Vênus pode ter “formas de vida diferentes de tudo que já vimos”

Tempo de leitura: 3 min.

Em novo estudo, pesquisadores descobriram que pode haver formas de vida em potencial – “muito diferentes de tudo que já vimos” – produzindo amônia nas nuvens de Vênus.

Representação artística de como seriam as nuvem de Vênus, que podem estar repletas de vida microbiana ou até mesmo maior.

O gás incolor, um composto de nitrogênio e hidrogênio, pode ser um indicativo de reações químicas que tornariam o planeta – 47,34 milhões de quilômetros da Terra – mais habitável para a vida alienígena.

Em nosso planeta, a amônia é um resíduo comum de organismos aquáticos. Sua presença na atmosfera superior de Vênus tem confundido os astrônomos desde 1970 – com os cientistas acreditando que ela não deveria ser produzida por nenhuma força conhecida no mundo.

Vênus em si é tão quente que é inconcebível ter formas de vida, e se há vida nas nuvens é provável que sejam micróbios como as bactérias da Terra – embora com uma composição química diferente da que vimos em nosso planeta, ou mesmo em planetas vizinhos como Marte.

Isso ocorre porque a vida em Marte tem mais probabilidade de ser semelhante à da Terra e, portanto, os cientistas têm uma ideia maior do que esperar. Vênus, em contraste, é diferente de qualquer outro planeta do sistema solar.

No novo estudo, pesquisadores da Cardiff University, MIT e Cambridge University modelaram um conjunto de processos químicos para mostrar que, se a amônia estiver realmente presente, ela desencadearia uma cascata de reações químicas que neutralizariam as gotas circundantes de ácido sulfúrico.

Se isso acontecesse, diminuiria a acidez das nuvens de -11 para zero; na escala de pH isso permanece incrivelmente ácido, mas estaria em um nível que a vida poderia tolerar. Na Terra, existem formas de vida que produzem amônia para neutralizar seu ambiente desafiador.

O co-autor do estudo, Dr. William Bains, da Escola de Física e Astronomia da Universidade de Cardiff, informou:

“Sabemos que a vida pode crescer em ambientes ácidos na Terra, mas nada tão ácido quanto se acreditava que as nuvens de Vênus fossem. Mas se algo está produzindo amônia nas nuvens, isso neutralizará algumas das gotículas, tornando-as potencialmente mais habitáveis.”

Os cientistas vão tão longe para propor que a explicação mais plausível é que a origem da amônia é biológica, ao invés de forças naturais, como raios ou erupções vulcânicas.

A co-autora do estudo, Professora Sara Seager, do Departamento de Ciências da Terra, Atmosféricas e Planetárias (EAPS) do MIT, informou:

“A amônia não deveria estar em Vênus. Tem hidrogênio ligado a ela, e há muito pouco hidrogênio ao redor. Qualquer gás que não pertence ao contexto de seu ambiente é automaticamente suspeito de ser feito pela vida.”

Algumas assinaturas químicas nas nuvens ficaram sem explicação durante décadas: a presença de oxigênio; partículas não esféricas; e níveis inesperados de vapor d’água e dióxido de enxofre.

Pensou-se que isso poderia ser explicado pela poeira – talvez os minerais varridos da superfície de Vênus tenham feito seu caminho até as nuvens e interajam com o ácido sulfúrico. O problema, entretanto, era que a quantidade de poeira necessária para que isso fosse verdade era muito grande.

Se a vida produzisse amônia, entretanto, a reação química naturalmente produziria oxigênio. A amônia então se dissolvia no ácido, transformando-se de uma forma líquida e redonda em uma “pasta semelhante a um sal”.

Bains disse:

“Há muitos outros desafios a serem superados pela vida, se for para ela viver nas nuvens de Vênus. Para começar, quase não há água e toda a vida que conhecemos precisa de água. Mas, se houver vida, neutralizar o ácido tornará as nuvens um pouco mais habitáveis ​​do que pensávamos.”

As chances de vida estar presente em Vênus são muito pequenas, disse o Dr. Bains, que permanece cético de que esses problemas possam ser explicados como sendo extraterrestres. Isso pode vir, no entanto, da vasta disparidade que a vida em Vênus poderia ter em comparação com a vida na Terra, bem como da escala absoluta da possibilidade de vida alienígena.

Ele continuou:

“Dito isso, se houver uma pequena chance de haver vida lá, isso mudará a época e realmente vale a pena acompanhar”.

Em 2023, a missão Venus Life Finder será lançada para estudar partículas de nuvem, mas a detecção de vida alienígena levará tempo. Enviar hardware para Vênus é desafiador e caro, com o objetivo final de recuperar uma amostra que poderia conter vida e devolvê-la à Terra para um estudo muito maior do que aquele que poderia ser conduzido remotamente.

O Dr. Bains prevê que tal estudo – e amostragem – poderia acontecer antes do final da década, mas é mais provável que ocorra antes de 2040.

Esta não é a primeira vez que a descoberta de uma substância química dá indícios de que pode haver vida extraterrestre em Vênus. Cientistas da Universidade de Cardiff também encontraram traços de fosfina, um gás raro e tóxico, na atmosfera.

Muito parecido com a amônia, a fosfina é uma bioassinatura forte.

Na época, Emily Drabek-Maunder, astrofísica do Observatório Real de Greenwich, disse:

“Ou a fosfina é produzida por algum tipo de processo químico ou geológico que ninguém conhece – ou pode haver uma razão biológica.”

(Fonte)


Logo teremos outros estudos desafiando esta descoberta, que na verdade já foi feita por outros cientistas no passado. Mas é assim que a ciência real funciona: para que tenha progresso, ela deve duvidar de suas próprias descobertas e continuar sendo testada até que provas incontestáveis sejam encontradas.

E é por isso que quando alguém me questiona quando duvido da ciência, eu respondo que não é ciência se não for duvidada e após ser devidamente testada por pares. Se algo nos é apresentado como ciência sem ter passado por este processo, então não é ciência, mas sim imposição – o que pode até mesmo ter finalidades sinistras.

E, por outro lado, é uma pena que muitos daqueles que se dizem cientistas somente duvidam e não se dão ao trabalho de testarem muitas coisas, como é com o caso com o fenômeno OVNI.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!
amônianuvens de VênusOVNI HojeVênusvida extraterrestre
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.