NASA diz que enormes asteroides podem nos pegar de supresa

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 2 min.

Astrônomos descobriram que asteroides podem parecer estacionários para nós, o que levou a novos esforços para resolver o problema da segurança da Terra.

Crédito da imagem ilustrativa: depositphotos

Asteroides devastadores têm potencial para aproximarem-se da Terra sem serem detectados.

Cientistas financiados pela NASA descobriram que a maneira como a Terra gira e orbita o Sol significa que objetos que se lançam em nossa direção à noite podem passar despercebidos por uma rede de telescópios computadorizados.

Um “quase acidente” de um asteroide de 100 metros passando pela Terra a apenas 70.000 quilômetros de distância foi suficiente para abalar a comunidade astronômica em 2019.

Dado que foi descoberto apenas 24 horas antes, o Congresso dos EUA encarregou a NASA de identificar 90% dos asteroides maiores que 140 metros que poderiam destruir uma grande cidade se caíssem na Terra.

Como parte das instruções da NASA para combater ameaças de asteroides, ela lançou uma nave espacial pesada no ano passado para colidir com a lua de um cometa para derrubá-lo do curso.

O grande sucesso da Netflix, Don’t Look Up, trouxe o perigo de asteroides para o mainstream, mas felizmente o professor Richard Wainscoat, que liderou a equipe de pesquisa da Universidade do Havaí, disse que as pessoas “não devem perder o sono” por causa dos perigos.

Ele acrescentou:

“No caso de encontrarmos algo que vai atingir a Terra, gostaríamos de fazer algo a respeito. Não é uma questão de encontrá-los e sentar lá e deixar cair.”

No entanto, quando os asteroides se lançam em direção à Terra a partir de uma área do céu oriental por volta das 2 da manhã, a maneira como o planeta gira e orbita pode fazer com que os objetos crescentes pareçam estacionários.

O estudo publicado na revista Icarus afirma que 50% dos impactadores que se aproximam da Terra a partir do leste normalmente passam por períodos de câmera lenta, tornando-os difíceis de detectar.

A equipe escreveu:

“As pesquisas devem ter cuidado extra ao pesquisarem o céu nessa direção e seguir agressivamente novos objetos em movimento lento.”

O professor Wainscoat disse que deveria ser possível atualizar os algoritmos para resolver o problema dos asteroides que parecem estar parados.

O asteroide conhecido como 2019 OK foi o maior quase acidente da Terra desde 1908, que conhecemos.

O professor Wainscoat disse que cerca de 40% dos grandes asteroides que se aproximam da Terra foram catalogados.

Ele admitiu:

“Temos um caminho a percorrer. Uma vez que tenhamos catalogado mais de 90%, o número que pode se aproximar de nós dessa direção será pequeno.”

(Fonte)


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Franklin Viana ❤️Leopoldo Della Rocca ❤️ Jessica Luana de Souza ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


asteroidesastronomiaimpacto de asteroideNASA
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.