Explodir satélites de comando e controle nuclear causaria uma guerra nuclear

Tempo de leitura: 3 min.

Quando a Rússia explodiu um velho satélite com um novo míssil em 15 de novembro, ela criou uma nuvem de destroços em expansão que ameaçará o ambiente do espaço sideral nos próximos anos.

Crédito da ilustração: PIRO4D/Pixabay

Fragmentos hipersônicos da colisão com a arma anti-satélite lançada em solo de Moscou podem destruir outros satélites usados ​​para comunicações, meteorologia e agricultura.

Eles até representam um perigo para a Estação Espacial Tiangong da China e para a Estação Espacial Internacional, onde a equipe – incluindo os próprios cosmonautas da Rússia – foi forçado a vestir trajes espaciais e fugir para suas cápsulas de fuga antes de se aproximarem dos destroços.

Mas o maior perigo que essa manobra descuidada destacou é para um alvo potencial diferente: satélites de alta altitude usados ​​para comando e controle nuclear.

Esses satélites críticos enfrentam a ameaça de serem atacados por armas coorbitais anti-satélite, ou seja, outras espaçonaves com capacidade ofensiva.

Destruir um satélite de comando e controle nuclear, mesmo não intencionalmente, pode levar um conflito convencional a escalar para uma guerra nuclear. Como tal, os Estados Unidos, China e Rússia têm um interesse comum em garantir a segurança dos satélites de alta altitude uns dos outros.

Os satélites são parte integrante do sistema de comando e controle nuclear dos Estados Unidos. Eles seriam o meio preferido para transmitir uma ordem presidencial de uso de armas nucleares e forneceriam o primeiro aviso de um ataque nuclear próximo.

A Rússia usa satélites para fins semelhantes, mesmo que pareça não depender deles tanto quanto os Estados Unidos. Embora pouco seja conhecido publicamente sobre o sistema de comando e controle nuclear da China, o Departamento de Defesa dos EUA avaliou que a China está em processo de desenvolvimento de um sistema de alerta antecipado com base no espaço.

Os satélites de comando e controle nucleares mais importantes – aqueles para comunicações e alerta antecipado – estão localizados em órbitas de grande altitude. Felizmente, a maioria está instalada a cerca de 36.000 quilômetros acima do equador – muito acima dos destroços do teste de armas anti-satélite lançado pela Rússia em solo. Esses satélites, entretanto, estão ficando mais vulneráveis, particularmente às armas anti-satélite co-orbitais.

Os satélites nucleares de comando e controle podem ser atacados deliberadamente, como o prelúdio de uma guerra nuclear. Em um conflito convencional, se China, Rússia ou Estados Unidos decidissem usar armas nucleares primeiro – ou acreditassem que seu oponente estava prestes a fazer isso – eles poderiam tentar degradar o sistema de comando e controle nuclear do adversário preventivamente.

A China, por exemplo, pode atacar os satélites de alerta precoce dos EUA para enfraquecer as defesas antimísseis dos Estados Unidos. Por outro lado, os Estados Unidos podem ter como alvo os satélites de comunicação chineses para interferir na capacidade de Pequim de manejar suas forças nucleares.

No entanto, em uma guerra convencional, satélites de comando e controle nuclear podem ser atacados e ameaçados por razões totalmente diferentes – criando o risco de que uma guerra nuclear possa ser deflagrada inadvertidamente.

Os Estados Unidos, em particular, dependem profundamente de satélites para permitir as operações convencionais. Além disso, a maioria, senão todos, os satélites de comando e controle nuclear também apóiam missões não nucleares – tornando-os alvos tentadores, mesmo em um conflito puramente convencional.

Por exemplo, alguns satélites dos EUA transmitem ordens para as forças convencionais e nucleares dos EUA. A Rússia pode atacar esses satélites para tentar minar a capacidade dos Estados Unidos de conduzir uma guerra convencional, mas com o efeito adicional e não intencional de degradar o sistema de comando e controle nuclear dos EUA.

Washington teria dificuldade em determinar a intenção por trás de tais ataques. Ele poderia facilmente interpretá-los erroneamente como preparativos para uma guerra nuclear e responder de acordo. Washington poderia ameaçar usar armas nucleares, a menos que seu adversário recue.

Para piorar as coisas, talvez não sejam necessários ataques reais contra satélites de comando e controle nuclear para desencadear esse tipo de escalada. Os satélites em órbitas de alta altitude são movidos periodicamente para posições diferentes para otimizar seu desempenho.

Especialmente em um conflito convencional, uma operação de reposicionamento que levou uma espaçonave a se aproximar de um satélite de comando e controle nuclear pode parecer ao proprietário do último como o início de um ataque contra seu sistema de comando e controle nuclear. Mais uma vez, as consequências potenciais podem ser catastróficas.

“Zonas de afastamento” em torno de satélites de alta altitude seriam uma maneira direta de mitigar esses riscos. Especificamente, os Estados Unidos, a China e a Rússia devem concordar em não manobrar suas espaçonaves dentro de uma certa distância – propomos 700 quilômetros – dos satélites de alta altitude uns dos outros.

Exceções podem ser feitas para acomodar o reposicionamento ocasional sob condições rigidamente controladas. Mais importante ainda, o estado que conduz a manobra deve avisar os outros com pelo menos 24 horas de antecedência.

Em um conflito, se os beligerantes não tivessem a intenção de atacar os satélites de alta altitude uns dos outros, eles teriam fortes razões de interesse próprio para respeitar as zonas de exclusão.

Se um estado tentasse lançar tais ataques, as zonas de exclusão não poderiam impedi-lo de fazê-lo, mas ganhariam tempo que o estado visado poderia usar para tentar escapar do ataque.

Negociar zonas de isolamento durante um conflito, quando seriam mais úteis, seria quase impossível. Portanto, Washington, Pequim e Moscou não deveriam esperar – eles deveriam começar a negociar imediatamente. [Defesa Um]

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

ChinaespaçoEUAguerra nuclearOVNI HojeRússiasatélites
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.