos em escala própria. Cada face da pirâmide foi projetada para representar um quarto curvo do hemisfério norte (um quadrante esférico de 90°).

Cinturão de Órion e sua conexão com alinhamento de pirâmides no Egito e

Conexão com as estrelas

Sirius também é a antiga inspiração egípcia para um de seus primeiros calendários. No calendário egípcio de Sirius, o ano começou com a ascensão helicoidal de Sirius. A verdadeira estrela companheira de Sirius, Sirius B, é feita de matéria superdensa que é mais pesada do que qualquer matéria normal no universo e o peso desta pequena estrela é o mesmo de uma estrela gigante normal.

Os Dogons também, como sabemos, dizem que Sirius B é “pesada” e falam do seu “peso”. É surpreendente que os babilônios descrevessem Órion como uma constelação e um ser supremo, e se referissem a ele como o “Verdadeiro Pastor do Céu”, Anu” ou “o pastor do Céu”, porque Anu era visto como o deus do Céu.

Os catálogos estelares babilônicos descrevem os movimentos precisos de vários corpos celestes e, segundo alguns pesquisadores, essas placas de argila são a prova de que a antiga civilização babilônica obteve conhecimento celestial de viajantes estelares, seres extraterrestres que vieram à Terra em um passado distante. Os catálogos de estrelas da Babilônia são uma coleção de informações com equações matemáticas extremamente precisas e, o mais importante, a distância entre os planetas, e os arqueólogos e pesquisadores ficam perplexos e não conseguem responder à questão de como uma civilização do passado poderia ter esse tipo de conhecimento.

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Franklin Viana ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


astronomiahistória antigaorigem da humanidadeÓrionSirius
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.