Estudo mostra que planetas podem ter suas próprias inteligências

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 2 min.
Ouça este artigo...

Astrobiólogos e astrofísicos decidiram combinar o conhecimento disponível sobre geologia, biologia, climatologia e comportamento social dos seres vivos para descobrirem se planetas podem adquirir suas próprias mentes.

Em um auto-descrito “experimento de pensamento”, o astrofísico da Universidade de Rochester Adam Frank e seus colegas David Grinspoon no Planetary Science Institute e Sara Walker na Arizona State University usam teoria científica e questões mais amplas sobre como a vida altera um planeta, para postular quatro estágios para descrever o passado e o futuro possível da Terra. Crédito: Ilustração da Universidade de Rochester / Michael Osadciw

Segundo o ScienceDaily, os cientistas não conseguiram encontrar uma resposta definitiva, mas sugeriram que a humanidade não poderia existir sem algo como a inteligência planetária.

Cientistas representando a Universidade de Rochester, a Universidade do Arizona e o Instituto de Ciências Planetárias conduziram um experimento mental no qual estudaram a relação entre a evolução do planeta Terra e o desenvolvimento da vida nele. O objetivo do estudo é obter novas ideias para resolver problemas globais como as mudanças climáticas.

Dividindo o desenvolvimento da vida na Terra em quatro estágios (biosfera imatura, biosfera madura, tecnosfera imatura, tecnosfera madura), os autores do estudo sugeriram que a humanidade não poderia ter alcançado suas alturas atuais se o planeta Terra não tivesse algo semelhante à inteligência planetária.

Por exemplo, diz Adam Frank, muitos estudos recentes mostraram como as raízes das árvores em uma floresta se conectam através de redes subterrâneas de fungos conhecidas como redes micorrízicas. Se uma parte da floresta precisa de nutrientes, as outras partes enviam às porções estressadas os nutrientes de que precisam para sobreviver, através da rede micorrízica. Dessa forma, a floresta mantém sua própria viabilidade.

No momento, nossa civilização é o que os pesquisadores chamam de “tecnosfera imatura”, um conglomerado de sistemas e tecnologia gerados pelo homem que afeta diretamente o planeta, mas não é autossustentável. Por exemplo, a maior parte do nosso uso de energia envolve o consumo de combustíveis fósseis que degradam os oceanos e a atmosfera da Terra. A tecnologia e a energia que consumimos para sobreviver estão destruindo nosso planeta natal, o que, por sua vez, destruirá nossa espécie.

Para sobreviver como espécie, então, precisamos trabalhar coletivamente no melhor interesse do planeta.

Mas, diz Frank:

“Ainda não temos a capacidade de responder comunitariamente pelos melhores interesses do planeta. Há inteligência na Terra, mas não há inteligência planetária.”

(Fonte)

Colaboração: seukikonetwork


Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Leopoldo Della Rocca ❤️ Egídia L dos Santos ❤️

Muito obrigado!

Adam FrankcosmologiainteligênciaOVNI Hojeplanetas
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.