Cérebro humano mostra atividade maior que a vida no momento da morte

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 5 min.

Os cérebros de pessoas moribundas podem ganhar vida repentinamente em seus momentos finais.

Crédito da imagem ilustrativa: n3m3/discord

Duas pessoas aparentemente com morte cerebral retiradas do suporte de vida mostraram picos repentinos na atividade neural, de acordo com um estudo publicado na segunda-feira (01).

As descobertas publicadas na Proceedings of the National Academy of Sciences fornecem suporte científico para relatos de “experiências de quase morte” – experiências poderosas e muitas vezes místicas que acontecem quando um paciente está prestes a morrer.

Mas eles também lançaram uma nova luz sobre a questão surpreendentemente obscura de como morremos, disse a Dra. Jimo Borjigin, da Universidade de Michigan.

Em um pequeno estudo com quatro pacientes sem suporte de vida, a equipe de Borjigin descobriu algo surpreendente: os cérebros de dois dos quatro ganharam vida momentos antes da morte.

Em particular, os pacientes apresentaram um aumento súbito no tipo específico de ondas cerebrais que geralmente indicam pensamento consciente.

A produção dessas ondas cerebrais – chamadas ondas gama – aumentou até trezentas vezes em relação aos níveis anteriores em um paciente momentos antes da morte.

Os padrões de onda gama daquele paciente moribundo atingiram níveis mais altos do que os encontrados em cérebros conscientes normais.

O processo pelo qual nossos corpos e cérebros passam quando morremos permanece pouco compreendido. Na descrição convencional, a morte é simplesmente o fim súbito dos processos da vida – em particular, da atividade cerebral e cardíaca.

Por exemplo, os cientistas realmente não entendem o que está acontecendo por dentro quando uma pessoa aparentemente saudável sofre um trauma repentino – como um acidente de carro, queda ou ataque cardíaco – e morre rapidamente.

Borjigin perguntou:

“Se você não sabe exatamente como eles morrem, como você os salva?”

Na prática, alguém está legalmente morto quando é declarado morto por um profissional médico.

Esse profissional não faz essa ligação com base em um inventário minucioso do estado mental subjetivo do paciente – mas com base na ausência persistente de batimentos cardíacos ou ondas cerebrais.

Após um longo período de inatividade, os familiares geralmente optam por desconectar um paciente das máquinas de respiração, momento em que seu corpo morre lentamente por falta de oxigênio.

Mas as descobertas recentes sugerem que algo mais complexo e difícil de detectar está acontecendo. Borjigin aponta que ainda existe a possibilidade de que uma “consciência encoberta” – uma experiência consciente que atualmente não somos capazes de detectar – continue abaixo da superfície e ganhe vida urgente à medida que a morte se aproxima.

Essa pode ser uma resposta adaptativa semelhante ao surto de atividade cognitiva que acorda uma pessoa adormecida com apneia do sono – na qual o corpo para de respirar durante o sono – a tempo de se recuperar, disse Borjigin.

Ela disse:

“O cérebro tem um mecanismo extremamente sensível para detectar os níveis de oxigênio em seu corpo. Mesmo pequenas gotas nos níveis de oxigênio – o cérebro sabe disso e regula constantemente o suprimento de oxigênio.”

Isso vai contra a ideia do cérebro como um passageiro passivo – o que, Borjigin argumenta, faz sentido.

Ela disse:

“Pensar que quando você está passando por uma parada cardíaca – onde o coração está parando ou não bombeando sangue – e o cérebro não faz nada? Está além de mim. O cérebro deveria estar enlouquecendo – o que é exatamente o que acontece.”

Sua próxima hipótese é que “o cérebro abandona tudo o mais que é discricionário para se concentrar nessa função essencial que é a sobrevivência ou a auto-ressuscitação”.

Esta exploração do território interior da morte está muito longe da área de especialização original de Borjigin – ritmos circadianos e a ciência do sono.

Em 2008, ela estava estudando os impactos do derrame na produção cerebral de hormônios que promovem o sono, quando acidentalmente descobriu algo chocante.

Nos momentos imediatamente antes da morte, os cérebros dos ratos ligados às suas máquinas exibiram um súbito aumento de serotonina, uma substância química do cérebro profundamente enredada nos processos de pensamento e percepção.

Borjigin disse ao The Hill:

“A serotonina, como você provavelmente sabe, é o neurotransmissor essencial que é importante para o funcionamento do cérebro – que, quando está com defeito, pode levar a distúrbios psiquiátricos.

Então, a primeira coisa que pensei – ‘Uau. Eu me pergunto se os ratos estão tendo alucinações?’”

Seu segundo pensamento foi que esse surto de serotonina provavelmente era um fenômeno bem compreendido. Ela estava errada – tanto sobre isso quanto sobre a compreensão da mecânica geral da morte.

Borjigin disse:

“Comecei a pesquisar a literatura e fiquei surpresa ao descobrir que não sabemos literalmente quase nada…

Na compreensão convencional da morte, o cérebro é um passageiro semipassivo carregado pelo coração – e que morre quando o coração morre.”

No entanto, não há muito espaço nesse modelo para o que Borjigin descobriu: um súbito aumento de atividade em cérebros moribundos. Ela baseou-se nessas descobertas em um estudo PNAS de 2013 que descobriu que os cérebros de ratos moribundos produziam um surto de ondas gama— o padrão indicativo de consciência — quando eles sofriam ataques cardíacos.

Sua equipe escreveu no artigo de 2013:

“Esses dados demonstram que o cérebro dos mamíferos pode, embora paradoxalmente, gerar correlatos neurais de processamento consciente intensificado na quase morte.”

Essa frase contém uma ressalva importante, que paira sobre toda essa pesquisa. Ratos moribundos podem mostrar “correlatos” ou traços da atividade que, em mamíferos conscientes, está ligada à atividade cerebral coerente – mas até agora é impossível saber, subjetivamente, o que ratos moribundos ou humanos estão experimentando.

No entanto, o artigo de 2013, com suas descobertas sobre o aumento da atividade cerebral em ratos moribundos, foi publicado no New York Times. Suas descobertas, escreveu o Times, poderiam “conter uma explicação para as visões vívidas e realistas experimentadas por algumas vítimas humanas de parada cardíaca” – visões relatadas por cerca de 20% dos pacientes com ataque cardíaco.

Essas descobertas, escreveu Borjigin na época, poderiam “explicar por que alguns indivíduos, durante esse estado, podem realmente se lembrar de conversas que aconteceram na sala de cirurgia”.

Essas descobertas ajudaram a empurrar Borjigin para as fronteiras da pesquisa da consciência. Sua pesquisa do sono se concentrou na glândula pineal, um órgão aproximadamente amendoado sob a testa que libera os hormônios que regulam o sono – e que muitas tradições filosóficas supõem ser a sede da consciência.

Em 2013, Borjigin trabalhou com Rick Strassman, da Faculdade de Medicina da Universidade do México, em um estudo que encontrou a substância química dimetiltriptamina (DMT) — o ingrediente ativo da poderosa ayahuasca psicodélica amazônica — nas glândulas pineais de ratos.

Strassman é um importante cientista que ajudou a relançar a pesquisa sobre aplicações médicas de substâncias psicodélicas na década de 1990 – provocando um renascimento em um campo do qual a medicina havia se afastado desde a década de 1970.

Muitas das hipóteses de Strassman – incluindo que o cérebro libera uma onda de DMT na morte, um fenômeno que ele sugeriu que poderia estar relacionado a experiências religiosas no final da vida – não se encaixam no entendimento convencional da medicina.

Mas em 2019, Borjigin e Strassman descobriram que cérebros de ratos moribundos também liberavam uma onda de DMT.

Esse é um forte indicador de que os cérebros humanos estão fazendo algo semelhante, Borjigin disse a um entrevistador na época – porque os fenômenos cognitivos encontrados em ratos geralmente também aparecem nas pessoas, embora não o contrário.

É difícil investigar muito além disso, no entanto. Os testes para um surto de DMT em um moribundo são altamente invasivos e muito difíceis de corroborar, devido a voluntários ausentes em fim de vida dispostos a abrir seus crânios enquanto morrem em nome da ciência.

E embora os Institutos Nacionais de Saúde tenham investido dinheiro e atenção nos últimos anos nas aplicações médicas das substâncias psicodélicas— particularmente na cura da depressão ou abandono de drogas perigosas como álcool ou cigarros- esses estudos se concentram principalmente em ajudar aqueles que estão inequivocamente vivos.

Além disso, “embora a pesquisa psicodélica tenha visto recentemente um renascimento, é principalmente o uso de substâncias psicodélicas como remédio ou droga”, acrescentou Borjigian – em vez do estudo de como substâncias químicas semelhantes são produzidas e usadas por cérebros de mamíferos.

Desde que começou seus estudos sobre a vida cognitiva dos moribundos, há uma década, Borjigin não recebeu uma única bolsa do National Institute of Health (NIH), disse ela ao The Hill:

“Definitivamente, precisamos expandir nossos estudos e precisamos de financiadores do NIH para esses tipos de estudos – apenas para estudar muito mais pacientes, talvez em toda uma rede nacional.”

Isso pode levar a uma reavaliação da maneira como o coração e o cérebro trabalham juntos para evitar a morte – e, portanto, potencialmente, para entender melhor seu papel em nos manter vivos, disse Borjigin.

(Fonte)


A ciência continua lutando para provar que as experiências de quase-morte são somente alucinações. Contudo, os inúmeros relatos de pessoas que passaram por isso vão totalmente contra esta ideia e até mesmo alguns cientistas já admitem que pode haver algo mais após a morte, como pode ser visto no artigo abaixo:

n3m3

…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Danilo Tercariol ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


cérebro humanoexperiência de quase mortemorte
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.