O mistério do afresco núbio de gigante carregando dois elefantes

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 3 min.

No território do Sudão moderno, às margens do Mar Vermelho, havia uma região conhecida como Núbia nos tempos antigos. A história da Núbia está intimamente ligada ao Egito Antigo.

Cerca de 250 pirâmides antigas de vários graus de preservação estão localizadas nesta região. Muitas delas foram destruídas apenas no século XIX, quando os soldados europeus chegaram.

Essas estruturas são chamadas de pirâmides de Meroe, em homenagem ao reino meroítico (também conhecido como Kush). Elas são muito menores que as dos antigos egípcios e não são consideradas tão antigas. Os cientistas dizem que elas foram construídos cerca de 800 anos depois que os egípcios pararam de construir suas pirâmides.

Como as antigas pirâmides egípcias, as pirâmides de Meroe são ricamente decoradas com uma variedade de afrescos que retratam a vida de governantes e pessoas comuns. O mineralogista francês Frederic Cailliau foi o primeiro a estudá-las em 1821 e, durante suas pesquisas, deparou-se com um afresco muito curioso que ainda gera polêmicas.

Este afresco retrata um homem de tamanho verdadeiramente enorme, carregando dois elefantes nos ombros. Além disso, os elefantes têm presas, indicando que são animais adultos! O homem parece mais comum, não uma divindade ou algum tipo de monstro mítico. Ele é retratado sem roupas, parecendo um escravo ou um mendigo.

É particularmente digno de nota que as características de seu rosto, segundo os pesquisadores, são mais caucasóides do que egípcias, e seu cabelo não é preto, mas loiro. O fato de que o cabelo loiro não é apenas resultado do desbotamento da cor ao longo do tempo é evidente pelo fato de que ambos os elefantes são obviamente escuros.

A este respeito, podemos recordar as notas do historiador romano Josefo Flávio de 79 a.C., nas quais escreveu que o último dos gigantes egípcios viveu durante o reinado de Josué (século XIII a.C.).

Flavius ​​​​descreveu esses gigantes como tendo corpos grandes e rostos muito diferentes dos das pessoas comuns, e eles eram “incríveis de se olhar e terríveis de ouvir, com suas vozes altas soando como o rugido de um leão“.

Além disso, a história do dedo mumificado de um gigante supostamente encontrado em algum lugar de um antigo enterro egípcio vem à mente. Em 1988, Gregor Sperry, um empresário suíço e aficionado do antigo Egito, encontrou uma gangue egípcia de “arqueólogos negros” que estavam saqueando antigos cemitérios.

Eles o levaram a um homem chamado Naguib, que mostrou a Sperry um enorme dedo humano mumificado envolto em um trapo.

Dedo mumificado de “gigante”.

Dizia-se que esse dedo havia sido guardado por cerca de 150 anos na família Nagiba, cujos ancestrais também eram ladrões de túmulos, e eles o valorizavam, mostrando-o a apenas algumas pessoas. O comprimento do dedo era de 35 cm, com espessura de 6 cm.

Depois de examinar cuidadosamente o dedo, Sperry percebeu que pertencia a um ser biológico real, não falso. O dedo parecia ter sido cortado com algo pontiagudo e a pele apresentava sinais de danos.

Entre a pele seca, restos de fungos eram visíveis e a unha mal se mantinha no lugar. Além disso, havia marcas de mordidas na pele em alguns lugares, como se fossem de ratos ou camundongos. Sperry ficou surpreso porque o tamanho do dedo sugeria que seu dono deveria ter pelo menos 5 a 6 metros de altura.

Foi feito um raio-X do dedo.

Ainda assim, ele permaneceu cético, então Naguib mostrou a ele uma pasta de documentos que comprovavam a autenticidade dos restos mortais. Um raio-X do dedo também estava presente, mostrando claramente os ossos.

Naguib recusou-se a divulgar a localização exata da descoberta do dedo, mas deu a entender que ele estava escondido em algum lugar na parte inferior da Grande Pirâmide no Planalto de Gizé, onde estavam localizadas “grandes tumbas vazias”.

Sperry tirou várias fotos do dedo e pediu persistentemente a Naguib para vendê-lo, mas ele recusou categoricamente e tirou o dedo, envolvendo-o novamente em um pano.

Em 2009, Sperry voltou para a mesma cidade de Beer Hooker, tentando encontrar Naguib, mas não teve sucesso. Ele mostrou fotos do dedo aos cientistas, mas eles o descartaram como uma farsa.

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Franklin Viana ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️ Jessica Luana de Souza ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


arqueologiagigantesNúbiaSudão
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.