Lua de Júpiter se torna novo alvo da NASA na procura de vida extraterrestre

Tempo de leitura: 2 min.

A caça à vida extraterrestre da NASA tem um novo alvo, a lua gelada de Júpiter, Europa. De acordo com os pesquisadores envolvidos, uma nova missão dedicada examinará quilômetros abaixo da superfície gelada de Europa para determinar se o mar de água escondido embaixo é capaz de sustentar a vida como a conhecemos.

Crédito da imagem ilustrativa: pixabay

Esta mesma missão também irá procurar por colunas de água como as encontradas na lua Encélado de Saturno, o que poderia fornecer a missões futuras um meio de coletar amostras potencialmente contendo vida.

Em 2005, a NASA divulgou as primeiras imagens da lua Encélado de Saturno, incluindo sua agora famosa coluna de vapor d’água que pulveriza um fluxo contínuo quilômetros acima da superfície daquela lua. Basicamente do tamanho do estado do Texas, esta lua gelada é coberta por uma casca de gelo, mas tem água líquida por baixo. Devido às pressões da gravidade e outras forças, essa água é continuamente liberada no espaço, criando a coluna reveladora.

De acordo com o comunicado de imprensa anunciando esta última missão, “a coluna [de vapor] também empurrou Encélado e outros mundos no sistema solar externo, sem atmosferas e longe do calor do Sol, para o topo da lista da NASA de lugares para procurar sinais de vida“.

Isso inclui Europa, que é semelhante a Encélado, pois tem uma superfície gelada e água líquida por baixo. Mas é aí que a maioria das comparações param.

Por exemplo, Europa é muito maior, quase do mesmo tamanho que a Lua da Terra e, portanto, provavelmente experimenta os efeitos de placas tectônicas. Os biólogos da Terra acreditam que as placas tectônicas contribuem para o fluxo de nutrientes e outros minerais que sustentam a vida por toda a biosfera, e os astrobiólogos acreditam que esse mesmo mecanismo pode estar funcionando em Europa.

Análise: Europa Clipper na caça à habitabilidade

O comunicado de imprensa informa:

“Prevista para ser lançada em 2024, a espaçonave Europa Clipper da NASA estudará aquela lua desde o interior até a superfície para determinar se ela possui ingredientes que a tornam um lar viável para a vida.”

Atualmente, os pesquisadores acreditam que Europa tem um oceano de água salgada muito mais profundo do que Encélado, talvez até 40 a 160 quilômetros de profundidade. Este número por si só significaria que a lua gelada contém duas vezes mais água do mar do que os oceanos da Terra. E dado o calor extra gerado por sua proximidade com Júpiter, isso também significa que há uma possibilidade distinta de que o fundo deste oceano contenha fontes hidrotermais. Na Terra, numerosas formas de vida prosperam em torno dessas aberturas sem a necessidade de luz solar.

Prevista para chegar à órbita da lua Europa em 2031, a missão não foi projetada especificamente para caçar a vida. No entanto, se encontrar um ambiente habitável, bem como evidências de colunas de gelo semelhantes às encontradas em Encélado, sem dúvida será um alvo tentador para futuras missões em busca de sinais de vida microbiana dentro dessas colunas.

Shawn Brooks do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA no sul da Califórnia, e que é membro da equipe de ciência Europa Clipper do Espectrógrafo Ultravioleta (Europa-UVS), disse:

“Tudo se resume a saber se Europa é habitável, e isso se resume a ter alguma compreensão do que está acontecendo abaixo da superfície, que ainda não podemos alcançar. ”

Perspectiva: em 2031 a caça começa

No final, a equipe designada para a missão Europa Clipper sabe que as colunas de vapor podem nem existir, mas também sabe por experiência que está preparada para o que não pretende encontrar.

Matthew McKay Hedman, membro da equipe científica do Espectrômetro de Imagem de Mapeamento para Europa (MISE) do Europa Clipper e professor associado do Departamento de Física da Universidade de Idaho, disse:

“Eu suspeito que Europa está ativa e deixando escapar algum material. Mas espero que, quando realmente conseguirmos entender como isso está acontecendo, não será o que todos esperavam.”

Lynnae Quick, do Goddard Space Flight Center da NASA, e membro da equipe científica por trás das câmeras do Europa Clipper Imaging System (EIS).

“Muitas pessoas pensam que Europa será o Encélado 2.0, com colunas constantemente borrifando da superfície. Mas não podemos olhar dessa maneira; Europa é uma besta totalmente diferente. ”

(Fonte)


E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO… e (importante) se puder, ajude na manutenção do OVNI Hoje utilizando o QR code do PIX abaixo:

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

astronomiaEuropa Clipperlua de JúpiterNASAOVNI Hoje
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.