Professor de Stanford analisa materiais anômalos de acidentes com OVNIs

Tempo de leitura: 8 min.

O Dr. Garry Nolan é professor de patologia na Universidade de Stanford. Sua pesquisa varia de câncer a imunologia de sistemas. O Dr. Nolan também passou os últimos dez anos trabalhando com vários indivíduos, analisando materiais do alegado Fenômeno Aéreo Não Identificado (OVNIs).

Professor Gary Nolan. Universidade Stanford.

Seu currículo robusto – 300 artigos de pesquisa, 40 patentes nos Estados Unidos, fundação de oito empresas de biotecnologia e homenageado como um dos 25 maiores inventores de Stanford – o torna, facilmente, um dos cientistas mais talentosos que estudam publicamente os OVNIs.

O site Motherboard conversou com Garry para discutir seu trabalho. A transcrição abaixo foi editada em termos de comprimento e clareza:

MOTHERBOARD: Há quanto tempo você se interessa por OVNIs?


Dr. Garry Nolan: Sempre fui um leitor ávido de ficção científica, então foi natural em algum momento que, quando os vídeos do YouTube sobre OVNIs começaram a circular, eu pudesse assistir alguns. Percebi que esse cara na época, Steven Greer, alegou que um pequeno esqueleto pode ser um alienígena. Lembro-me de ter pensado: ‘Oh, posso provar ou contestar isso’. E então eu estendi a mão para ele. Acabei mostrando que não era um alienígena, era humano. Explicamos bastante sobre porque parecia ser assim. Ele tinha uma série de mutações em genes do esqueleto que poderiam explicar a biologia. A comunidade OVNI não gostou que eu disse isso. Mas você sabe, a verdade está na ciência. Então, eu não tive nenhum problema apenas em expor os fatos. Publicamos um artigo e acabou indo para o mundo todo. Esteve na primeira página de quase todos os jornais importantes. O que é mais atraente ou indutor de cliques do que ‘Professor de Stanford sequencia bebê alienígena’?

Isso acabou chamando a atenção de algumas pessoas ligadas à CIA e de algumas corporações aeronáuticas. Na época, eles estavam investigando uma série de casos de pilotos que chegaram perto de supostos OVNIs e dos campos gerados por eles, conforme alegado pelas pessoas que apareceram em meu escritório um dia sem avisar. Havia drama suficiente em torno do esqueleto do Atacama, que basicamente decidi renunciar a todo envolvimento continuado nesta área. Então, esses caras apareceram e disseram: ‘Precisamos de sua ajuda porque queremos fazer análises de sangue e todo mundo diz que você tem o melhor instrumental de análise de sangue do planeta.’ Então eles começaram a mostrar as ressonâncias magnéticas de alguns desses pilotos e pessoal de solo e agentes de inteligência que haviam sido danificados. As ressonâncias magnéticas foram claras. Você nem mesmo precisava ser um médico para ver que havia um problema. Alguns de seus cérebros foram terrivelmente danificados. E foi isso que me envolveu.

O Departamento de Patologia de Stanford tem um histórico de fazer piadas sobre você?

Achei que fosse uma brincadeira de mau gosto no começo. Mas não, ninguém estava brincando. E só como um aparte, a escola é totalmente favorável e sempre foi do trabalho que tenho feito. Quando a coisa do Atacama atingiu o ventilador, eles intervieram e me ajudaram a lidar com as questões de relações públicas em torno disso.

Você pode mencionar quais pessoas de quais departamentos governamentais, exceto a aeronáutica, o abordaram?

Não, eu não posso.

Você pode descrever os efeitos mais anômalos no cérebro que observou com as ressonâncias magnéticas?

Se você já olhou para uma ressonância magnética de alguém com esclerose múltipla, existe uma coisa chamada doença da substância branca. É uma cicatriz. É uma grande mancha branca, ou várias manchas brancas, espalhadas por toda a ressonância magnética. É essencialmente tecido morto onde o sistema imunológico atacou o cérebro. Essa é provavelmente a coisa mais próxima que você poderia chegar se quisesse ver um instantâneo de um desses indivíduos. Você pode ver rapidamente que há algo errado.

Esquerda – cérebro normal; Direita – Lesão e doença resultante da substância branca. Foto: Anônimo.

Quantos pacientes você olhou nessa primeira fase?

Foram cerca de 100 pacientes. Quase todos eram funcionários da defesa ou do governo, ou pessoas que trabalhavam na indústria aeroespacial; pessoas que fazem trabalhos de nível governamental.

Funciona assim: digamos que um funcionário do Departamento de Defesa seja danificado ou ferido. Casos estranhos sobem na cadeia de comando, pelo menos dentro do ramo médico. Se ninguém souber o que fazer com isso, vai para a chamada mesa esquisita, onde as coisas são jogadas em um balde. Então, alguém finalmente diz: “Há coisas interessantes o suficiente neste balde que vale a pena acompanhar, pois todas parecem razoavelmente semelhantes.”

A ciência funciona comparando coisas que são semelhantes e diferentes a outras coisas. Um número suficiente de pessoas estava tendo tipos muito semelhantes de coisas ruins acontecendo com elas, que isso chamou a atenção de um cara chamado Dr. Kit Green. Ele estava encarregado de estudar alguns desses indivíduos. Você tem uma miscelânea de pacientes, alguns dos quais ouviram ruídos estranhos zumbindo em suas cabeças, ficaram doentes, etc. Um subconjunto razoável deles afirmou ter visto OVNIs e alguns afirmaram estar perto de coisas que os deixaram doentes. Deixe-me mostrar as ressonâncias magnéticas dos cérebros de algumas dessas pessoas.

Hipermorfism na cabeça no caudado – putâmen. Foto: Garry Nolan.

Começamos a notar que havia semelhanças no que pensávamos ser o dano entre vários indivíduos. Quando olhamos mais de perto, no entanto, percebemos, bem, que não pode ser danificado, porque fica bem no meio dos gânglios da base [um grupo de núcleos responsáveis ​​pelo controle motor e outras funções cerebrais essenciais]. Se essas estruturas fossem gravemente danificadas, essas pessoas estariam mortas. Foi quando percebemos que essas pessoas não estavam danificadas, mas tinham uma superconexão de neurônios entre a cabeça do caudado e o putâmen [o núcleo caudado desempenha um papel crítico em várias funções neurológicas superiores; o putâmen influencia o planejamento, aprendizagem e execução motora]. Se você olhasse para 100 pessoas comuns, não veria esse tipo de densidade. Mas esses indivíduos tinham. Uma questão em aberto é: entrar em contato com seja lá o que for causou isso ou não?

Para alguns desses indivíduos, fizemos ressonâncias magnéticas de anos anteriores. Eles tinham antes desses incidentes. Era bastante óbvio, então, que isso era algo com que as pessoas nasceram. É um dispositivo de planejamento de definição de sub-metas, é chamado de cérebro dentro do cérebro. É uma coisa extraordinária. Essa área do cérebro está envolvida (parcialmente) no que chamamos de intuição. Por exemplo, os jogadores de xadrez japoneses foram medidos enquanto tomavam o que seria interpretado como uma decisão brilhante que não é óbvia para ninguém ter dado esse tipo de salto de intuição; essa área do cérebro se ilumina. Tínhamos encontrado pessoas que tinham isso de sobra. Todas essas pessoas são chamadas de pessoas de alto funcionamento. Eles são pilotos que estão tomando decisões em frações de segundo, oficiais de inteligência em campo, etc.

Todo mundo tem essa região de conectividade em geral, mas vamos dizer para a pessoa média que o nível de densidade é 1x. A maioria das pessoas no estudo tinha 5x a 10x e até 15x, a densidade normal nesta região. Neste caso, estamos especulando que a densidade implica algum tipo de função neuronal.

As pessoas que alegaram ter tido um encontro, especialmente os pilotos, descreveram alguma diminuição perceptível na capacidade neurológica?

Dos cerca de 100 pacientes que examinamos, cerca de um quarto deles morreu devido aos ferimentos. A maioria desses pacientes tinha sintomatologia basicamente idêntica ao que hoje é chamado de síndrome de Havana.

Pensamos que, nessa lista de casos, tivemos os primeiros pacientes com a síndrome de Havana. Uma vez que isso se transformou em um problema de segurança nacional com a síndrome de Havana, meu acesso aos arquivos foi bloqueado, porque agora é um sério incidente internacional em potencial, se é que algum dia eles descobrirão quem está causando isso.

Isso ainda deixou indivíduos que viram OVNIs. Eles não tinham a síndrome de Havana. Eles tinham uma miscelânea de outros sintomas.

Como o impacto das frequências eletromagnéticas influencia suas hipóteses sobre o que exatamente aconteceu aqui?

Com um dos pacientes, aconteceu no Skinwalker Ranch. Dado o quão profundo o dano foi para o cérebro deles, podemos realmente estimar a quantidade de energia necessária na onda eletromagnética que alguém apontou para eles. Não achamos que tenha algo a ver com OVNIs. Achamos que é algum tipo de ator estatal e de alguma forma relacionado à síndrome de Havana.

Além de ressonâncias magnéticas, quais tecnologias você estava usando para analisar os pacientes?

Fizemos uma avaliação psicológica profunda de todas essas pessoas, apenas para ter certeza de que estavam estáveis ​​e de que não estávamos lidando com indivíduos obviamente delirantes.

Meu papel no projeto inicial foi a análise de sangue, usando um dispositivo chamado CyTOF, que era algo no qual eu estava envolvido no desenvolvimento. O problema é que não podíamos realmente concluir muito porque muitos dos casos aconteceram anos antes de eu acabar pegando o sangue. Com uma lesão aguda observada em alguma assinatura reveladora, precisamos coletar dentro de quatro ou cinco dias ou algumas semanas, mas o sangue de um indivíduo alguns anos depois não será útil. O que eu disse ao pessoal do governo é que preciso ter acesso ao sangue deles enquanto o caso ainda está agudo.

Existe alguma coisa feita pelo homem que possa ter esse impacto no cérebro?

A única coisa que posso imaginar é que você está perto de um transformador elétrico que está emitindo tanta energia que você basicamente está se queimando dentro do seu corpo.

Você está simplesmente tentando documentar o que vê? Ou você também está procurando uma causa?

Sim, é meio natural que a ciência seja feita. Primeiro você cataloga, depois organiza e depois fala: bom, isso é parecido com aquilo e essa outra coisa é parecido com aquilo, mas por que essa outra coisa é diferente? E então, se você tem dados suficientes, começa a procurar as causas. Faço isso todos os dias com nosso trabalho de câncer. Sempre tentamos levantar hipóteses de por que algo é.

As hipóteses são inúmeras – não são prova de nada. Portanto, tenho o cuidado de NÃO chegar a uma conclusão prematura, porque você só precisa de uma refutação para minar uma hipótese. É disso que estou tentando ficar longe. Tenho meus pensamentos privados sobre o que penso que está acontecendo, e alguns deles estou muito, muito certo. Estou aberto a estar errado. Exceto na maioria das vezes, eu sei que provavelmente estou certo.

Você também analisou materiais inanimados como supostos fragmentos de OVNIs…

Você provavelmente já ouviu falar de Jacques Vallée, Kit Green, Eric Davis e Colm Kelleher. Todos os caminhos levam a eles quando se trata de OVNIs. Eu basicamente me tornei amigo de todo aquele grupo; eles o chamam de “A Faculdade Invisível”. Quando eles descobriram alguns dos instrumentos que eu havia desenvolvido, usando espectrometria de massa, eles perguntaram se eu poderia analisar o material OVNI e dizer-lhes algo sobre isso. Isso levou ao desenvolvimento de um roteiro de como analisar essas coisas.

Alguns dos objetos são indefinidos e apenas pedaços de metal. Principalmente, não há nada de incomum neles, exceto que em todos os lugares que você olha no metal, a composição é diferente, o que é estranho. É o que chamamos de heterogêneo. Essa é uma maneira elegante de dizer ‘incompletamente misturado’. O que é comum em todos os materiais que examinei até agora, e há cerca de uma dúzia; é que quase nenhum deles é uniforme. São todas essas misturas confusas. Cada caso individual será composto por um conjunto semelhante de elementos, mas eles serão heterogêneos.

Um dos materiais do chamado evento Ubatuba [evento OVNI no Brasil] alterou extraordinariamente as relações isotópicas do magnésio. Foi interessante porque outra peça do mesmo evento foi analisada no mesmo instrumento ao mesmo tempo. Este é um instrumento extraordinariamente sensível denominado nanoSIMS – Secondary Ion Mass Spec. Ele tinha razões de isótopos perfeitamente corretas para o que você esperaria de magnésio encontrado em qualquer lugar da Terra. Enquanto isso, o outro estava bem longe. Como 30 por cento fora das proporções.

O problema é que não há um bom motivo para os humanos alterarem as proporções isotópicas de um metal simples como o magnésio. Não há propriedades diferentes dos diferentes isótopos que ninguém, pelo menos em qualquer literatura que é pública das centenas de milhares de artigos publicados, diga que é por isso que você faria isso. Agora você pode fazer isso. É um pouco caro de fazer, mas você não teria motivo para fazê-lo.

Quero dizer, vamos pensar sobre como as pessoas usam os isótopos hoje. Na maioria das vezes, os humanos usam isótopos para explodir coisas – urânio ou plutônio – ou para envenenar alguém, ou usados ​​como traçador para matar o câncer. Mas esses são casos muito, muito específicos. Quase sempre usamos apenas isótopos radioativos. Nós nunca mudamos as razões de isótopos de isótopos estáveis, exceto talvez como um traçador. O que isso significa é que se você encontrar um metal em que as taxas de isótopos são alteradas muito além do que é normalmente encontrado na natureza, então esse material provavelmente foi projetado – o material está a jusante de um processo que causou sua alteração. Alguém fez isso. As perguntas são quem … e por quê?

Amostras de materiais de Ubatuba. Crédito: Garry Nolan

Então, agora, vamos dar uma olhada no que esses materiais alegam ser. Em quase todos os casos, esses são os restos de algum tipo de processo que esses objetos cuspem. Então você vai olhar para os casos em que o metal derretido cai desses objetos. Por que 30 libras de um metal derretido cairiam de um objeto voador?

Quais são as circunstâncias em alguns desses casos? Por exemplo, em alguns casos, as testemunhas afirmam que os objetos observados pareciam instáveis ​​ou em algum tipo de perigo. Então, ele cospe ‘um monte de coisas’. Então o objeto parece estar estável e se move. Parece que se consertou sozinho. Uma hipótese seria que o material que ele descarrega faz parte do mecanismo que o objeto usa para se mover e, quando as coisas saem do lugar, o objeto tem que descarregá-lo. Ele simplesmente joga essas coisas no chão, como se fosse o escapamento.

Isso levanta a questão (novamente presumindo que as coisas são reais): para que eles estão usando isso? Se houver razões de isótopos alteradas, eles estão usando as razões de isótopos alteradas? As relações alteradas são o resultado do mecanismo de propulsão? Novamente, pura especulação: quando as proporções ficam tão fora de sintonia, eles têm que descarregar porque não é mais útil na propulsão?

Pessoas mais inteligentes do que eu encontrarão motivos melhores – mas essa é a graça da ciência. Os dados estão aí … a explicação não.

Quantos objetos você verificou que não estão de acordo com nossas regras?

Dos 10 ou 12 que examinei, dois parecem não estar jogando de acordo com nossas regras. Isso não significa que eles estão levitando na minha mesa ou qualquer coisa assim. Apenas significa que eles alteraram as relações de isótopos.

Você já usou um dispositivo de interferência superquântica?

Provavelmente estaremos usando SQUIDs em um novo dispositivo que pode determinar a estrutura atômica de qualquer coisa, em uma resolução sub-angstrom. Não há nenhum dispositivo no mundo que possa fazer isso hoje, especialmente de um objeto amorfo. Podemos fazer cristais, podemos fazer pequenos pedaços de biologia com o que é chamado crio-EM. Mas este dispositivo substitui todos eles. Estou conversando com o governo sobre a construção disso.

Os dispositivos e métodos que você tem à sua disposição para poder analisar este material são suficientes? Em um mundo perfeito, o que você gostaria de ver?

Dependendo da profundidade que você deseja ir, cada análise custa entre US $ 10.000 e US $ 20.000. Isso diz o que são os átomos, quais são as razões de isótopos, qualidade cristalina – muitas coisas que são uma espécie de análise de materiais padrão. O objetivo de fazer isso, porém, é descobrir para que foi usado. Para fazer isso, eventualmente, você precisa descer ao nível atômico.

Digamos que não tivéssemos transistores hoje e um desses objetos deixou cair um grande pedaço de germânio dopado com outros elementos, ou, você sabe, esses pequenos transistores. Não teríamos a menor ideia da função e perguntaríamos ‘por que alguém colocaria arranjos de germânio com essas estranhas impurezas … o que é isso?’

Qualquer pessoa que esteja desenvolvendo materiais de engenharia hoje em dia para fazer qualquer tipo de eletrônica avançada e fotônica entende que onde os átomos estão na estrutura é importante. Existe uma coisa que é frequentemente usada em biologia chamada de relação estrutura-função. A estrutura define a função. Às vezes, basta ver a estrutura para entender a função. Posso olhar para um coração e observar um pouco como ele se move e entender sua função. Posso olhar os tubos em suas veias e dizer que essa função é transportar sangue. Ao observarmos a estrutura das células, quando vemos a estrutura de uma proteína, podemos ter uma noção de como ela está operando.

Então é disso que se trata. A próxima fronteira de estudo de materiais é atômica. Se você quer entender algo muito avançado, é melhor ter algo assim no bolso de trás.

(Fonte)

Colaboração: Edmar M. da Silva


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

Participe dos comentários mais abaixo… e (importante) se puder, colabore na manutenção do OVNI Hoje utilizando o QR code do PIX abaixo, ou use a chave PIX “OVNIHoje” (sem as aspas):

Agradecimentos aos colaboradores dos últimos meses: Edward de Lima, José de Castro, Teogenis de Oliveira, Egídia dos Santos, Silas Raposo, Reinaldo Galhardo, Luiz Buria, Silas Raposo, Maria Dorotea Soares..

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

Garry NolanOVNI HojeOVNIsPrincetonubatubaUFOs
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.