O espaço sideral termina ou continua para sempre?

Tempo de leitura: 3 min.

Bem acima de você está o céu – ou como os cientistas o chamariam, a atmosfera. Estende-se cerca de 32 quilômetros acima da Terra.

Crédito da imagem ilustrativa: depositphotos

Flutuando pela atmosfera há uma mistura de moléculas – pequenos pedaços de ar tão pequenos que você absorve bilhões deles toda vez que respira.

Acima da atmosfera está o espaço. É chamado assim porque tem muito menos moléculas, com muito espaço vazio entre elas.

Você já se perguntou como seria viajar para o espaço sideral – e depois continuar? O que você encontraria? Cientistas são capazes de explicar muito do que você vê. Mas há algumas coisas que ainda não sabemos, como se o espaço continua para sempre.

Planetas, estrelas e galáxias

No início de sua viagem pelo espaço, você pode reconhecer alguns dos pontos turísticos. A Terra faz parte de um grupo de planetas que orbitam o Sol – com alguns asteroides e cometas em órbita misturados também.

Você pode saber que o Sol é, na verdade, apenas uma estrela comum e parece maior e mais brilhante do que as outras estrelas apenas porque está mais perto de nós. Para chegar à estrela mais próxima, você teria que viajar por trilhões de quilômetros de espaço. Se você pudesse andar na sonda espacial mais rápida que a NASA já fez, ainda levaria milhares de anos para chegar lá.

Se as estrelas são como casas, então as galáxias são como cidades cheias de casas. Os cientistas estimam que existam 100 bilhões de estrelas na galáxia da Terra.

Se você pudesse diminuir o zoom, muito além da galáxia da Terra, esses 100 bilhões de estrelas se misturariam – da mesma forma que as luzes dos prédios da cidade quando vistas de um avião.

Recentemente, os astrônomos descobriram que muitas ou mesmo a maioria das estrelas têm seus próprios planetas em órbita. Alguns são até como a Terra, então é possível que eles sejam o lar de outros seres também se perguntando o que há lá fora.

Você teria que viajar por milhões de trilhões de quilômetros de espaço apenas para chegar a outra galáxia. A maior parte desse espaço está quase completamente vazio, com apenas algumas moléculas perdidas e minúsculas e misteriosas partículas invisíveis que os cientistas chamam de “matéria escura”.

Usando grandes telescópios, os astrônomos veem milhões de galáxias lá fora – e elas simplesmente continuam, em todas as direções.

Se você pudesse observar por tempo suficiente, ao longo de milhões de anos, pareceria que um novo espaço está sendo gradualmente adicionado entre todas as galáxias. Você pode visualizar isso imaginando pequenos pontos em um balão vazio e depois pensando em enchê-lo. Os pontos continuariam se afastando, assim como as galáxias.

Existe um fim?

Se você pudesse continuar saindo, tanto quanto quisesse, você continuaria passando pelas galáxias para sempre? Existe um número infinito de galáxias em todas as direções? Ou a coisa toda acaba? E se acaba, com o que termina?

Essas são perguntas para as quais os cientistas ainda não têm respostas definitivas. Muitos pensam que é provável que você continue passando por galáxias em todas as direções, para sempre. Nesse caso, o universo seria infinito, sem fim.

Alguns cientistas pensam que é possível que o universo possa eventualmente voltar a si mesmo – então, se você pudesse continuar saindo, algum dia voltaria para onde começou, da outra direção.

Uma maneira de pensar sobre isso é imaginar um globo e imaginar que você é uma criatura que pode se mover apenas na superfície.

Se você começar a andar em qualquer direção, para leste, por exemplo, e continuar andando, eventualmente você voltará para onde começou. Se esse fosse o caso do universo, isso significaria que ele não é infinitamente grande – embora ainda seja maior do que você pode imaginar.

Em ambos os casos, você nunca poderia chegar ao fim do universo ou do espaço. Os cientistas agora consideram improvável que o universo tenha um fim – uma região onde as galáxias param ou onde haveria uma barreira de algum tipo marcando o fim do espaço.

Mas ninguém sabe ao certo. Como responder a essa pergunta precisará ser descoberto por um futuro cientista.

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

Participe dos comentários mais abaixo… e (importante) se puder, colabore na manutenção do OVNI Hoje utilizando o QR code do PIX abaixo, ou use a chave PIX “OVNIHoje” (sem as aspas):

Agradecimentos aos colaboradores dos últimos meses: Edward de Lima, José de Castro, Teogenis de Oliveira, Egídia dos Santos, Silas Raposo, Reinaldo Galhardo, Luiz Buria, Silas Raposo, Maria Dorotea Soares..

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

cosmologiaespaço sideralgaláxiasUniverso
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.