Novo enredo para o Apocalipse: Micróbios com superpoderes encontrados na Antártica

Tempo de leitura: 3 min.

Se em 2020-21 havia apenas uma única história de pandemia no mundo, então em 2022 o planeta ainda será dominado por várias histórias apocalípticas ao mesmo tempo, variando de novas e mais terríveis pandemias, a ameaça de guerra nuclear, empréstimos sociais, finalizando com uma invasão mais oportuna de alienígenas.

Crédito da ilustração: depositphotos

Agora temos um novo garoto no pedaço: bactérias antigas com resistência natural a antibióticos e antimicrobianos na Antártida.

Um grupo de cientistas da Universidade do Chile esteve em diferentes áreas da Antártica de 2017 a 2019, onde coletaram amostras de solo para estudar comunidades microbianas, o que resultou na descoberta de uma enorme variedade de microrganismos nesses solos. Isso foi afirmado em 26 de maio em uma mensagem no site da Universidade do Chile.

O relatório diz:

“No entanto, os cientistas ficaram ainda mais surpresos quando descobriram que muitas das bactérias nessas amostras tinham habilidades inesperadas, incluindo alta resistência a muitas classes de antibióticos e outras substâncias tóxicas.”

Ao mesmo tempo, como apontou Andrés Marcoleta, acadêmico da Faculdade de Ciências da Universidade do Chile, cujas palavras são citadas na mensagem e que participou do estudo, tais habilidades de resistência podem aparecer em microrganismos patogênicos que causam diversas doenças. Segundo o cientista, isso pode levar a sérios problemas de saúde no mundo.

Marcoleta também observou que alguns dos “superpoderes” que esses microrganismos desenvolveram durante a evolução para resistir a condições extremas estão em “fragmentos móveis” de DNA, e isso pode permitir que sejam transferidos para outras bactérias.

O cientista observou:

“Portanto, a ideia de que esses genes podem eventualmente atingir bactérias que causam infecções em humanos ou outros animais, dando-lhes habilidades significativas de resistência, não parece loucura.”

Ele complementou que, como resultado, “genes de resistência” podem aumentar outros patógenos ao entrar em contato com eles, o que pode contribuir para a propagação de doenças infecciosas.

Ao mesmo tempo, Marcoleta acrescentou que os pesquisadores não queriam causar alarme, mas mostrar a importância de estudar a Antártida e seu impacto no planeta.

O cientistas chileno explicou:

“Conhecer os detalhes dos genes de resistência presentes na Antártica e em outros ambientes com alta diversidade microbiana pode apontar o caminho para o desenvolvimento de possíveis novos antibióticos que serão ‘preparados’ para superar esses mecanismos de resistência.”

Apenas mais um cenário apocalíptico

O coronavírus, cujos surtos ainda estão sendo observados em alguns países (China, Coreia do Norte), foi substituído pela varíola dos macacos… …A natureza cinematográfica das imagens nascidas pelo próprio nome da nova doença dificilmente é acidental. “Rise of the Planet with Monkeypox” é uma imagem absoluta da mídia que facilmente introduz medo e horror a uma grande parte da população mundial.

A OMS diz que o novo vírus não sofreu mutação o suficiente para se espalhar rapidamente, mas muitos países já tomaram decisões para estocar vacinas contra a varíola, semeando as primeiras sementes do pânico futuro.

Quanto à publicação científica pelos chilenos, poderia ser uma preparação factual para alguma nova superpandemia, cuja origem seria conhecida, mas resistente a todos os antibióticos e desinfetantes existentes.

No entanto, se descartarmos as teorias da conspiração e presumirmos que os cientistas chilenos que descobriram a bactéria não estão envolvidos na conspiração mundial, então tudo se torna ainda mais interessante e ainda mais terrível.

A natureza não tolera excessos, e qualquer espécie contém exatamente quantos genes necessita e nenhuma bactéria que existe na natureza possui genes de resistência a antibióticos. Esses genes só aparecem depois que a bactéria encontra um antibiótico e, no decorrer de uma curta evolução, nasce uma cepa resistente a medicamentos.

Existem casos de mutação rápida em todos os hospitais onde aparece regularmente algum tipo de estafilococo, resistente a um ou outro antibiótico de nova geração.

Este é um fenômeno normal e natural que obriga os farmacêuticos a inventarem novos medicamentos todos os anos. Mas surge a pergunta: se um antibiótico e um micróbio são necessários para o surgimento de uma nova cepa resistente a antibióticos, então de onde vieram os antibióticos na Antártica? Onde estava o contato do micróbio com o antibiótico para que o micróbio desenvolvesse genes de resistência?

Se algum tipo de micróbio mutante aparecer, então a uma temperatura de menos cinquenta graus, levará milênios, se não milhões de anos, para se espalhar pelo continente.

Portanto, o micróbio encontrado pelos chilenos é algum tipo de micróbio pré-histórico. Ele entrou em contato com um antibiótico e desenvolveu resistência, o que significa que já naquela época já poderia haver algum tipo de civilização na Antártica que usava antibióticos e despejava toneladas deles no solo.

Não sabemos que tipo de civilização poderia ter sido, mas presumimos que entre os artefatos deixou para trás não apenas linhagens mutantes. Talvez os arqueólogos encontrem esses artefatos em breve, se ainda já não os encontraram.

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

AntárticaapocalipsemicróbiosOVNI Hoje
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.