Terra: Campo de batalha para reptilianos e insectoides

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 4 min.

De acordo com a teoria do paleocontato, a Terra tem sido visitada por criaturas alienígenas desde os tempos antigos – convidados de diferentes partes da galáxia. E existem muitos tipos deles.

Crédito: David S. Soriano, CC BY-SA 4.0 https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0, via Wikimedia Commons

[ATENÇÃO: Não há comprovação da veracidade de alguma ou todas as informações constantes neste artigo, o qual é publicado aqui meramente para cumprir a missão do OH e estimular uma discussão entre leitores na área de comentários.]

Desde os tempos antigos, as pessoas consideravam esses ‘convidados’ como deuses, e eles eram adorados e servidos, ou como demônios, e então as pessoas tentavam resistir. Aparentemente, representantes de diferentes raças espaciais tiveram e estão tendo desentendimentos entre si, bem como diferentes visões sobre nós, humanos.

Idade de ouro – A era mais antiga de pessoas

Aqui ainda não consideramos a chamada teoria alienígena da origem da humanidade e dos primeiros contatos, apenas notamos que houve uma época em que fomos deixados sozinhos, de uma forma que nos é conveniente. Há muitas pessoas ao redor do mundo hoje, mais ou menos preservando a estrutura tribal da sociedade. Essa é também é chamada de “Idade de Ouro” ou “canção de ninar da civilização”.

Olhando para a vida tradicional de algumas pequenas tribos espalhadas pelo globo, estes povos nunca construíram estruturas hierárquicas para organizar a sua sociedade segundo o tipo de monarquias, etc., mas preferiram viver em bando. E, portanto, o modo natural de existência humana é a vida em um rebanho (clã, tribo) de até 100 pessoas.

Ou seja, em uma comunidade onde todos se conhecem, o modo de vida tribal foi preservado por milhares de anos entre tribos africanas, entre índios e aborígines australianos, etc.

O líder dessa equipe é escolhido por algo como uma votação, quando todos entendem que sua sobrevivência depende da escolha do líder.

Mas em algum momento histórico ocorreu uma estranha “transição de fase” – e as pessoas começaram a se unir em estruturas muito maiores, o sistema tribal foi substituído pelo sistema escravista, e depois o sistema feudal. Surgiram as primeiras cidades, geralmente em torno de templos – as casas de um ou outro deus, patrono do povo.

Muitas vezes esses “deuses”, “convidados do céu” construíram essas cidades e muitas vezes eram representados na forma de dragões, ou “senhores dos dragões”. E assim veio a 2ª era.

Monarquias – Tempo dos deuses dragões

Então, primeiro, depois de uma longa pausa, aparentemente, foram os “reptilianos” que intervieram em nossa história, muitas vezes representados em mitos e contos de fadas como demônios ou dragões mágicos se transformando em pessoas (boas e não tão boas). Frequentemente, naquela época, eles também mantinham ‘relações românticas’ com representantes das famílias governantes.

Existem muitas dessas histórias em todo o mundo, e até agora muitas famílias aristocráticas (de sangue azul) reverenciam, ou até se orgulham do fato de seu ancestral ser um dragão ou, digamos, uma súcubo (como os clãs dominantes na Grã-Bretanha, reverenciando o dragão Melusine como seu ancestral).

Acontece que na era do feudalismo, as “dinastias do dragão” começaram a nos governar e assim foi em todo o mundo. Além disso, os deuses dragões nem sempre foram considerados maus, também havia dragões dourados e solares, antigos e sábios patronos da raça humana, que queriam elevar as pessoas às alturas da civilização.

Na verdade, aquele mundo antigo, construído pelos “dragões” e seus descendentes, tinha muitas características que o tornavam semelhante à estrutura da sociedade dos répteis.

Qual é a diferença entre bandos de répteis de sangue frio, cobras, etc. e as comunidades de animais de sangue quente? Primeiro de tudo, sua abundância. Os cientistas acreditam que as comunidades mais desenvolvidas de dinossauros (quando eram donos da Terra) costumavam viver em enormes “coletivos”, como os pássaros, que têm muito em comum com os répteis.

Compare uma matilha de, digamos, lobos (algumas dezenas de indivíduos) e um “bando de pássaros”, onde pode haver centenas de milhares. E também tem sua própria estrutura hierárquica. Isso não nos lembra a ideia da estrutura da sociedade feudal?

E não é por acaso que os castelos dos senhores feudais eram frequentemente chamados de “ninhos de águia” ou mesmo “ninhos de dragão”.

A era insectoide

O resultado da invasão insectoide, segundo uma teoria, foi uma mudança na formação sócio-política, com cidades monstruosas construídas por “humanos” começando a aparecer por toda a Terra.

Esse processo evocou maus pensamentos sobre os insetoides, pois tal comportamento coletivo, a vida em aglomerações inimaginavelmente enormes, é completamente atípico das pessoas. Isso é inerente precisamente aos insetos – abelhas, formigas. Existe a mesma divisão de trabalho, também existe uma classe de drones e assim por diante. E o próprio fato das pessoas terem escolhido esse caminho fala de influência externa.

Vê-se claramente que alguém concentrou pessoas em determinada área, impedindo-nos de nos instalarmos. Por que a sugestão, a publicidade, a cultura de drogas e métodos de gestão não econômicos são usados ​​– toda a comida é retirada das aldeias (apropriação excedente), as pessoas perdem seus empregos e, então, alguns recursos são alocados, e apenas nas cidades?

Mesmo até agora, existem muitos territórios onde ninguém mora, e territórios muito bons nisso, mas ainda assim, todos estão sendo levados para as cidades.

Ou seja, as pessoas foram deliberadamente concentradas e começaram a construir esse campo de concentração a partir delas – um formigueiro da metrópole.

E, portanto, há todas as razões para acreditar que atualmente os insectoides estão cada vez mais envolvidos no confronto com reptilianos (ou híbridos: reptilianos-insectoides). E tudo isso nos ameaça com uma Guerra Mundial, que será um eco do confronto intergaláctico entre reptilianos e insectoides. Nisso, segundo esta teoria, existe um sentido oculto da geopolítica atual.

Perspectiva futura

A humanidade há muito tenta se livrar do jugo dos reptilianos (ou pelo menos limitar seu poder), e agora de um novo jugo – insectoides. Claro, tudo o que foi dito acima pode ser considerado uma metáfora para nossas vidas ou um enredo para um filme de grande sucesso.

Até agora, um retorno à “Era de Ouro” é visto como uma utopia, que é o que atraiu as pessoas para as antigas ideias de uma reorganização da sociedade de “retorno ao básico”. Alguém chama ao passado – à tocha e à vida tribal. Alguém até vive assim e é feliz. E alguém quer construir uma sociedade humana e justa, usando as conquistas de épocas passadas.

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Danilo Tercariol ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


alienígenashumanidadeinsectoidesreptilianosTerra
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.