Luzes em outros planetas podem provar que alienígenas existem

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 2 min.

Um professor de ciências de Harvard acredita que a vida alienígena pode existir em outros planetas que podem estar cobertos de luz artificial de maneira semelhante à Terra.

Um planeta habitado por seres inteligente pode mostrar luzes de suas cidades em seu lado onde é noite. Crédito: depositphotos

O físico teórico Abraham Loeb se inspirou para sua teoria em uma entrevista com o comandante da Estação Espacial Internacional, Terry Virtz, que observou o brilho de luzes artificiais no lado noturno da Terra.

O autor do livro “Extraterrestrial“, também conhecido como Avi Loeb, afirma que os astrônomos poderiam aplicar essa observação ao procurarem por outros planetas que possam ter vida inteligente semelhante à nossa.

Ele escreveu no Medium:

“Nossa melhor chance de captar as luzes da cidade fora do sistema solar é em torno da estrela mais próxima do Sol, Proxima Centauri, uma anã vermelha localizada a 4,25 anos-luz de distância.

Esta estrela é quase seiscentas vezes mais fraca que o Sol e, portanto, um planeta precisa estar vinte vezes mais próximo da fornalha de Proxima do que a Terra está do Sol, para que possa suportar a vida baseada em água líquida.

Em agosto de 2016, os astrônomos descobriram um planeta pesando 1,3 massas terrestres nesta zona habitável. Por causa de sua proximidade com a estrela, acredita-se que este planeta – Proxima b – esteja travado por maré, mostrando o mesmo lado para estrela o tempo todo – assim como a Lua faz em relação à Terra.

Proxima b tem um lado diurno permanente e um lado noturno permanente.

Minhas filhas dizem que, se algum dia nos mudarmos para lá, elas querem uma casa na faixa que separa os dois lados, onde possam ver o pôr do sol para sempre.”

Loeb ainda complementou:

“Se Proxima b já é habitada por uma civilização tecnológica, seu lado diurno pode ser revestido com células fotovoltaicas para gerar eletricidade que iluminaria e aqueceria o lado noturno, que de outra forma é muito frio e escuro para uma vida confortável.”

Ele acrescentou que o recém-lançado Telescópio Espacial James Webb poderia detectar luzes artificiais no lado noturno permanente de Proxima b.

No entanto, o Webb só poderá detectá-las enquanto estiver limitado a uma faixa de frequência mil vezes mais estreita que a luz da estrela.

Avi acrescentou:

“A NASA deve considerar a construção de um telescópio maior que rastreará essas luzes fracas para aprender sobre os continentes e a política neste planeta distante.”

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Franklin Viana ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


Avi Loebluzes alienígenasplanetasprocura por alienígenas
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.