Mistério Africano: Esferas de 2,8 bilhões de anos desafiam explicação

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 3 min.

As esferas encontradas nas minas da África do Sul despertam a curiosidade dos pesquisadores há décadas.

De acordo com Michael Cremo e outros pesquisadores da cultura pré-histórica, essas esferas se somam a um corpo de evidências sugerindo que a vida inteligente existia na Terra muito antes de uma visão convencional da história colocá-la aqui.

Cremo viajou pelo mundo reunindo informações sobre artefatos fora do lugar (ooparts); ele compilou suas descobertas no popular livro “Forbidden Archaeology: The Hidden History of the Human Race“(“Arqueologia Proibia: A História Ocultada da Raça Humana”, em tradução livre).

Em 1984, enquanto investigava as esferas, ele contatou Roelf Marx, curador do museu de Klerksdorp, na África do Sul, onde algumas das esferas são guardadas. Marx descreveu as esferas como tendo cerca de 2,8 bilhões de anos, com uma superfície muito dura e uma estrutura fibrosa no interior. Ele as achou bastante estranhas e intrigantes.

Marx escreveu, de acordo com Cremo:

“Não há nada científico publicado sobre as esferas, mas os fatos são: Elas são encontradas na pirofilita, que é extraída perto da pequena cidade de Ottosdal no Transvaal Ocidental. Esta pirofilita … é um mineral secundário bastante macio com uma contagem de apenas 3 na escala de Mohs [uma escala de 1 a 10 para classificar a dureza dos minerais] e foi formada por sedimentação há cerca de 2,8 bilhões de anos.

Por outro lado, as esferas, que têm uma estrutura fibrosa por dentro com uma casca ao redor, são muito duras e não podem ser riscadas, nem mesmo pelo aço.

A escala de dureza de Mohs recebeu o nome de Friedrich Mohs, que escolheu dez minerais como pontos de referência para dureza comparativa, sendo o talco o mais macio e o diamante o mais duro.”

O aço ocupa cerca de 6,5 a 7,5 na escala de Mohs, então as esferas seriam mais duras do que isso, de acordo com Marx.

Elas foram formadas naturalmente?

Alguns dizem que as esferas foram formadas por um processo natural de concreção. As concreções são massas de matéria mineral endurecida.

Algumas das chamadas esferas de Klerksdorp são de forma elíptica com sulcos ásperos ao redor do centro. Mas algumas são tão equilibradas em forma e proporção, e os sulcos ao redor delas parecem tão retos e esculpidos à mão que parece improvável que tenham sido formados naturalmente, dizem os defensores da teoria de que essas esferas foram feitas por seres inteligentes.

Em 2002, o Museu Klerksdorp publicou uma carta de John Hund de Pietersburg, África do Sul, em seu site. As alegações feitas nesta carta não foram verificadas, de acordo com o geólogo Paul V. Heinrich, e a carta foi posteriormente removida. Hund afirmou que uma das esferas foi testada no Instituto Espacial da Califórnia, e os cientistas concluíram que seu equilíbrio “é tão fino que excedeu o limite de sua tecnologia de medição”. Estava “a cem milésimos de polegada da perfeição absoluta”.

Heinrich não achou que as esferas sul-africanas que ele estudou eram perfeitamente equilibradas e moldadas.

Bolas de Moqui de Utah

No estado de Utah (EUA), esferas semelhantes foram encontradas. Elas têm cerca de 2 milhões de anos e são conhecidas como bolinhas de gude ou bolas de Moqui. A lenda diz que os ancestrais falecidos dos nativos americanos Hopi jogavam com as bolinhas e as deixavam como mensagens para seus parentes de que estavam felizes e bem.

As bolas de Moqui têm um interior arenoso e um exterior duro e redondo feito de óxido de ferro. Os testes de Heinrich em uma das esferas de Klerksdorp mostraram que ela era feita de hematita, uma forma mineral de óxido de ferro. Ele descobriu que outra esfera de Klerksdorp consistia no mineral wollastonita junto com hematita e geotita, um óxido de ferro hidratado.

Várias teorias sobre como exatamente essas esferas podem ter sido feitas são apresentadas por aqueles que dizem que são fenômenos naturais. A Dra. Karrie Weber, da Universidade de Nebraska-Lincoln, está pesquisando micróbios que, segundo ela, podem ter ajudado a formar as esferas a partir dos subprodutos de seus processos vitais.

O geólogo Dave Crosby, que fez pesquisas em Utah, onde as bolas de Moqui são encontradas, originalmente levantou a hipótese de que o impacto de um meteoro espalhou esferas derretidas que então se condensaram em grãos de areia. Após um exame mais detalhado, conforme explicado em RocksandMinerals.com, ele não encontrou nenhuma evidência de impacto de meteoro. Ele então desenvolveu uma teoria que envolve a dissolução de ferro e outros minerais pela água da chuva e seu transporte para o lençol freático. À medida que fluem pelas águas subterrâneas, os íons são depositados ao redor dos grãos de areia formando esferas.

Cremo, e outros que sustentam que ooparts são evidências de civilizações pré-históricas avançadas, dizem que os cientistas tradicionais precisam ser mais ousados ​​e mais dispostos a reconhecer evidências que possam contradizer as visões dominantes.

(Fonte)

Colaboração: Lenio


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Franklin Viana ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


África do Sularqueologiaesferas de Klerksdorpooparts
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.