Relógio do Juízo Final avança para mais próximo do apocalipse que já esteve

COMPARTILHE COM A GALÁXIA:
Tempo de leitura: 3 min.

A humanidade enfrenta maiores ameaças existenciais do que durante a Guerra Fria, de acordo com o Bulletin of Atomic Scientists.

Estaríamos muito próximos disso?

O Relógio do Juízo Final, criado há 76 anos por cientistas atômicos para alertar contra um apocalipse causado pelo homem, mudou para 90 segundos para a meia-noite.

A invasão da Ucrânia pela Rússia, a crise climática e as ameaças biológicas, como a disseminação descontrolada do COVID-19, foram os principais motivos apresentados pelo Bulletin of the Atomic Scientists (BAS), uma organização sem fins lucrativos de cientistas e especialistas em políticas, para colocar os ponteiros do relógio mais perto da extinção humana do que nunca – inclusive se comparado com o auge da Guerra Fria.

Nos últimos três anos, o relógio ficou parado em 100 segundos para a meia-noite, pairando no que era até agora o ponto mais próximo da aniquilação da humanidade. Agora, “em grande parte, mas não exclusivamente” devido aos riscos crescentes na guerra na Ucrânia, deu um passo mais perto da meia-noite.

Rachel Bronson , presidente e CEO do BAS, disse em entrevista coletiva na terça-feira (24 de janeiro):

“Estamos vivendo em uma época de perigo sem precedentes, e o Relógio do Juízo Final reflete essa realidade. Noventa segundos para a meia-noite é o mais próximo que o relógio já esteve da meia-noite, e é uma decisão que nossos especialistas não tomam levianamente.

O governo dos EUA, seus aliados da Otan e a Ucrânia têm uma infinidade de canais de diálogo; pedimos aos líderes que explorem todos eles ao máximo para fazer o relógio voltar no tempo.”

Criado para o BAS em 1947 por Martyl Langsdorf (uma artista cujo marido, Alexander, ajudou a inventar a bomba atômica como físico no Projeto Manhattan), o Relógio do Juízo Final foi concebido pela primeira vez como um meio de sinalizar claramente ao público o terrível ameaça existencial crescente representada por armas nucleares para o mundo. Em 2007, a contagem regressiva do relógio foi expandida para incluir todas as ameaças existenciais feitas pelo homem, sobrecarregando seus ponteiros com a representação adicional da mudança climática, inteligência artificial desonesta, guerra e pandemias globais.

Fundado em 1945 por físicos como Albert Einstein e Robert Oppenheimer, que era conhecido como o ‘pai da bomba atômica’, a formação do BAS foi inspirada pelo trágico lançamento naquele ano das bombas atômicas americanas ‘Little Boy’ e ‘Fat Man‘ nas as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki…

Para decidir a hora do relógio a cada ano, o Conselho de Ciência e Segurança da BAS convoca duas reuniões bianuais de 18 especialistas de áreas que abrangem diplomacia, ciência nuclear, mudança climática, tecnologias disruptivas e história militar para discutir as ameaças em constante mudança impostas à própria humanidade. Para avaliar esses perigos, os membros do Conselho de Ciência e Segurança consultam colegas em suas respectivas áreas e o Conselho de Patrocinadores do Boletim – 11 dos quais são Prêmios Nobel – antes de chegarem a um acordo sobre a posição do relógio.

Os ponteiros do relógio agora se moveram 10 segundos mais perto da meia-noite do que nunca. O recorde anterior foi estabelecido em 100 segundos para a meia-noite entre 2019 e 2022, durante um cenário de má gestão política global diante de uma crescente crise climática, a pandemia de COVID-19 e a invasão da Ucrânia pela Rússia. O relógio está atualmente ainda mais perto da meia-noite do que durante o confronto da Guerra Fria entre os EUA e a União Soviética – durante o qual seus ponteiros se moveram para um recorde anterior de 2 minutos para meia-noite em 1953, depois que os EUA testaram com sucesso sua primeira bomba de hidrogênio.

Os ponteiros do relógio também foram atrasados ​​antes, notavelmente para 17 minutos para a meia-noite em 1991, após o colapso da União Soviética e a assinatura do Tratado de Redução de Armas Estratégicas…

(Fonte)


Quem virá nos salvar, senão nós mesmos?

n3m3

…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Paulo Sanchez ||| Edward Vaz Jr. ||| Silas Raposo ||| Franklin Viana ||| Karin Gottert ||| Leopoldo Della Rocca

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta, portanto aja com responsabilidade.
  • O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com éticasempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

COMPARTILHE COM A GALÁXIA:
apocalipseOVNI HojeRelógio do Juízo Final
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.