Estudo da criação da Terra torna a vida alienígena mais provável

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 3 min.

A formação da Terra pode ter parecido mais um deslizamento de terra rápido e inevitável do que uma série lenta de cataclismos ocasionais, como os cientistas há muito teorizam, de acordo com descobertas publicadas na quarta-feira (14 de junho de 2023) na Nature.

Crédito da imagem ilustrativa: n3m3/Bing/DALL-E

Se assim fosse, planetas semelhantes à Terra poderiam ser muito mais comuns do que se pensava anteriormente, sugerem as descobertas.

O artigo representa uma revisão inovadora do entendimento convencional de como a Terra foi criada — e uma nova teoria sobre a origem da água vital do planeta.

O aparecimento daquela água,escreveram seus autores, “pode ​​não ter acontecido inteiramente por acaso”.

Isso representaria uma notícia muito boa para a busca por planetas parecidos com a Terra — sem falar na vida alienígena.

As descobertas apresentam um modelo radicalmente revisado de como planetas como o nosso – pequenos, rochosos e úmidos – tendem a se formar em toda a galáxia, sob o qual surge uma visão muito diferente da vida no universo.

O coautor, Martin Bizzarro, do Denmark’s Globe Institute, disse:

“Com esse novo mecanismo de formação de planetas, a chance de haver planetas habitáveis ​​na galáxia é muito maior do que pensávamos anteriormente.”

O estudo revisa duas partes do entendimento convencional, que podem ser reduzidas a uma ideia: a Terra é do jeito que é por causa de uma longa história de colisões titânicas entre objetos celestes.

No relato convencional, a Terra – e todos os planetas rochosos – se formaram a partir da série rara e cataclísmica de ‘impactos gigantes’ entre proto-planetas embrionários.

Como essas são ocorrências muito incomuns, mesmo no terreno lotado do início do sistema solar, isso significaria que demorou muito para a Terra se formar: um período de mais de cem milhões de anos, que é aproximadamente a quantidade de tempo que nos separa do surgimento do Tyrannosaurus rex.

O coautor do estudo Martin Schiller, também do Globe Institute, disse:

“Se foi assim que a Terra foi formada, então é uma sorte termos água na Terra.”

Isso ocorre porque, no longo prazo, modelo de esmagamento repetido da criação da Terra, qualquer água nesses planetoides em colisão seria destruída – então “a presença de água na Terra precisaria de uma espécie de evento casual“, acrescentou Schiller.

Especificamente, a presença atual de água exigiria uma série improvável de colisões em grande escala – neste caso, entre cometas ou asteroides que contêm água e a fumegante Terra infantil.

Por extensão, “isso torna muito baixas as chances de que haja água em planetas fora do nosso Sistema Solar”, disse Schiller.

Mas, comparando amostras rochosas da Terra e de Marte com uma pesquisa de dezenas de meteoritos dos primeiros anos do sistema solar, a equipe da Nature encontrou evidências de um modelo alternativo: um em que a Terra se formou pelo equivalente a um deslizamento repentino de rochas.

Para ter uma ideia de como isso poderia ter sido, vamos voltar 4,5 bilhões de anos até os primeiros dias após a formação do sistema solar.

Durante este período, o Sol flutuou sozinho em meio a uma nuvem orbital de poeira celestial que sobrou das ruínas de uma supernova anterior – semelhante à poeira que gradualmente se fundiu em eras anteriores para formar o próprio Sol.

Essa poeira continha pedrinhas de tamanho milimétrico cobertas por minúsculas partículas de gelo —pedrinhas que começaram a cair umas nas outras, formando um amontoado que crescia cada vez mais rápido à medida que sua gravidade crescente permitia que atraísse cada vez mais poeira. Eventualmente, esses aglomerados atingiram o status de planetas.

O primeiro autor do estudo, Isaac Onyett, disse em um comunicado:

“Quando um planeta atinge um certo tamanho, ele age como um aspirador de pó, sugando toda a poeira muito rapidamente.”

Em tal dinâmica, um planeta do tamanho da Terra pode se formar em menos de 5 milhões de anos – ainda muito tempo, mas mais de 20 vezes mais rápido do que no entendimento convencional. Para comparação, 5 milhões de anos é a quantidade aproximada de tempo que separa a sociedade contemporânea dos primeiros proto-hominídeos a andar sobre duas pernas.

Esse processo também permite que a água se acumule gradualmente em um planeta em crescimento ao longo de sua formação – em vez de em um golpe de sorte muito depois do término do processo.

Tal descoberta indicaria que o estado temperado e habitável da Terra é menos uma chance do que uma consequência natural de sua posição orbital no tamanho do nosso Sol.

Bizzarro disse:

“Esta teoria prediz que sempre que você formar um planeta como a Terra, você terá água nele.

Se você for para outro sistema planetário onde há um planeta orbitando uma estrela do tamanho do Sol, então o planeta deve ter água se estiver na distância certa.”

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Danilo Tercariol ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


formação de planetasTerravida extraterrestre
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.