NASA desenvolve escala para avaliar as chances de vida extraterrestre

Tempo de leitura: 3 min.

O geocientista Dirk Schulze-Makuch, coautor com William Bains de The Cosmic Zoo (2017)( “O Zoológico Cósmico”, em tradução livre) e vários outros livros sobre habitabilidade planetária, acha que a ciência precisa de escalas padronizadas para avaliar alegações sobre vida extraterrestre.

Há muitas alegações: vida em Marte detectada pelas sondas Viking (1976), vida fóssil em um meteorito de origem marciana (1996), fosfina em Vênus (2020)… todos têm algumas evidências a seu favor. Mas os cientistas precisam de uma maneira de expressar graus de certeza. Recentemente, a NASA propôs a Confidence of Life Detection Scale (de sigla em inglês, CoLD, para “Escala de Confiança de Detecção de Vida), com sete referências.

O principal problema é que as evidências que podem sugerir que a vida poderia facilmente ser um processo não biológico:

“Considere a lua de Júpiter, Europa. Um grande impacto de asteroide pode ter volatilizado o gelo na superfície, criando uma atmosfera de vapor de água. A radiação de Júpiter poderia então ter dividido as moléculas de água em oxigênio e hidrogênio, deixando o hidrogênio mais leve escapar para o espaço e o oxigênio mais pesado sendo deixado para trás. Assim como em Europa, a descoberta de oxigênio na atmosfera de um exoplaneta, emocionante no início, pode ter uma explicação puramente física.

Encontrar grandes quantidades de grandes moléculas orgânicas como a clorofila em uma atmosfera alienígena seria mais emocionante, já que não se sabe que elas se formam sob condições abióticas. Por si só, no entanto, isso provavelmente não seria prova suficiente. Sempre haveria a suspeita incômoda de que alguma química não biológica desconhecida é a responsável.

Dirk Schulze-Makuch (29/03/2022)

Mas, com tantos novos exoplanetas chegando à vista dos novos e poderosos telescópios, uma escala para avaliar as reivindicações é uma alternativa ao interminável zumbido inconclusivo. A NASA, por exemplo, está de acordo com isso:

“A escala contém sete níveis, refletindo a escada sinuosa e complicada de degraus que levaria os cientistas a declararem que encontraram vida além da Terra. Como uma analogia, Green e seus colegas apontam para a escala Technology Readiness Level, um sistema usado dentro da NASA para avaliar o quão pronta uma espaçonave ou tecnologia está para voar. Ao longo desse espectro, tecnologias de ponta, como o helicóptero Mars Ingenuity, começam como ideias e se desenvolvem em componentes rigorosamente testados de missões espaciais históricas.

Os autores esperam que, no futuro, os cientistas observem em estudos publicados como seus novos resultados de astrobiologia se encaixam em tal escala. Os jornalistas também podem se referir a esse tipo de estrutura para definir as expectativas do público em matérias sobre novos resultados científicos, para que pequenos passos não pareçam grandes saltos.”

Elizabeth Landau (27/10/2021)

Aqui está a escala:

James Green, cientista-chefe da NASA, liderou a elaboração da escala:

“Os autores do artigo enfatizam que a escala é apenas um ponto de partida para uma conversa mais ampla com cientistas e comunicadores científicos sobre as melhores maneiras de proceder se e quando descobrirmos evidências de vida alienígena.

Ele também vem no contexto do próximo lançamento do poderoso telescópio James Webb (JWST), juntamente com o jipe-sonda Perseverance Mars em busca de vida no Planeta Vermelho, o que significa que tal descoberta pode se tornar realidade mais cedo ou mais tarde.”

Tony Tran (28/10/2021)

Em relação a onde estávamos décadas atrás, há muitas pistas para filtrar, por exemplo:

“[Maggie] Thompson e seus colegas observam que ‘o metano é a única bioassinatura que o Telescópio Espacial James Webb pode detectar prontamente em atmosferas terrestres’, tornando ‘imperativo entender as bioassinaturas do metano para contextualizar essas próximas observações’, de acordo com um estudo publicado na segunda-feira em Proceedings of the National Academy of Sciences.

Os cientistas já estão tentando encontrar bioassinaturas nas atmosferas de exoplanetas que possam sugerir a presença de vida, como oxigênio, oxônio e dióxido de carbono. No entanto, as propriedades moleculares do metano se alinham com o ponto de observação do JWST em comprimentos de onda do infravermelho próximo, tornando-o um composto particularmente importante na busca por vida extraterrestre.”

Becky Ferreira (29/03/2022)

Percorremos um longo caminho desde meros fragmentos de informações “talvez” até a necessidade de padrões para avaliar a massa esperada de dados recebidos.

(Fonte)


Meu pessimismo ainda me diz que a NASA fará de tudo para controlar e até mesmo bloquear a descoberta de vida fora de nosso planeta. Este tem sido seu modus operandi desde sua fundação, e não vejo porque ela mudará esta posição agora.

Como já mencionei antes, após as sondas Viking na década de 1970, as quais possivelmente encontraram sinais de vida microbiana em Marte, teria sido muito simples para a agência espacial ter enviado outros tipos de testes em suas várias sondas que para lá foram. Não mais o fizeram.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!
escala para avaliar vidaNASAOVNI Hojevida extraterrestre
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.