Pesquisador sugere que existe laboratório extraterrestre em Porto Rico

Tempo de leitura: 7 min.

Desde 1988, o renomado ovniólogo porto-riquenho Jorge Martin investiga vários fenômenos que a ciência acadêmica não consegue explicar. 

Crédito da imagem: depositphotos

Por exemplo, os restos mortais de três criaturas desconhecidas caíram nas mãos de fazendeiros locais em 1990. Pareciam um cruzamento entre um cão e um pequeno tiranossauro. A boca do animal incluía 46 dentes afiados. Pesquisas posteriores levaram à conclusão de que a criatura tinha 12 caninos e que seus dentes da frente eram finos e afiados para rasgar, presumivelmente, carne.

O teste de DNA deu resultados mistos – as criaturas continham genes de humanos, cães e do lagarto de Komodo. Esta descoberta levou Jorge Martin a especular que experimentos em humanos e animais estavam envolvidos, mas nos últimos 10 anos, nenhum laboratório foi encontrado que pertencesse a humanos. 

Por outro lado, as observações mais interessantes de moradores locais foram coletadas, incluindo personalidades famosas como atletas, políticos, juízes. Ou seja, a amostra foi proveniente de um estrato razoavelmente educado da população.

Acontece que cerca de uma vez por mês, os moradores veem voos de misteriosos triângulos brilhantes e discos com vigias. Eles se movem de forma absolutamente silenciosa e são capazes de voar alto no céu, mudando dramaticamente sua trajetória. Além disso, inúmeras observações foram feitas do fenômeno de dissolução no céu desses dispositivos. 

Na maioria das vezes, eles voaram para dentro de uma nuvem e ninguém os viu novamente, mas há casos em que triângulos desaparecem em um céu sem nuvens. Ao mesmo tempo, o efeito de desaparecimento não foi acompanhado por nenhum som ou brilho, o aparelho parecia simplesmente se dissolver.

Jorge Martin, com pessoas que pensam como ele, se dirigiu ao governo do país para saber se eles sabiam algo sobre OVNIs. Infelizmente, não houve resposta, mas os ovniólogos fizeram investigações relevantes sobre o desaparecimento de pessoas e descobriram que nos últimos 20 anos mais de 11.500 pessoas desapareceram em Porto Rico

Para um país cuja população total naquela época era de pouco mais de 3 milhões de pessoas, o número não é transcendental, mas evoca alguns pensamentos.

Então, tornou-se comum entre os fazendeiros encontrar animais mortos sem motivo aparente. Descobriu-se que todos eles tiveram seus órgãos internos removidos e todo o seu sangue foi bombeado para fora. Os ossos, devido a um efeito tão estranho, se transformaram em um tecido frágil, como uma estrutura de waffle. Na América dos anos 90, esses casos chegavam a dezenas de milhares. 

Alguém ou algo estava matando animais de uma maneira incrivelmente estranha. Jorge Martin acreditava que avistamentos de OVNIs em Porto Rico, desaparecimentos de pessoas, a descoberta de mutantes com genes humanos e animais, e a morte em massa de animais estavam ligados a uma mesma cadeia de eventos.

Em 2003, pescadores na costa de Porto Rico pegaram uma estranha criatura. Parecia um golfinho, mas não tinha nadadeiras, mas mãos e pés. Os evolucionistas se animaram e sugeriram que outra rodada de evolução havia começado, e esse indivíduo era uma espécie de transição do golfinho ao homem. Por volta dos mesmos anos, popularizou-se a versão de que as pessoas não descendiam de macacos, mas de golfinhos. 

Jorge Martin e sua equipe realizaram uma análise de DNA do sangue da criatura e descobriram que o líquido continha sangue humano e de golfinho. Além disso, foi possível estabelecer a identidade da pessoa. Ela desapareceu em 1997. 

O governo proibiu a divulgação de boatos sobre o ocorrido para não causar pânico na população, mas ficou claro que os ovniólogos poderiam estar certos. Alguns dos humanos ou alienígenas têm um laboratório em Porto Rico para a criação de híbridos, mutantes ou qualquer outra coisa.

Em 2018, o governador de Porto Rico assinou um decreto proibindo a colocação de laboratórios no país para coleta de material biológico de moradores no território. Desde então, os pesquisadores notaram que as pessoas têm muito menos probabilidade de desaparecer. Mas, a questão é, se esses não são alienígenas, então quem são? O território estadunidense de Porto Rico realizou experiências monstruosas e deu à luz mutantes reais? 

A abdução de Carlos Mercado

Era uma noite quente de verão em julho de 1988 na área rural de Betanses, Porto Rico. Tão quente que um homem chamado Carlos Manuel Mercado não conseguia dormir. Ele acordou e saiu da cama, onde sua esposa ainda dormia profundamente ao lado dele, e foi dormir no sofá de outro quarto, onde era mais fresco. 

Ele ficou deitado olhando para o teto, ponderando quanto tempo duraria o calor, até que seus pensamentos foram interrompidos por um brilho esbranquiçado que penetrou na sala de fora, vazou pelas persianas e iluminou p quarto.

Em seguida, um zumbido estranho se juntou a esse brilho, seguido por uma batida mecânica na janela, e isso foi o suficiente para Mercado se levantar do sofá e caminhar até a janela. Na época, ele não tinha ideia de que isso mudaria sua vida para sempre:

“Levantei-me e abri a janela, e aqui estavam eles – três pequeninos parados debaixo da janela, no gramado perto da minha casa. Fiquei chocado, porque eles eram tão diferentes, só um pouco como nós, mas não eram pessoas. 

Eram homenzinhos feios, com a cabeça um pouco maior que a nossa e sem cabelo. Eles não tinham orelhas e seus olhos eram enormes e escuros. Os narizes não eram visíveis neles – apenas buracos. E uma pequena incisão para a boca. Seus rostos eram achatados, sua pele acinzentada e seus rostos e mãos estavam cobertos por pequenas ‘verrugas’ ou inchaços. Você sabe como é a acne? Bem, foi assim que aconteceu. 

Eles eram feios e desagradáveis. Eles tinham um pouco mais de um metro de altura, esguios, vestindo um macacão de mecânico da cabeça aos pés, uma cor de areia cinza-cremosa. Apenas suas cabeças e mãos não estavam cobertas com roupas. 

No começo eu fiquei com medo, mas eles me disseram para não ter medo, pois eles não iriam me machucar, mas apenas queriam me mostrar algo. E eles me disseram isso na minha cabeça, porque nunca abriram a boca. 

Quando eles me contaram isso, meu medo me deixou. Eu realmente não sabia porque, mas tinha a sensação de que eles eram bons e não iam me machucar. Aí me pediram para sair, abri a porta da casa e saí.”

No gramado próximo à casa, dois homens pegaram Mercado pelas mãos e o conduziram pela estrada. Foi então que ele finalmente viu uma fonte de luz brilhante – era um objeto em forma de disco com uma parte superior em forma de cúpula e muitas luzes coloridas piscantes ao redor da borda. O objeto estava em quatro pilares no chão.

Havia um buraco na base da nave, onde uma escada conduzia. Quando o homem foi levado até ela, ele sentiu alguma hesitação, mas mesmo assim não sentiu medo e subiu para dentro, novamente após o pedido insistente desses seres. Dentro, ele viu painéis e monitores piscando bem iluminados, bem como um terceiro humanoide:

“Eles me explicaram que este – o outro – era o capitão e médico deles, e que agora ele cuidaria de mim. Aí eles saíram para fazer outras coisas, e acabou sendo muito melhor para mim ao lado do capitão, porque ele parecia mais um humano.

A cor de sua pele era igual à deles – acinzentada, e sua cabeça era um pouco maior que a deles, mas seus olhos não eram tão grandes. E ele tinha o mesmo nariz dos humanos, mas pontiagudo, e a superfície de sua pele não era como a pele de gente pequena com aquelas terríveis “espinhas”.

Ele usava uma túnica branca larga no pescoço e mangas largas nos pulsos. A túnica chegava a seus pés, e parecia que ele tinha algo branco nos pés.”

Este Doutor Capitão disse a Mercado telepaticamente que queria mostrar-lhe algo e que não deveria ter medo, pois eles iriam trazê-lo de volta são e salvo. Então o “disco” começou a se mover com grande velocidade, e todo o seu espaço interno foi refletido com um zumbido alto, como mil abelhas. 

Olhando por uma das janelas laterais, Mercado pôde ver a paisagem passando rapidamente e percebeu que se dirigiam para a cordilheira Sierra Bermeja, em particular uma montanha chamada Monte el Cayul. 

A nave disparou em direção à ravina e ao penhasco íngreme a uma velocidade perigosamente alta, mas assim que um aterrorizado Mercado pensou que eles iam se chocar contra a montanha, uma espécie de porta se abriu na rocha, e eles rapidamente deslizaram por ela e voaram descendo o túnel. 

A nave voou em algum lugar no fundo da montanha, e depois de um tempo voou para uma vasta caverna, onde muitas outras naves alienígenas de várias formas e tamanhos estavam estacionadas. Quando a nave pousou em uma plataforma elevada, Mercado viu muitos dos mesmos seres humanoides envolvidos em todos os tipos de atividades.

Todo o lugar era uma verdadeira colmeia de atividade, e o homem teve a impressão de que se tratava de uma espécie de base. Os alienígenas com quem ele estava confirmaram isso, dizendo-lhe que o local era um ponto de reparo para suas naves, mas também uma base para operações de exploração de vida terrestre. 

O capitão então convidou Mercado a desembarcar da nave e fazer um tour com ele, durante o qual foi explicado o propósito de sua base e a missão ali:

“O ser mais alto me disse para sair com ele, e isso me fez colocar um dispositivo que parecia um grande óculos escuro para que eu pudesse ver tudo claramente abaixo. E tudo estava muito bem iluminado ali. Não dava para ver de onde vinha a luz, mas era uma luz muito brilhante, muito branca, todas as paredes eram revestidas de metal prateado muito brilhante.

E havia muitas, muitas pessoas pequenas e muita atividade. Muitos dos homenzinhos trabalhavam em naves, enquanto outros pareciam estar montando algo, como carros ou eletrônicos. Lá embaixo havia um mundo realmente enorme e também havia edifícios que pareciam quartéis militares. 

O ser alto explicou-me mentalmente (porque também não falava com a boca) que estão neste lugar há muito, muito tempo e que não querem sair de lá. Dizia que queriam que eu visse tudo porque queriam que eu dissesse às pessoas que elas não tinham más intenções e que não queriam nos prejudicar ou nos derrotar. 

Depois disse que querem poder interagir plenamente conosco a nível social, misturar-se conosco, mas as nossas autoridades não querem isso. Ele insistiu que eu dissesse às pessoas de fora de tudo que elas não querem nos conquistar ou nos prejudicar.”

A criatura também lhe informou que houve outras pessoas que receberam a mesma mensagem, e que até houve algumas pessoas que decidiram ficar com eles ali, no sopé da montanha. Foi dito a Mercado que ele deveria ir contar a história e contar às pessoas o que aprendera ali naquele dia, e então o levou de volta por um túnel na montanha para deixá-lo exatamente onde o haviam buscado – perto de sua casa. 

Antes de partirem, as criaturas disseram a ele que voltariam para ele um dia e depois partiram. No entanto, embora Mercado tenha sido instruído a espalhar sua história por todo o lugar, ele primeiro silenciou sobre sua experiência, e houve outro estranho encontro que o convenceu a finalmente se apresentar.

Em dezembro daquele ano, Mercado afirmou que estava na Sierra Bermeja com seu amigo Wilson Sousa quando notaram uma enorme nave triangular bem iluminada voando pelo céu. Mais estranho ainda, eles afirmavam que esse “triângulo” era perseguido por duas aeronaves militares. 

Esses aviões teriam voado diretamente para a nave, até que em algum ponto pareceram desaparecer, e o som de seus motores uivando de repente desapareceu e parou, assim como eles. O OVNI então voou até chegar a um lago chamado Laguna Cartagena, onde supostamente explodiu com uma bola de fogo impressionante com destroços caindo, após o que dois objetos menores pareceram voar para longe dele.

O incidente abalou Mercado, imediatamente o lembrou de seu estranho encontro com alienígenas na mesma área e depois disso ele decidiu contar sua história para Jorge Martin, que estava na área na época e investigava muitos outros avistamentos de OVNIs ocorridos em na mesma região. 

Isso é o que Martin Mercado disse: 

“Não procuro publicidade. Estou lhe contando isso simplesmente porque sei que você é uma pessoa razoável e séria e que vai me ouvir. Sabe, ainda estou esperando por eles, porque gosto do que aconteceu. Na minha opinião, eles não são ruins, eu senti isso. 

Se eles quisessem me machucar, eles o teriam feito quando me agarraram. Eu gostaria que eles voltassem para que eu pudesse ir com eles novamente. Eles não são criaturas ruins. 

Estou lhe contando tudo isso porque quando esse OVNI sequestrou esses dois aviões, eu fiquei muito nervoso, porque os aviões o assediaram, ele os levou embora. Isso me assustou muito, porque sinto que essas criaturas são boas e parece que alguém quer tirá-las de lá. Algo está acontecendo lá! ”

Martin não pareceu surpreso. Durante este ano, ele investigou numerosos relatos de avistamentos de OVNIs nas montanhas de Porto Rico, feitos por testemunhas muito confiáveis, e estava acostumado com as estranhezas que este lugar podia produzir. 

Muitas vezes foi relatado que os moradores locais viram navios de várias formas e tamanhos pairando ou circulando sobre o Pico Kayul, e o pesquisador também descobriu outras histórias de algo muito estranho acontecendo ali, nessas montanhas, bem como sinais da existência de misteriosas bases alienígenas subterrâneas lá, e também uma espécie de conspiração bizarra envolvendo um objeto estranho construído ali pelos militares do governo. Exatamente onde os OVNIs eram mais frequentemente observados. 

Aqui está o que Jorge Martin disse:

“No cume do pico situado à direita do Pico Cayul (isto é, quando visto de Cabo Rojo), algumas estruturas foram erguidas há cerca de sete anos, que seriam destinadas à estação Rádio Voz da América. A área ao redor foi declarada área restrita, alegando que era por razões gerais de segurança e que ninguém da área tinha permissão para se aproximar deste local. 

No entanto, pelo que sabemos até agora, as transmissões desta suposta estação nunca foram ao ar em Porto Rico. Então, por que esse prédio foi construído? Se não for usado para a função para a qual foi supostamente construído, qual é o seu verdadeiro papel?

Às vezes, pessoas desconhecidas iam lá, testemunhas oculares viam. Quem são eles e o que essas pessoas estão fazendo? Em muitas ocasiões, os moradores de Boquerón, Las Palmas e Betans (todos na área metropolitana de Cabo Rojo) e Olivares (no município de Lajas) viram grandes OVNIs de várias formas (triângulos, discos, charutos, etc.) pendurados imóveis acima do pico. Kayul e sobre a montanha onde o prédio da suposta estação Voz da América foi construído. O que os OVNIs procuram lá com tanta persistência? ”

Não se sabe o que está acontecendo na área agora, mais de 30 anos depois do incidente com o Mercado e da construção desta estranha “estação de rádio”. Toda essa história parecia ter vazado acidentalmente por uma cortina grossa e, novamente, estava escondida com segurança. 

Jorge Martin acredita que os Estados Unidos mantiveram contatos estreitos com representantes de outras civilizações e a construção de bases militares americanas no território de Porto Rico foi um disfarce para as atividades de alienígenas.

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

alienígenasCarlos MercadoJorge MartinOVNI HojeOVNIsPorto RicoUFOs
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.