Terra ou água: onde prospera a inteligência baseada em tecnologia?

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 2 min.

Um novo artigo publicado pelo astrobiólogo da Florida Tech, Manasvi Lingam, examina uma questão central: a inteligência baseada em tecnologia tem maior probabilidade de evoluir na terra ou na água?

Crédito: Pixabay/CC0 Domínio Público

A Bayesian Analysis of Technological Intelligence in Land and Oceans‘, um artigo de Lingam e pesquisadores da University of Texas e da Università di Roma, foi publicado na edição de março do The Astrophysical Journal.

Os seres humanos são um exemplo clássico do tipo de inteligência tecnológica que pode esculpir profundamente a biosfera por meio de atividades intencionais e produzir assinaturas detectáveis ​​de sua tecnologia. No artigo, os autores realizaram uma análise bayesiana da probabilidade de espécies tecnologicamente inteligentes existentes em habitats terrestres e oceanos. Verificou-se que os habitats oceânicos devem ser mais propensos a hospedar espécies tecnológicas, se todos os outros fatores forem mantidos iguais, porque os mundos oceânicos provavelmente serão muito mais comuns.

Lingam disse:

“E, no entanto, descobrimos que emergimos em terra em vez de oceanos, então há um paradoxo, de um modo geral, lá fora.”

O artigo também explorou possibilidades de como o surgimento de vida baseada em tecnologia inteligente pode ser desfavorecido no oceano, dissolvendo assim esse paradoxo.

Lingam disse:

“Dizemos que, bem, talvez demore muito tempo para a vida surgir no oceano por causa de várias razões biofísicas, como as capacidades sensoriais na terra versus na água.

Outra possibilidade é, devido a algum conjunto de fatores (por exemplo, fontes de energia), talvez os oceanos não sejam tão habitáveis ​​para a vida inteligente quanto pensamos que deveriam ser. Atualmente, o pensamento convencional é que a água líquida é necessária para a vida. Bem , talvez seja realmente imperativo para a vida, mas talvez um excesso dele (ou seja, apenas oceanos) dificulte a inteligência tecnológica de algumas maneiras. Portanto, essa foi outra solução para o paradoxo que criamos.”

A equipe conseguiu chegar às conclusões do artigo sintetizando duas vias distintas. Primeiro, eles se basearam extensivamente em dados da Terra para determinar como era a vida inteligente neste planeta, variando de primatas a cefalópodes (por exemplo, polvos) e cetáceos (por exemplo, golfinhos). Olhando para o kit de ferramentas cognitivas dos humanos, Lingam disse que eles buscaram entender de que maneiras sutis as habilidades humanas diferem da capacidade cognitiva da vida marinha, como baleias e golfinhos. A segunda parte da pesquisa envolveu matemática e física, especificamente a teoria da probabilidade bayesiana, que permite calcular as probabilidades relevantes com base em algumas expectativas iniciais.

Embora as conclusões do artigo tenham sido derivadas de uma base probabilística, Lingam disse que ainda há muito trabalho multidisciplinar que pode ser feito para refinar e estender os modelos.

Ele disse:

“Acho que uma das coisas boas desse modelo é que algumas das suposições podem ser testadas. Eles podem ser medidos por dados observacionais futuros de telescópios, ou alguns deles podem ser testados por meio de experimentos e estudos de campo na Terra, como olhar mais para a etologia (comportamento animal), aprofundar como a cognição opera em animais versus animais aquáticos.

Acho que há muitos animais diferentes que poderiam ser avaliados para refinar o estudo.

Todas essas questões podem, e espero que devam, atrair pessoas de uma ampla gama de campos.”

Para Lingam, o trabalho futuro referente a este estudo incluirá a luta com o papel metabólico do oxigênio na formação da evolução da vida complexa e como o elemento pode ser onipresente em vários planetas. Ele também tentará entender que papel os níveis de concentração de oxigênio podem ter na evolução da vida inteligente.

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Danilo Tercariol ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


águaanálise bayesianaastrobiologiaManasvi LingamTerravida inteligente
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.