A civilização humana não é nem do Tipo 1. Do que um Tipo 3 seria capaz?

Tempo de leitura: 3 min.

Por Adam Frank

Como as civilizações tecnologicamente adeptas evoluem sobre prazos medindo nas dezenas de milhares ou até milhões de anos? Esta é uma questão que me assombra como pesquisador na busca de “tecnossignaturas” de outras civilizações em outros mundos.

Credito: maxpixel.net

Como já é sabido que as civilizações de vida mais longa são aquelas mais prováveis de serem detectadas, pois suas possíveis trajetórias evolutivas poderiam ser traduzidas em melhores estratégias de busca. Mas ainda mais do que saber o que procurar, o que eu realmente quero saber é o que acontece com uma civilização depois de tanto tempo. Do que elas são capazes? O que elas se tornam?

Esta foi a pergunta que o pioneiro russo do SETI, Nikolai Kardashev, se fez em 1964. Sua resposta foi a agora famosa “Escala Kardashev”.

Kardashev foi o primeiro, mas não o último, cientista a tentar formalizar os passos (ou estágios) da evolução das civilizações. Hoje, quero começar uma série sobre essa questão. É fundamental para os estudos de assinatura tecnológica (nos quais nossa equipe da NASA está trabalhando duro) e também é importante para entender o que pode estar por vir para a humanidade se conseguirmos superar os gargalos que enfrentamos agora.

A Escala Kardashev

A pergunta de Kardashev pode ser colocada de outra forma. Que passos no avanço de uma civilização na escada da sofisticação tecnológica serão universais? A ideia básica aqui é que todas (ou pelo menos a maioria) das civilizações passarão por algum tipo de estágio quantificável à medida que evoluem, e algumas dessas etapas podem ser refletidas em como podemos detectá-las. Mas, enquanto o principal interesse de Kardashev era encontrar sinais de exocivilizações, sua escala nos deu uma maneira clara de pensar sobre sua evolução.

O esquema de classificação Kardashev usado não foi baseado em sistemas sociais de ética, porque essas são coisas que provavelmente não podemos prever sobre civilizações alienígenas. Em vez disso, foi baseado na energia, que é algo próximo e querido ao coração de alguém treinado em física. O uso de energia pode fornecer a base para as etapas universais da evolução da civilização, porque você não pode fazer o trabalho de construir uma civilização sem usar energia. Assim, Kardashev olhou para quais fontes de energia estavam disponíveis para as civilizações, pois progrediam tecnologicamente e usavam essas fontes para construir sua escala.

Da perspectiva de Kardashev, existem três níveis básicos ou “tipos” de avanço em termos de energia de colheita através da qual uma civilização deve progredir.

Tipo 1: Civilizações que podem capturar todos os recursos energéticos do seu planeta doméstico constituem o primeiro estágio. Isso significaria capturar toda a energia leve que cai em um mundo de sua estrela hospedeira. Isso faz sentido, já que a energia estelar será a maior fonte disponível na maioria dos planetas onde a vida poderia formar. Por exemplo, a Terra recebe centenas de bombas atômicas de energia a cada segundo. Essa é uma fonte de energia bastante potente, e uma espécie Tipo 1 teria todo esse poder à sua disposição para a construção da civilização.

Tipo 2: Essas civilizações podem colher todos os recursos energéticos de sua estrela natal. O físico ganhador do Prêmio Nobel, Freeman Dyson, antecipou o pensamento de Kardashev sobre isso quando imaginou uma civilização avançada construindo uma vasta esfera ao redor de sua estrela. Essa “Esfera de Dyson” seria uma máquina do tamanho de todo o sistema solar para capturar fótons estelares e sua energia.

Tipo 3: Essas super-civilizações podem usar toda a energia produzida por todas as estrelas em sua galáxia de origem. Uma galáxia típica contém algumas centenas de bilhões de estrelas, de modo que é uma grande energia. Uma maneira de isso poder ser feito é se a civilização cobrisse todas as estrelas em sua galáxia com esferas de Dyson, mas também poderia haver métodos mais exóticos.

Implicações da Escala Kardashev

Subindo do Tipo 1 para cima, vamos do imaginável ao divino. Por exemplo, não é difícil imaginar o uso de muitos satélites gigantes no espaço para capturar a energia solar e depois transmiti-la para a Terra por meio de micro-ondas. Isso nos levaria a uma civilização Tipo 1. Mas fazer uma esfera Dyson exigiria mastigar planetas inteiros. Quanto tempo até conseguirmos esse tipo de poder? Como teríamos que mudar para chegarmos lá? E quando chegamos às civilizações do Tipo 3, estamos quase pensando em deuses com a capacidade de projetar galáxias inteiras.

Para mim, isso faz parte do ponto da Escala de Kardashev. Seu uso para pensar na detecção de assinaturas tecnológicas é importante, mas ainda mais potente é sua capacidade de nos ajudar a guiar nossa imaginação. A mente pode ficar em branco olhando por centenas ou milhares de milênios, e por isso precisamos de ferramentas e guias para focar nossa atenção. Essa pode ser a única maneira de ver o que a vida pode se tornar – o que podemos nos tornar – quando surgir para atravessar as fronteiras do espaço, do tempo e da possibilidade.

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

Adam FrankalienigenascosmologiaEscala de Kardashev
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.