Cientistas planejam como o Telescópio James Webb irá detectar ETs

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 2 min.

O Telescópio Espacial James Webb da NASA (de sigla em inglês, JWST) ainda nem iniciou oficialmente as operações científicas, mas os astrônomos já estão ansiosos para procurar civilizações alienígenas usando o observatório super caro.

Crédito da impressão artística de um planeta de Trappis-1: Alexander Antropov/Pixabay

O telescópio é poderoso o suficiente para visualizar diretamente exoplanetas individuais orbitando estrelas distantes, uma perspectiva tentadora que alguns dizem que poderia nos levar a descobrir de uma vez por todas se estamos sozinhos no universo – ou não.

Em um artigo ainda não revisado por pares descoberto pelo Universe Today, uma equipe de astrônomos da NASA e outras instituições sugeriram que o JWST poderia ser usado para detectar planetas com traços detectáveis ​​de clorofluorcarbonetos (CFCs) em sua atmosfera.

O raciocínio deles: gases de efeito estufa como os CFCs podem ser sinais de civilizações extraterrestres, já que os mesmos gases levaram a humanidade a abrir um buraco na camada de ozônio da Terra, em um claro marcador de uma civilização industrializada. Em suma, os alienígenas que poluíram sua atmosfera podem fornecer um sinal de vida extraterrestre.

A equipe até identificou um bom primeiro alvo para procurar CFCs: TRAPPIST-1, um sistema composto por vários planetas do tamanho da Terra orbitando uma estrela anã vermelha a meros 40 anos-luz de distância.

O artigo informa:

“Os CFCs são um exemplo notável de uma assinatura tecnológica na Terra, e a detecção de CFCs em um planeta como TRAPPIST-1e seria difícil de explicar através de quaisquer características biológicas ou geológicas que conhecemos hoje.”

O TRAPPIST-1 é relativamente fraco, o que significa que os espectrômetros infravermelhos do JWST não seriam dominados por ele. De fato, nosso próprio Sol seria muito brilhante se um telescópio como o JWST tentasse a mesma coisa, mas do ponto de vista TRAPPIST-1.

Mas isso pode mudar em breve à medida que desenvolvermos tecnologias ainda mais capazes.

A equipe concluiu:

“Nas próximas décadas, haverá pelo menos duas assinaturas tecnológicas passivas da Terra, emissões de rádio e poluição atmosférica, que seriam detectáveis ​​por nossa própria tecnologia ao redor da estrela mais próxima.”

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Franklin Viana ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


OVNI Hojeprocura por alienígenasTelescópio Espacial James WebbTrappist-1
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.