Quem são os guardiões secretos do Santo Graal?

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 5 min.

Os “Puros” salvaram um antigo artefato que dá poder sobre o mundo. O artefato foi literalmente “removido” das garras dos inquisidores, e a punição foi o martírio.

Imagem de Davie Bicker por Pixabay

Não há tantos lugares no mundo que atraiam tanta atenção de esoteristas e historiadores quanto o pequeno castelo de Montségur, localizado em uma montanha íngreme no sul da França.

Este castelo não foi construído por um líder militar, mas sim por um místico: não era muito adaptado à defesa e, portanto, caiu sob o ataque dos cruzados. A forma das paredes do castelo é um pentagrama. A localização das brechas, focadas em observações astronômicas, indica que não foi construído para a guerra. No território do futuro castelo na época romana havia um santuário pagão. Neste lugar sagrado, as lendas sobre o Santo Graal, sobre os segredos dos místicos medievais e nazistas da sinistra organização Ahnenerbe estão entrelaçadas.

A Occitânia é uma região no sul da França. Mais de 800 anos atrás, os senhores feudais locais eram várias vezes mais ricos que os reis franceses, embora fossem formalmente subordinados a eles. A Occitânia, banhada pelo Atlântico e pelo Mar Mediterrâneo, possui o porto mais rico de Marselha. Assim, os locais negociavam com os principados britânicos e itálicos. Por terra, foi aberta uma rota comercial para o misterioso Oriente através da Espanha, capturada pelos mouros. Os senhores feudais e mercadores locais rapidamente se tornaram mais ricos. Claro, na Europa havia muitas pessoas que queriam tomar essas riquezas em suas mãos.

E o motivo foi encontrado, os occitanos foram declarados hereges. Isso é parcialmente verdade, os moradores locais eram católicos, mas os cavaleiros, voltando das Cruzadas do Oriente, trouxeram para cá uma perigosa “infecção”.

É difícil estabelecer as origens exatas da religião “especial” que existia nesses lugares. Geralmente eles são procurados no credo da seita búlgara de bogomilos controlada por Constantinopla, que, por sua vez, ‘pegou’ ideias dos maniqueístas da Síria e da Ásia Menor, que criaram uma complexa fusão de cristianismo e misticismo oriental. Os cruzados trouxeram suas visões do Oriente, junto com várias práticas ocultas e a antiga filosofia helênica. Com isso, formaram-se comunidades de pessoas no sul da França, que passaram a ser chamadas de cátaros, que em grego significa “puros”, ou albigenses – por causa do nome da cidade de Albi, um dos centros do catarismo. Eles se autodenominavam simplesmente: boas pessoas.

Nas estradas do sul da França, pessoas com túnicas como o feiticeiro Merlin, amassavam a poeira com os pés descalços: bonés de observadores de estrelas, batinas amarradas com cordas simples. Eram os credos dos cátaros, os puros. Eles fizeram voto de pobreza, doando todas as propriedades às pessoas, abandonaram completamente a comida de carne e os prazeres carnais, recusaram-se a pegar em armas.

Os Puros ensinaram que os princípios do bem e do mal no mundo estão travando uma luta irreconciliável, mas, segundo eles, descobriu-se que ainda não se sabia quem acabaria vencendo. Claro, a alma humana é direcionada para um bom começo, mas seu corpo e todos os desejos carnais são controlados pelo diabo. Eles consideravam que todo o mundo material pertencia a ele e, portanto, era impuro. Somente no mundo espiritual, no céu, segundo os Puros, está o verdadeiro lugar do homem. Eles exortaram a não pagar dízimos a Roma e não reconheceram todos os sacramentos católicos.

Os propagadores das ideias cátaras no ambiente aristocrático eram os trovadores (da língua falada na Occitânia, isso se traduz como “ver caminhos”). Sua poesia cortês exaltava os ideais de “amor puro”, que carregam a marca óbvia dos ensinamentos dos Puros, e na imagem da glorificada Virgem Maria havia uma adoração do feminino, não estranha aos cátaros, cujas mulheres eram frequentemente líderes comunitárias.

A doutrina albigense foi massivamente aceita tanto por plebeus quanto por cavaleiros, e os governantes da região, se não o faziam abertamente, então de todas as maneiras possíveis patrocinavam os Puros. Nisso, os condes de Toulouse, donos da Occitânia, viram a garantia da independência de seu poder de Roma e do rei francês. Claro, o papa e o rei finalmente entenderam que isto deveria terminar com urgência.

Raymond VI, conde de Toulouse, foi excomungado da Igreja Católica e reconhecido como herege satânico. Pela primeira vez, a Inquisição apareceu no grande palco da história, que foi criada para combater a heresia cátara. O Papa Inocêncio III declarou a Cruzada Albigense, pela primeira vez dirigida não contra os infiéis, mas contra os cristãos. E a flor, coberta de vinhas, campos de trigo sem fim e pomares de terra foi inundada de sangue.

Quando os cavaleiros perguntaram como distinguir hereges de católicos honestos, o legado papal disse: ‘Mate todos, Deus conhecerá os seus!‘ Embora seja importante notar que, do seu ponto de vista, era realmente necessário matar indiscriminadamente, já que os cátaros eram todos occitanos de jovens a velhos: era um movimento verdadeiramente popular. Os cruzados marcharam como um rolo de ferro pela província, semeando a morte por toda parte.

A última fortaleza dos cátaros foi o observatório do castelo de Montsegur, atrás de cujas paredes se refugiaram cerca de 200 Puros – toda a elite espiritual dos hereges. Por quase um ano, o exército do rei francês sitiou esta fortaleza. Não havia defensores suficientes e alguns guerreiros imploraram aos Puros que pegassem em armas – mas eles preferiram morrer sem desistir de suas opiniões.

O líder espiritual dos cátaros, Bertrand de Anne Marty, sabia que Montségur estava prestes a cair. Em março de 1244, em profundo segredo, ele ordenou que quatro puros deixassem secretamente o castelo para realizar e esconder o tesouro dos cátaros.

E aqui chegamos ao ponto mais interessante de toda a história. Pois não eram joias no sentido usual – cátaros ascéticos não dariam tanta importância a ouro e diamantes. Era algo mais – um tesouro espiritual, escondido do mundo por enquanto. Era o Santo Graal.

Quatro iniciados desceram em uma corda de alturas vertiginosas na noite escura, carregando talvez o maior artefato do mundo. Quando eles saíram pelas estradas estreitas da montanha, eles tropeçaram na passagem do inimigo. Então, duas das pessoas sagradas violaram a proibição da violência e ficaram no caminho dos soldados brutais. Os homens resistiram ferozmente, mas, é claro, morreram. No entanto, os outros dois conseguiram escapar junto com o misterioso artefato. O que era, os historiadores ainda estão tentando adivinhar. Segundo a lenda, o Graal é o cálice no qual José de Arimateia recolheu o sangue do Cristo crucificado.

Este artefato, supostamente, poderia curar qualquer doença e quase conceder a imortalidade, sem falar no conhecimento secreto. Alguns acreditam que o Graal é algum tipo de texto, livro: afinal, eles “bebem conhecimento” deles, como de um copo. Mas o que era esse conhecimento e que poder ele dava? Obviamente, algo enorme, pelo menos muitos acreditaram nele e continuaram a procurar o Graal de século em século.

Montségur caiu e com ela a fé cátara. Os inquisidores, liderados por Bertrand de Marty, os queimaram na fogueira. Os dois guardiões sobreviventes do tesouro, segundo alguns relatos, o entregaram ao mestre da poderosa ordem de cavalaria dos Templários. A ordem, após uma aquisição tão inestimável, tornou-se completamente onipotente; tinha os monarcas de toda a Europa em dívida. Isso continuou até 1313, quando o rei francês Filipe, o Belo, pôs fim a esse reinado prendendo toda a elite templária de uma vez.

Segundo a tradição medieval, os chefes da ordem foram acusados ​​de terríveis heresias e culto ao diabo e queimados; os irmãos menores fugiram para os países vizinhos. Mas os tesouros dos Cavaleiros Templários nunca caíram nas mãos do rei – e logo ele morreu: dizem que ele foi amaldiçoado pelo mestre dos Templários, Jacques de Molay, queimando nas chamas de um incêndio.

Alguns cavaleiros da ordem derrotada encontraram refúgio nos confins da Europa, em Portugal. Logo, de um pequeno reino, tornou-se brevemente a dona dos mares, tendo conquistado o Novo Mundo. Os mapas secretos dos Templários herdados dos cátaros ajudaram a conseguir isso?

Alguns pesquisadores conectam diretamente a descoberta da América com os segredos dos Templários e do Graal. Dizem que os albigenses puderam obter conhecimento geográfico do Oriente – do Egito, onde por milhares de anos foram guardados os segredos dos antigos navegadores que chegaram à Atlântida.

A busca pelo Graal continuou no século XX. Após a ocupação da França pelos nazistas, pessoas com suásticas de aranha nas mangas apareceram nas ruínas de Montségur. Estes eram membros da sociedade oculta Thule e da organização Ahnenerbe. Os místicos nazistas esperavam encontrar aqui algumas pistas que lançassem luz sobre o destino do artefato.

Em 1944, houve batalhas sangrentas pela altura do Monte Cassino, onde estão localizadas as ruínas do castelo de Montségur, que era mantido pelos remanescentes do 10º exército alemão. Durante o assalto à altura, os Aliados viram os alemães erguendo uma bandeira com um símbolo pagão, uma cruz celta em uma das antigas torres. Era um antigo ritual germânico de convocação de espíritos. Mas as forças sobrenaturais também não ajudaram, os nazistas foram derrotados. O Graal também não foi dado a eles. Isso não é surpreendente, pois, dizem eles, o Graal é aberto apenas por um coração puro.

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Franklin Viana ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


inquisitoresOVNI HojePurosSanto Graal
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.