Anomalias a respeito da Lua que não podem ser ignoradas

Tempo de leitura: 4 min.

A cada noite, a Lua faz sua aparição majestosa. Sem esta esfera luminosa, nosso planeta seria um lugar muito diferente. Ela é responsável pelas marés, estações, temperaturas do oceano e pela própria rotação da Terra. Tanto os humanos quanto os animais são afetados pela presença lunar.

Superfície lunar com a Terra “nascendo” no horizonte. Crédito: NASA

Os cientistas têm teorias diferentes sobre as origens do objeto planetário, mas tudo continua sendo mera especulação. Alguns pesquisadores discordam das hipóteses atuais e propõem uma conclusão intrigante. Eles argumentam que a Lua é um satélite artificial colocado intencionalmente em órbita por extraterrestres avançados. 

“A Lua é maior do que deveria ser, aparentemente mais velha do que deveria e muito mais leve em massa do que deveria ser. Ela ocupa uma órbita improvável e é tão extraordinária que todas as explicações existentes para sua presença estão repletas de dificuldades e nenhuma delas poderia ser considerada remotamente estanque ”.

-Alan Butler, em “Quem Construiu a Lua?”

Conhecimento sobre a Lua ao longo da história

Embora a noção de que a Lua é um corpo celestial sintético possa parecer inimaginável, isto tem sido discutida há milhares de anos. Nossos ancestrais, que não tinham contato uns com os outros, todos compartilharam histórias quase idênticas sobre um “tempo antes da Lua”. Os filósofos gregos Aristóteles e Plutarco referiram a uma época em que o orbe astronômico não existia. Na África, as lendas Zulu narram como o planetóide era semelhante a um ovo sem a gema. Certas tribos de índios americanos  acreditavam que esse holofote noturno foi trazido aqui por seres alienígenas avançados. Os indígenas colombianos relataram uma civilização pré-lunar em seus escritos. Todos esses grupos diversos descrevem um terrível cataclismo após a chegada da Lua. Mortes generalizadas reduziram a população a uma única raça.

A ciência moderna constatou que os humanos compartilham um ancestral comum: a Eva mitocondrial. Poderia ser plausível que as fábulas antigas sejam de fato o conhecimento de eventos há muito esquecidos?

Ela soou como um sino e emite estranhos sons

Antes dos empreendimentos cósmicos históricos da humanidade, a Apolo 10 viajou para o lado ocultoda Lua. Durante as transcrições de rádio, os astronautas contaram ter ouvido uma “música misteriosa do espaço sideral”. Tons eletromagnéticos bizarros semelhantes às frequências gravadas dentro dos anéis de Saturno eram claramente audíveis. Uma terrível orquestra de outro mundo cercou os ouvidos de cada viajante.

Representantes da NASA rapidamente descartaram a estranheza acústica e culparam as ondas de rádio de interferir no campo magnético lunar. No entanto, seu argumento não é aplicável, pois o satélite não possui um campo magnético. 

A Apolo 12 pousou na Lua em novembro de 1969 e sua força intensa produziu um terremoto artificial. Dispositivos sísmicos registraram o impacto cobrindo uma faixa de 64 quilômetros. Surpreendentemente, a Lua soou como um sino por mais de trinta e cinco minutos. Autoridades aeroespaciais ficaram muito intrigadas com esse fenômeno.

Na missão seguinte, a equipe técnica decidiu enviar um foguete mais pesado e documentar os resultados. A Apolo 13 foi lançada e seu módulo atingiu o equivalente a onze toneladas de TNT. Por três horas, a Lua reverberou com sons semelhantes a um enorme gongo. Essa acústica seria fisicamente impossível para uma massa sólida produzir.

Profundidades anômalas de crateras e composição metalúrgica não natural

A companheira da Terra está carregada com milhões de crateras em diâmetros variados. O tamanho e a força do impacto determinam o quão grande ou pequeno será o recuo. Com uma gama tão ampla de largura, seria de se esperar ver profundidades variadas. Surpreendentemente, todas as cavidades têm proporções incrivelmente rasas , como se uma barreira metálica protetora estivesse protegendo o interior da Lua.

Outro fator assustador é sua composição química. Os astronautas tentaram perfurar várias crateras, mas mal conseguiram penetrar na superfície. Depois de várias tentativas mal sucedidas de perfuração, metalúrgicos realizaram testes extensivos nos materiais. A análise levou a uma conclusão surpreendente: os elementos não ocorriam naturalmente. Latão, titânio e mica constituem a esfera etérea – compostos frequentemente utilizados em projetos arquitetônicos.

Estruturas na superfície

Em 23 de novembro de 1966, uma sonda orbitadora tirou fotos da superfície lunar. Surpreendentemente, seis enormes estruturas megalíticas foram capturadas em filme. Foi uma descoberta inovadora que chegou à primeira página de jornais, incluindo o LA Times e o Washington Post. Os monólitos apresentam incrível precisão geométrica e ângulos retos não naturais. Os pesquisadores estimam que essas torres podem ser mais altas do que os arranha-céus encontrados na Terra.

O engenheiro espacial russo, Alexander Abramov, estudou essas imagens desconcertantes e observou que a disposição da torre correspondia com precisão às Grandes Pirâmides do Egito. A NASA afirmou que as anomalias arquitetônicas eram uma ilusão de ótica e recusou publicamente mais investigações. No entanto, anos depois, a Apolo 17 obteve fotos adicionais desses monumentos peculiares.

Por décadas antes, imagens de baixa qualidade da Lua circularam. As coisas mudaram em 1994 depois que Jose Escamilla coloriu várias fotos em preto e branco adquiridas por uma sonda. Com essa alteração, detalhes antes indecifráveis ​​tornaram-se aparentes. Através de sua edição, várias formações colossais tornaram-se distintamente visíveis. Estruturas foram descobertas na Lua que correspondiam de forma idêntica às Grandes Pirâmides do Egito.

Massa da Luz da Lua

Um aspecto particularmente intrigante da estranha rocha espacial é seu volume incrivelmente leve. Embora o satélite tenha um quarto do diâmetro da Terra, ela tem apenas 1,2% da massa. Quatro luas deveriam teoricamente ser equivalentes a uma Terra. Na realidade, seriam necessárias oitenta e uma luas para produzir a massa total do nosso mundo.

Dois cientistas russos, Mikhail Vasin e Alexander Shcherbakov, acharam esse fato mais do que perturbador. Em 1970, eles arriscaram suas carreiras inteiras quando publicaram um artigo intitulado “Seria a Lua a Criação de Inteligência Alienígena” (em tradução lire).

Depois de anos de exame, os dois homens concluíram que a Lua foi colocada em órbita há éons por seres sencientes atualmente desconhecidos pela sociedade. Em seus escritos, eles afirmam:

“Se a vida superior só se desenvolveu na Terra por que a Lua é exatamente o que é, e onde se encontra, torna-se irracional se apegar à ideia de que é um objeto natural?”

Componentes Matemáticos

O exame dos aspectos geométricos e matemáticos da Lua, do Sol e da Terra trazem revelações surpreendentes. Consequentemente, os números são tão assustadoramente precisos que começamos a refletir: poderia ocorrer por grande desígnio em vez de mera coincidência? Por exemplo, o Sol é 400 vezes maior que o diâmetro da Lua e 400 vezes mais longe da Terra. Por esse motivo, ambos parecem perfeitamente iguais em tamanho. Sem essa anomalia fenomenal, eclipses solares seriam inatingíveis. Nosso planeta gira 366 vezes ao orbitar o Sol, enquanto o Sol é 366% das circunferências polares da Lua. Em 10.000 dias, a Lua orbita a Terra 366 vezes. O perímetro da Lua totaliza 1.092  quilômetros e há 109,2 diâmetros da Terra ao longo do Sol. Quando o planeta está mais distante do Sol, existem 109,2 diâmetros do Sol entre o nosso mundo e a estrela de hidrogênio. A circunferência polar da Lua é de 27,3% do tamanho da circunferência polar da Terra. A cada 27,3 dias, a Lua orbitará a Terra e viajará 1.092 quilômetros no equador a cada 27,3 dias.

Comportamento estranho dos astronautas

O pouso na Lua foi uma das conquistas mais triunfantes da humanidade. Se tal feito aconteceu, seria possível imaginar um retorno comemorativo dos astronautas à Terra. No entanto, quando os astronautas voltaram à Terra, seus comportamentos eram incrivelmente sombrios. Durante uma entrevista, o grupo parecia desconfortavelmente tenso. Cada homem estava estranhamente hesitante e visivelmente desconfortável. Alguns levantam a hipótese de que é porque toda a sua visão de mundo acabou de ser drasticamente virada de cabeça para baixo.

Durante a primeira missão da Apolo para pousar na Lua, há dois minutos em que a câmera e o rádio apagam completamente. Neil Armstrong mudou para o canal médico e exclamou:

“Eles estão aqui … estão estacionados na lateral da cratera. Eles estão nos observando.”

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

anomalias na LuaLuaOVNI Hoje
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.