Cercado, por todos os lados o Pentágono perderá sua batalha de OVNIs

Tempo de leitura: 5 min.

Na semana passada, o Departamento de Defesa (DoD) decidiu estabelecer um novo Escritório/ Grupo para substituir a Força-Tarefa de Fenômenos Aéreos Não Identificados da Marinha dos EUA (de sigla em inglês, UAPTF). O Escritório é denominado Grupo de Gerenciamento de Identificação e Sincronização de Objetos Aerotransportados (de sigla em inglês, AOIMSG) – sigla não exatamente fácil de lembrar. Dica – isto é de propósito.

A ação do Departamento de Defesa (DoD) veio com o apoio de dois membros seniores da administração, Avril Haines (Diretora de Inteligência Nacional) e Kathleen Hicks (Secretária Adjunta de Defesa).

Não cheira muito bem. O DoD pode gritar que estava simplesmente respondendo à Avaliação Preliminar da UAPTF de junho e ao memorando subsequente de Hicks. Mas fez isso com o pleno conhecimento de que a emenda Gillibrand-Rubio do Senado (ao NDAA 2022) era uma versão muito superior do AOIMSG.

Além disso, a versão do Senado inclui transparência pública e do Congresso e a inclusão de uma ponte para a comunidade científica.

O escritório proposto pelo Senado é denominado Escritório de Anomalia, Vigilância, Rastreamento e Resolução (ou, de sigla em inglês, ASTRO) – um nome muito mais digerível, perfeito para discurso público e transparência.

O AOIMSG, apoiado por Hicks e Haines, contrasta fortemente com a agenda de confiança e transparência da Casa Branca. Isso ocorre em um momento em que o tópico OVNI é de importância para a segurança nacional e despertou a imaginação do público.

AOIMSG é um aborrecimento antidemocrático e embaraçoso, que cheira a segredo e status quo ineficaz.

É um grande passo em falso do DoD, Haines e Hicks. Na verdade, vai contra os desejos de transparência do Congresso de alguns dos políticos mais poderosos do país, que representam ambos os partidos.

O vice-presidente do Comitê de Inteligência do Senado, Marco Rubio (republicano), comentou anteriormente como ele e alguns de seus colegas estão muito interessados ​​no assunto e querem saber o que está sobrevoando as instalações militares mais sensíveis dos Estados Unidos, sejam terrestres ou algo mais.

A senadora Gillibrand (democrata), que a julgar por seus comentários anteriores, deve se opor significativamente à nova criação do DoD, declarou recentemente:

“Não ter supervisão ou responsabilidade até agora para mim é inaceitável.”

Esse sentimento foi refletido na Emenda Gillibrand-Rubio, que veria quatro comitês chave do Senado e seus equivalentes na Câmara (incluindo dotações) sendo informados duas vezes por ano sobre os OVNIs. Portanto, o DoD seria responsabilizado por suas ações e qualquer falta de cooperação dentro de suas agências associadas.

Aspectos alarmantes do escritório OVNI do DoD

O AOIMSG não teria (em nosso entendimento) supervisão do Congresso e não incluiria relatórios públicos não classificados, ao contrário do ASTRO.

Isso levanta a questão: por que diabos o DoD não gostaria de informar os políticos e fornecer transparência pública sobre este tópico? O que eles estão tentando esconder?

É uma imagem alarmante. Se isso (como alguns especulam) reflete a tecnologia russa ou chinesa, então os comitês, incluindo Relações Exteriores, Serviços Armados e Inteligência não deveriam ter acesso às informações, para que as decisões necessárias possam ser tomadas?

Há ZERO chance de que senadores e representantes reajam positivamente ao AOIMSG do DoD. Alguém se pergunta se os políticos foram informados pelo DoD antes deste anunciar seu novo Gabinete?

Nos últimos anos, os políticos foram informados sobre OVNIs e não serão enganados pelas últimas ações do DoD.

E não é apenas transparência – os principais componentes contidos no ASTRO, mas não incluídos no AOIMSG, (de nosso entendimento do memorando de Hicks) são os seguintes:

  • Nenhuma referência aos OVNIs sendo transmídia – o novo grupo se concentraria nos fenômenos aerotransportados, ignorando qualquer atividade oceânica e talvez espacial
  • Nenhum requisito para o desenvolvimento e implementação de um plano de coleta e análise
  • Sem aplicação para incidentes que ocorram fora do Espaço Aéreo de Uso Especial
  • Nenhuma referência a reuniões públicas não classificadas
  • Nenhum estudo sobre o impacto fisiológico dos OVNIs, que poderia de fato estar afetando o pessoal militar
  • Nenhuma referência ao estudo científico ou pontes construídas com a comunidade científica
  • Sem necessidade de consultar nações estrangeiras
  • Não há necessidade de examinar questões técnicas, como propulsão sem combustão
  • Nenhuma responsabilidade ou explicação exigida para agências que retêm dados sobre OVNIs
  • Nenhuma menção à ameaça representada aos ativos nucleares, que podem representar um risco urgente para a segurança nacional
  • Nenhum requisito para fornecer resultados não classificados ao Congresso.

Os políticos responsáveis ​​pela segurança nacional devem estar muito alarmados de que o DoD não pretende cobrir esses componentes.

O DoD é surdo?

Talvez em uma demonstração de surdez, Hicks e Haines também rebaixariam a responsabilidade dos OVNIs para o subsecretário de Defesa para Inteligência (USDI). ASTRO iria elevá-lo ao Secretário de Defesa (chefe de Hicks) e ao Diretor de Inteligência Nacional, mantido pela própria Haines.

Este aparente rebaixamento foi estabelecido apesar da senadora Gillibrand chamar a questão de “urgente”. Transferir responsabilidades certamente não parecerá bom para os políticos.

Minar o Congresso (especialmente em algo em que ambas as partes concordam) nunca terminará bem.

E quando os Comitês de Apropriações de ambas as Casas estão envolvidos (sim, ASTRO significaria que eles são informados), isso poderia prejudicar os cordões da bolsa e definir o tom para um relacionamento de confronto entre o DoD e o Congresso.

Parece que a decisão do DoD pode muito bem sair pela culatra, embora possamos saber se isso está correto nas próximas semanas, conforme nos aproximamos de um NDAA final. Pelos sinais atuais, o AOIMSG parece a antítese da vontade do Congresso.

Audiências Públicas

Se o tiro do DoD sair pela culatra, os principais comitês políticos podem muito bem decidir apertar o gatilho nas audiências públicas, levando os oficiais do Pentágono à responsabilidade mais cedo ou mais tarde.

O deputado André Carson (que preside o subcomitê de contra-espionagem e contraproliferação do Comitê de Inteligência da Câmara dos Deputados) já declarou sua intenção de realizar tais audiências.

Na verdade, o planejamento pode já estar em andamento neste momento, talvez até envolvendo Carson e seu comitê.

Nesse cenário possível, o público se tornaria o júri conforme os membros eleitos fizessem perguntas aos funcionários do DoD e da Comunidade de Inteligência.

Também ouvir possível testemunho sobre incidentes com OVNIs (mesmo talvez envolvendo ativos nucleares) seria uma marca de vergonha para alguns dentro do DoD, e não haveria nenhuma graça salvadora, especialmente quando eles continuam a resistir à transparência.

Investigação do Inspetor Geral

Em maio de 2021, o Inspetor Geral do DoD (IG) divulgou um memorando, anunciando que realizaria uma “avaliação das ações do DoD em relação aos fenômenos aéreos não identificados“.

Comentando sobre o memorando para os site POLITICO, Christopher Mellon, ex-subsecretário adjunto de defesa para inteligência, afirmou:

“Você está vendo como é possível que o espaço aéreo militar restrito esteja sendo violado rotineiramente por meses e anos e ninguém seja informado no Departamento de Defesa ou no Congresso e haja um colapso total do sistema.

É uma coisa válida para eles investigarem.”

O DoD deve ser muito cuidadoso com suas ações, e o anúncio da semana passada sobre o AOIMSG pode não ser visto de forma positiva por aqueles que realizam a avaliação de IG.

O movimento recente sugere a continuação do status quo do Congresso e o público sendo deixado no escuro sobre as incursões. Suas ações nas semanas seguintes serão rigorosamente examinadas.

Na verdade, a avaliação só foi estabelecida após “reclamações da liderança do Congresso em relação ao tratamento do DoD ao tópico OVNI“, de acordo com Tim McMillan do site The Debrief em um artigo publicado em 4 de maio de 2021.

Mais uma vez, este é outro sinal de frustração dos políticos em Washington D.C, que provavelmente verão esta última ação do DoD sair pela culatra.

Pressão Internacional

Atualmente, estamos aguardando que San Marino possa apresentar ao Secretário-Geral da ONU uma proposta para criar uma estrutura permanente dentro das Nações Unidas com a tarefa de organizar uma Conferência Mundial periódica sobre OVNIs.

Os movimentos para uma possível conversa da ONU começaram em 2018, com os governos da China e da Rússia provavelmente envolvidos. Desde então, os dois países ficaram quietos, o que levou à criação da”Coalizão Internacional para Investigação Extraterrestre” (ICER), que solicitou que San Marino se envolvesse com a ONU.

Se o DoD conseguir bloquear os esforços do Congresso, é provável que outra nação assuma a liderança nessa questão.

Este ano, a China revelou seus esforços para investigar OVNIs usando Inteligência Artificial. Isso ocorre em um momento em que os avistamentos em toda a nação comunista estão aumentando.

Não está além da imaginação que a China poderia dar o pontapé inicial em seu esforço de 2018 mais uma vez e assumir um papel de liderança, deixando os EUA em apuros.

Engajamento Científico

A ciência agora começou a se envolver no tópico OVNI. O Projeto Galileo de Harvard em breve começará a investigar os OVNIs, liderado por uma equipe de cientistas de renome mundial.

Além disso, o administrador da NASA, Bill Nelson, confirmou seu interesse no assunto e afirmou que a agência agora investigará o fenômeno.

Isso sugere que o estigma científico em torno do tópico está diminuindo constantemente.

Já começamos a ver o interesse científico de acadêmicos de outras nações também. Por exemplo, a Indian Astrobiology Research Foundation anunciou (em julho de 2021) seu próprio esforço de pesquisa sobre o assunto.

Se uma descoberta importante for feita, o DoD e outros militares ficarão em uma posição embaraçosa, tendo que explicar porque esconderam tais informações ou foram incapazes de buscar assistência científica desde o início.

O jogo acabou

Algo está começando a feder, como diria Lue Elizondo, ex-diretor do Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais (AATIP) do Pentágono.

A tecnologia está aumentando e organizações privadas agora estão enviando pessoas para o espaço.

Está se tornando cada vez mais difícil ocultar incidentes com OVNIs.

E com a teia se fechando de todos os lados, o DoD está lutando uma batalha perdida.

Agora é a hora de vozes racionais. Essas vozes (que ainda detêm a maior parte do poder) devem aceitar a nova situação e começar a planejar um mundo pós-divulgação.

Se o DoD continuar em seu curso atual, isso terá grandes repercussões. Políticos, como Tim Burchett, já perderam a confiança no DoD. Falando ao Liberation Times sobre o novo escritório OVNI do DoD, o representante Burchett afirmou:

“Eu não confio nesta nova burocracia no Pentágono”.

Além disso, a confiança do público no governo também é baixa e as teorias da conspiração são galopantes. Lutar contra a verdade só trará mais problemas para o DoD.

E em tempos de crises econômicas e de saúde, esta é outra coisa que não podemos ter.

Com o Senado definido para considerar o NDAA 2022 esta semana, ponderamos a que horas o relógio do desacobertamento aparecerá em dezembro. Em nossa opinião, a meia-noite está mais perto do que nunca.

(Fonte)

Colaboração: MaryH


É excelente que haja um esforços por várias partes em prol da transparência sobre o fenômeno OVNI. Mas, para mim, há duas coisas que me intrigam, e muito:

1. O porquê da relutância do Pentágono em revelar mais sobre o assunto agora que “o gato já está fora do saco”; e

2. O porquê de, apesar de todo o histórico de zombaria para com aqueles que se manifestavam a respeito do fenômeno, repentinamente se tornou uma “normalidade” falar sobre isso.

Para mim, é muito coelho para pouco mato, principalmente nestes tempos estranhos em que estamos vivendo. Mas, como sempre digo, o tempo é o senhor da verdade e ele nos dirá.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

USE O CUPOM OVH10 E GANHE 10% DE DESCONTO!

ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

alienígenasEstados UnidosextraterrestresOVNI HojeOVNIsPentágonoUFOs
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.