A busca SETI por vida alienígena entrou em uma nova era

Tempo de leitura: 3 min.

A Busca por Inteligência Extraterrestre, ou SETI (sigla em inglês), percorreu um longo caminho.

Crédito: Adobe Stock / diversepixel

Por Adam Frank
Escrevo estas palavras uma hora antes do início do primeiro simpósio do Penn State SETI, um encontro de quatro dias que marca mais um ponto de virada na busca por vida inteligente no Universo. Há uma mudança profunda ocorrendo em um campo que, durante a maior parte de sua existência, não recebeu muito respeito ou apoio – embora sempre tenha recebido uma grande parte da atenção do público.

Então o que mudou? E como isso mudará a maneira como procuramos inteligência extraterrestre?

Sintonizando frequências alienígenas

SETI nasceu através do trabalho pioneiro do astrônomo Frank Drake em 1960. Naquele ano Drake usou a grande antena de rádio do NRAO para procurar sinais de origem tecnológica emanados de estrelas próximas como o Sol. Foi um esforço audacioso e brilhante. Também encorajou um pequeno grupo de cientistas pioneiros a descobrirem as melhores maneiras de realizar uma pesquisa que tivesse um enorme espaço de parâmetros – em outras palavras, o Universo era um palheiro gigante e eles precisavam encontrar a agulha.

Projetar pesquisas SETI forçou esses pesquisadores a considerarem uma série de questões diferentes. Para quais estrelas você olha? Com que frequência você olha? (Você tenta o mesmo alvo a cada hora, todos os dias, todos os meses?) Que frequência você escolhe? (O seu dial de rádio tem muitas opções, mas o SETI tem um milhão de vezes mais.)

Um desafio maior é que nunca houve muito financiamento para o SETI. Embora a NASA tenha fornecido algum dinheiro nas décadas de 1960 e 1970, isso secou na década de 1980. Parte disso ocorreu porque o SETI poderia desencadear um fator de riso em algumas pessoas. Os cientistas do SETI tinham que ter pele grossa. Na prática, isso significa que simplesmente não foi feito muito SETI. Qualquer um que lhe diga que procuramos civilizações alienígenas e não encontramos nenhuma está falando por ignorância. Mal começamos a procurar.

Bom, essa é a história. O que está acontecendo agora?

SETI não é mais apenas um jogo de adivinhação

A mudança mais importante foi a descoberta em 1995 de planetas orbitando outras estrelas. A existência dos chamados exoplanetas era debatida desde os antigos gregos. Como acreditamos que a vida precisa de uma superfície (ou oceano) em um planeta para funcionar, encontrar esses novos mundos mudou tudo. A primeira descoberta logo se transformou em uma avalanche de descobertas. Com mais de 5.000 exoplanetas descobertos, agora sabemos com certeza que, estatisticamente falando, cada estrela hospeda uma família de planetas. Cerca de uma em cada cinco estrelas tem um planeta na chamada zona Cachinhos Dourados, ou zona habitável, onde as condições são favoráveis ​​à formação de vida.

Por que isso mudou o SETI? Porque tirou uma carga de adivinhação. Ao escolher seus alvos, Drake teve que adivinhar para onde deveria apontar o radiotelescópio. Saber quais estrelas têm planetas na zona Cachinhos Dourados significa que agora sabemos exatamente onde procurar.

Tão importante quanto, saber quais planetas observar também nos dá maneiras inteiramente novas de olhar. Durante a maior parte de sua existência, o SETI foi baseado em pesquisas de comprimento de onda de rádio. Havia boas razões para isso, incluindo que as ondas de rádio não são facilmente absorvidas à medida que viajam pela galáxia. Mas as observações de exoplanetas podem usar uma gama muito maior de comprimentos de onda, dando-nos muito mais território para explorar no espectro eletromagnético.

O reconhecimento dessas novas maneiras de observar exoplanetas levou a NASA a apoiar cientistas que estudam bioassinaturas – impressões espectrais de vida “burra” que podem ser detectadas em anos-luz. Mas não há razão para parar por aí. Usando os mesmos métodos, você também pode procurar marcas de tecnologia ou assinaturas tecnológicas.

Um grande desenvolvimento nestes tipos de estudos é a capacidade de caracterizar atmosferas de exoplanetas. Isso significa que podemos procurar em comprimentos de onda ópticos ou infravermelhos por impressões químicas de compostos industriais liberados deliberadamente ou como poluição na atmosfera. Também podemos procurar assinaturas espectrais de luzes da cidade, ilhas de calor industriais ou implantação de painéis solares em larga escala. Quando o SETI estava confinado apenas ao rádio, nada disso era possível. Agora todas essas opções estão abertas para nós.

Procurando por vida alienígena, inteligente ou não

Enquanto isso, a versão clássica de “look-for-radio-beacons” (“procure-por-faróis-de-rádio”) do SETI passou por sua própria renovação. O desenvolvimento mais importante foi a formação da Breakthrough Listen, a iniciativa de US$ 100 milhões financiada pelo bilionário Yuri Milner. A Breakthrough Listen usa seu dinheiro para comprar tempo de telescópio em grandes antenas parabólicas ao redor do mundo. Ao fazê-lo, está liderando o esforço SETI mais ambicioso até agora.

A tecnologia que impulsiona esse tipo de pesquisa também está mudando o jogo. Receptores de multifrequência permitem que dados de zilhões de canais sejam coletados ao mesmo tempo, e técnicas de aprendizado de máquina ajudam os cientistas a procurar sinais nessa avalanche de informações. Esse tipo de alcance era impossível na década de 1970.

Desde sondar as atmosferas de exoplanetas com telescópios ópticos até classificar petabytes de dados de rádio, a busca por assinaturas tecnológicas foi totalmente renovada. É por isso que vemos tantos jovens aparecendo nessas conferências – a era das sobrancelhas levantadas pela mera menção do SETI parece estar desaparecendo. A busca pela vida de qualquer forma – inteligente ou burra – entrou em uma nova era, e o momento não poderia ser mais emocionante. Estamos, finalmente, prontos para realmente procurar o que está lá fora.

(Fonte)


Mas se tivessem procurado investigar aquilo que já está por aqui (OVNIs genuínos), provavelmente já teriam uma resposta e de forma muito mais econômica. Pelo menos é o que eu penso.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!
Adam FrankOVNI Hojeprocura por vida extraterrestreSETI
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.