Pelo menos 70 planetas nômades são encontrados na Via Láctea

Tempo de leitura: 3 min.

Planetas nômades não seguem as regras. Esses flutuadores livres vagam pelo universo por conta própria, sem estarem vinculados a uma estrela hospedeira.

Cada um desses 115 círculos vermelhos aponta para a presença de um possível planeta flutuante. ESO/N. Risinger (skysurvey.org)

Os astrônomos sabem muito pouco sobre esses mundos rebeldes, mas uma descoberta recente pode ajudá-los a aprender mais sobre os planetas que flutuam livremente. Usando dados de vários telescópios em todo o mundo, uma equipe de astrônomos descobriu pelo menos 70 planetas desgarrados na Via Láctea, marcando o maior grupo de planetas deste tipo já encontrado.

Ao vasculhar o cosmos em busca de exoplanetas, os astrônomos esperam por um mergulho na luz de uma estrela que reflete quando um planeta está transitando ao redor dela.

A NASA lançou seu telescópio espacial Kepler em 2009 para encontrar planetas semelhantes à Terra orbitando estrelas diferentes. Mas em 2012, o telescópio avistou um objeto de massa planetária flutuando livremente a cerca de 100 anos-luz de distância da Terra.

O planeta CFBDSIR2149 foi a primeira descoberta de planetas nômades e sua proximidade ajudou os astrônomos a aprender mais sobre essas anomalias planetárias.

Planetas nômades, também conhecidos como planetas de flutuação livre, desgarrados ou órfãos, vagam pelo cosmos sem orbitar uma estrela. Em outubro de 2020, os astrônomos descobriram um mundo nômade do tamanho da Terra na galáxia, e alguns cientistas acreditam que esses planetas podem até mesmo ser capazes de hospedar vida, apesar de todas as probabilidades.

Pode haver uma abundância de planetas desgarrados na Via Láctea, mas esses planetas nômades são difíceis de encontrar, pois eles praticamente não emitem luz e não transitam na frente de uma estrela de nossa visão na Terra.

Em vez disso, os astrônomos geralmente descobrem planetas nômades por meio de microlentes. Este método usa um objeto no fundo como uma lente de aumento quando um objeto em primeiro plano se move na frente dele, dobrando a luz de uma forma que pode revelar a massa de um planeta.

A equipe por trás da recente descoberta usou dados de 20 anos de vários telescópios terrestres e espaciais, incluindo o Very Large Telescope do Observatório Espacial Europeu no Chile e o satélite Gaia da Agência Espacial Européia, combinados com dezenas de milhares de imagens de telescópios de campo amplo.

Eles observaram o movimento e a luminosidade de milhões de fontes que apareceram nos dados.

Os pesquisadores encontraram pelo menos 70 planetas nômades e até 170 planetas candidatos. A equipe encontrou esses flutuadores livres em uma região de formação de estrelas próxima ao Sol, localizada dentro das constelações de Scorpius e Ophiuchus.

Núria Miret-Roig, astrônoma do Laboratoire d’Astrophysique de Bordeaux, França e da Universidade de Viena, Áustria, e principal autora do novo estudo, disse em um comunicado:

“Não sabíamos quantos esperar e estamos entusiasmados por termos encontrado tantos.”

A recente descoberta sugere que pode haver muito mais desses planetas vagando pela galáxia. No entanto, os cientistas ainda não têm certeza de sua origem.

Planetas nômades podem ter se formado da mesma forma que as estrelas – a partir de uma nuvem de gás e poeira – e simplesmente existirem por conta própria, ou podem ter feito parte de um sistema estelar antes de serem ejetados.

Sem uma estrela para orbitar, esses planetas seguem seus negócios de forma independente, orbitando ao redor do centro de uma galáxia da mesma forma que as estrelas.

A equipe espera que, ao estudar o grande grupo de planetas invasores, eles sejam capazes de identificar suas origens e como esses planetas se formaram e evoluíram.

Eles têm esperanças no futuro Extremely Large Telescope (ELT) do ESO, que está atualmente em construção no deserto do Atacama no Chile e deve iniciar as observações no final desta década.

Hervé Bouy, astrônomo do Laboratoire d’Astrophysique de Bordeaux, França, e líder do projeto da nova pesquisa, disse em um comunicado:

“Esses objetos são extremamente fracos e pouco pode ser feito para estudá-los com as instalações atuais. O ELT será absolutamente crucial para reunir mais informações sobre a maioria dos planetas nômades que encontramos.”

O futuro Telescópio Espacial Nancy Grace Roman da NASA, com lançamento previsto para 2027, também será equipado com as ferramentas adequadas para procurar por esses flutuadores livres.

(Fonte)


Há pouco tempo, os cientistas nem mesmo tinham prova concreta de que as estrelas eram orbitadas por planetas. Hoje, encontram planetas até mesmo desgarrados e independentes de estrelas. E, quero acreditar, muitos desses planetas podem até mesmo abrigar algum tipo de vida, talvez até muito diferente daquela que conhecemos.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

astronomiaexoplanetasOVNI Hojeplanetas nômadesVia Láctea
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.