Procurando por artefatos extraterrestres no Oceano Pacífico

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 3 min.
Ouça este artigo...

Estamos a caminho do Oceano Pacífico, através da Austrália, em busca dos materiais do primeiro meteoro interestelar, IM1.

Crédito da imagem ilustrativa: n3m3/Bing/DALL-E

Por Avi Loeb

Minha última entrevista na TV antes da partida inspirou uma generosa e inesperada doação de visibilidade pública ao Projeto Galileo e sua expedição. Pouco antes do meu voo, assinei um contrato online com um empresário que nos garantiu tempo de antena na espetacular e mais nova tela de gravata borboleta de alta definição na Times Square, nas ruas 1500 Broadway e W43rd, em frente à 1 Times Square, em Manhattan, Nova Iorque.

Em poucas horas, os integrantes do Projeto Galileo, liderados por Daniel Llussa, produziram um breve vídeo, que pode ser visto neste link. Este vídeo será apresentado a milhões de visitantes da Times Square nos próximos 3,5 meses. O objetivo da expedição é entregar novo conteúdo ao vídeo encontrando materiais interestelares. Atualizaremos o vídeo na cidade de Nova Iorque à medida que avançamos no barco no Oceano Pacífico. Se você visitar a Times Square neste verão, confira este display digital.

A caminho do aeroporto, o astrofísico britânico Javier Martin-Torres me enviou a mensagem:

“Percebo uma grande mudança na mídia, na opinião pública e até no governo dos Estados Unidos após o início do Projeto Galileo. Acho que o Projeto Galileo disparou o estopim que esteve latente por anos…”

Eu respondi:

“A opinião pública está realmente mudando. Mas encontrar material interestelar nesta expedição pode mudar tudo.”

Quando entrei no jato, o piloto disse:

“Bem-vindo a bordo, professor Loeb”.

Eu respondi:

“Você pode me chamar de Avi. Eu sou apenas um menino de fazenda curioso. Todo o resto é irrelevante.”

No jato, tive uma longa conversa com o financiador da expedição, Charles Hoskinson, sobre matemática, ciência da computação, inteligência artificial, desextinção de materiais genéticos e o renascimento associado de animais perdidos como o mamute lanudo ou o tigre da Tasmânia, e o mais importante – o que podemos encontrar no fundo do oceano.

Se o IM1 fosse um artefato tecnológico, seu núcleo poderia ter sobrevivido à sua entrada na atmosfera e a expedição poderia encontrar uma relíquia considerável dele no fundo do oceano. Se algum sistema operacional sobrevivesse, poderíamos tentar revivê-lo.

Observei para Charles, que está envolvido no último projeto:

“Reconstruir um sistema operacional extraterrestre pode ser muito mais emocionante do que o renascimento do tigre da Tasmânia na Austrália.”

No entanto, a realidade preocupante é que um objeto do tamanho de um metro seria difícil de encontrar em uma região de busca de alguns quilômetros de escala. É muito mais fácil recuperar esférulas milimétricas de seu exterior derretido, pois são muito mais abundantes. Coisas pequenas são muito mais abundantes do que coisas grandes; uma expectativa razoável em um processo de desintegração sem escala é igual quantidade de massa total por caixa logarítmica de massa de fragmento.

Ao sobrevoar a Grande Barreira de Corais da Austrália, lembrei-me da grande barreira para o sucesso da expedição. Felizmente, temos uma equipe excepcional e apaixonada por nossa missão científica. Se procurarmos o IM1 e não encontrarmos nada, tentaremos novamente procurar o IM1 e depois o segundo candidato interestelar, o IM2.

Pessoas de fora podem se perguntar: qual é o sentido de pesquisar se a chance de sucesso é pequena? Eles perdem a simples verdade de que o ato real de buscar materiais de um pacote interestelar dá um propósito significativo às nossas vidas. O pacote pode inspirar a humanidade a se comportar de forma mais inteligente na Terra. Se outros chegarem à nossa porta, podemos querer visitá-los.

À medida que a equipe se aproximava da Austrália, meus pensamentos foram repetidos por um novo e-mail do dramaturgo Josh Ravetch, que observou:

“… nenhum século jamais nos deu um assento na janela em nosso pequeno navio de cruzeiro apertado. Talvez a ideia maior aqui seja sabermos que estamos em uma ilha e que não há ninguém fazendo muito mais do que olhar pelas janelas. Pode parecer algo sentimental, mas você está indo para o Oceano Pacífico em busca do resto de nossa família. Estes são primos, não alienígenas…”

Ao chegar, o taxista perguntou ao grupo se estávamos em uma filmagem ou em um projeto de ciências. O diretor de filmagem, Jason Kohn, respondeu:

“Depende de quem você pergunta.”

Corrigi Jason e disse:

“É um projeto de ciências. As câmeras não estariam aqui se os cientistas não estivessem aqui, mas não vice-versa.”

Alguns minutos depois, recebi uma mensagem de Rob McCallum, o coordenador da expedição, que já havia embarcado em nosso barco, apropriadamente chamado de ‘Silver Star’ (‘Estrela de Prata’).

Rob disse:

“O navio, a tripulação, o equipamento e os arranjos estão todos no lugar e sincronizados. Estamos prontos para o negócio… Estamos às vésperas de uma aventura. Estou muito feliz por você enquanto vemos as coisas se tornarem operacionais.”

(Fonte)

Colaboração: MaryH


ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

Apoie o OVNI Hoje: Cada Doação é Essencial!

Agradecimentos aos colaboradores do mês: ❤️Eneias Vieira ❤️Silas Raposo ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️Cristina Vilas Boas

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:

artefato extraterrestreAvi LoebOceano Pacífico
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.