Planetas similares à Terra podem ser abundantes em nossa galáxia

Tempo de leitura: 3 min.

Exoplanetas semelhantes à Terra, incluindo aqueles com características como continentes e água líquida em sua superfície, podem ser abundantes em toda a Via Láctea. Modelos anteriores de formação de planetas indicaram que a abundância de água na Terra pode ter chegado devido a ataques extremamente fortuitos de cometas, mas novos modelos parecem indicar que planetas rochosos semelhantes à Terra podem atrair água suficiente durante sua fase de desenvolvimento para torná-los tão amigáveis ​​à vida. Como Terra.

Ilustração: NASA, ESA e G. Bacon (STScI).

Na Terra, a maior parte da vida depende de coisas como oxigênio e luz solar para florescer. Algumas formas de vida que existem em ambientes extremos, conhecidos como extremófilos, mostraram a capacidade de viver sem luz solar, enquanto certas formas de vida anaeróbicas sobrevivem sem oxigênio. No entanto, toda a vida na Terra requer água de alguma forma ou modo.

Agora, novas pesquisas de formação planetária indicam que os oceanos da Terra podem não ser o resultado de uma colisão cósmica estranha, mas podem ter chegado durante o curso normal do desenvolvimento planetário. Além disso, tal processo também significaria que exoplanetas semelhantes à Terra com água em sua superfície e continentes ativos são provavelmente comuns em toda a galáxia.

Realizado por pesquisadores do Instituto GLOBE da Universidade de Copenhague, os resultados mais recentes do estudo parecem mostrar que a água da Terra apareceu durante seu processo natural de formação, um modelo de desenvolvimento do planeta conhecido como ‘acreção de seixos’.

O professor Anders Johansen, do Centro de Formação de Estrelas e Planetas, disse em um comunicado de imprensa anunciando o novo estudo:

“Todos os nossos dados sugerem que a água fazia parte dos blocos de construção da Terra, desde o início. E como a molécula de água ocorre com frequência, há uma probabilidade razoável de que ela se aplique a todos os planetas da Via Láctea.”

Sobre se essa água pode existir em forma líquida na superfície de tal planeta, o professor Johansen disse que “o ponto decisivo para saber se a água líquida está presente é a distância do planeta de sua estrela”. Esta distância orbital é mais comumente referida como zona habitável de uma estrela.

Para chegar a essa conclusão, Johansen e o resto da equipe do GLOBE empregaram modelos de computador atualizados da formação de planetas. Quando executados com os dados mais recentes, esses modelos mostraram que partículas de poeira milimétrica de carbono e gelo “que são conhecidas por orbitar em torno de todas as estrelas jovens da Via Láctea” se acumularam nos primeiros 5 milhões de anos ou mais da formação da Terra, resultando na quantidade de água encontrada aqui hoje.

Johansen explica:

“Até o ponto em que a Terra cresceu para um por cento de sua massa atual, nosso planeta cresceu capturando massas de seixos cheios de gelo e carbono. A Terra cresceu cada vez mais rápido até que, depois de cinco milhões de anos, tornou-se tão grande quanto a conhecemos hoje.”

Durante essa fase, a temperatura na superfície da Terra teria subido acentuadamente, fazendo com que o gelo nos seixos evaporasse no caminho para a superfície. Como resultado, diz Johansen, “apenas 0,1% do planeta é composto de água, embora 70% da superfície da Terra seja coberta por água”.

Johansen acrescentou:

“Todos os planetas da Via Láctea podem ser formados pelos mesmos blocos de construção, o que significa que planetas com a mesma quantidade de água e carbono que a Terra – e, portanto, locais potenciais onde a vida pode estar presente – ocorrem frequentemente em torno de outras estrelas em nossa galáxia, desde que a temperatura esteja certa.”

De acordo com a pesquisa da equipe, publicada na revista Science Advances, Vênus e Marte podem ter passado por uma fase de acreção semelhante que resultou em água de superfície. É claro que nenhum dos planetas tem água em sua superfície hoje, mas isso é mais provável devido às condições planetárias individuais e não à falta de moléculas de água disponíveis durante sua formação.

No que diz respeito às implicações deste último estudo, o coautor do professor Martin Bizzarro diz que pode mudar fundamentalmente a maneira como procuramos vida extraterrestre.

Ele disse:

“Com nosso modelo, todos os planetas recebem a mesma quantidade de água, e isso sugere que outros planetas podem ter não apenas a mesma quantidade de água e oceanos, mas também a mesma quantidade de continentes que aqui na Terra. Oferece boas oportunidades para o surgimento da vida.”

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

águaexoplanetasOVNI HojeTerraVia Lácteavida extraterrestre
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.