O que há abaixo das pirâmides do Egito? O que as autoridades escondem?

Tempo de leitura: 3 min.

Desde 2014, as autoridades egípcias proibiram as escavações sob as pirâmides de Gizé e da Esfinge. O fato é que passagens subterrâneas até então desconhecidas e salas foram descobertos lá.

[ATENÇÃO: Não há comprovação da veracidade de alguma ou todas as informações constantes neste artigo, o qual é publicado aqui meramente para cumprir a missão do OH.]

Crédito da foto ilustrativa: depositphotos.

Após essa descoberta, a admissão a este local foi estritamente proibida e concedida apenas a três pesquisadores estrangeiros (coincidência ou não, mas todos os três ingressaram no Instituto de Egiptologia do Cairo, ou seja, apóiam plenamente a versão acadêmica da origem deste complexo )

No entanto, existem vários especialistas que relatam que estiveram nas masmorras sob as referidas construções. Por exemplo, o jornalista italiano e arqueólogo amador Antonio Laprieno levantou a hipótese de que as areias consumiram vários andares das masmorras dos dias modernos no Egito. Na verdade, a Esfinge e as pirâmides são apenas o pináculo da criação e sob elas está toda a cidade.

Há uma antiga parábola dos Garamantes (pessoas que provavelmente viveram no Egito antes dos egípcios) sobre um jovem que acabou em uma cidade perdida. Esta história nos leva de volta ao 14º milênio a.C. Então, o cara se viu em uma sala iluminada por cobras elétricas. A luz do Sol não penetrava no interior, mas dezenas e centenas de lâmpadas misteriosas a emitiam. Dentro de cada uma delas havia uma “cobra do Sol”. Talvez tenham sido elas as retratadas em baixos-relevos no Egito Antigo.

Além disso, havia verdadeiras florestas nos andares inferiores das estruturas! Alguém ou algo criou um oásis subterrâneo. Debaixo do solo havia um lago e um rio fluindo nele. Não havia uma alma aqui, como se todos tivessem deixado este lugar recentemente.

O jovem ouviu um rangido forte e viu algo brilhante por trás. Com medo, ele correu para a rua e disse a todos que sob as pirâmides existe um verdadeiro paraíso, mas que um monstro terrível, brilhante como uma dúzia de sóis, o guarda.

Desta história, podemos concluir que as pirâmides e a Esfinge não foram erguidas por pessoas, pelo menos não por nossa civilização. Acontece que primeiro os habitantes do deserto vieram para este território, e então os egípcios se apropriaram desses objetos culturais.

O famoso pesquisador Erich von Daniken acredita que no passado existia um paleocontato entre humanos e alienígenas. Provavelmente, em nosso planeta, de fato, dezenas de milhares de anos atrás, havia uma civilização desenvolvida. Se os humanos eram seus representantes ou não é difícil responder, mas de acordo com a interpretação do especialista suíço, as pirâmides e a Esfinge foram erguidas por alienígenas e aquele monstro brilhante é um robô que brilhou a luz de lâmpadas misteriosas.

Se isso for verdade, e houver uma cidade inteira sob as pirâmides, para onde foram os habitantes? Por que robôs a protegem e foram descobertos por especialistas que escavam os andares inferiores há mais de 7 anos?

Certamente, há um certo ceticismo sobre as opiniões de vários médiuns, mas Edgar Cayce previu muitos eventos diferentes, então ele pode ser confiável. Ele disse que sob a Esfinge e as pirâmides existe uma rede de masmorras entre as quais está escondida uma biblioteca da humanidade antiga, escrita em folhas de ouro.

Ele a chamou de legado dos atlantes e dos deuses do Norte (alguns acreditam que estamos falando de Atlântida e Hiperbórea). Portanto, pode muito bem acontecer que sob dezenas de metros de areia existam conhecimentos secretos e grande tecnologia de civilizações mergulhadas no esquecimento.

O egiptólogo francês Jacques Christian disse que em 1971 ele e seus colegas recorreram a um médium em busca de ajuda. Ele contou que há cerca de vinte e seis guardas de ferro das masmorras do Egito. Quando questionado mais a respeito, ele exclamou que viu robôs reais feitos de ferro dourado. Eles estão localizados sob a Esfinge, a uma profundidade de 230 metros, no 28º andar subterrâneo, e guardam a nave interestelar de cristal.

Nele, no 70º milênio a.C., os ancestrais da primeira casta de deuses chegaram à Terra, onde erigiram tão belos pináculos culturais. Lá, segundo a médium, os corpos dos alienígenas jazem nos sarcófagos.

Naturalmente, a maioria dos egiptólogos e, em geral, os cientistas são céticos e materialistas, então ninguém acreditou nas palavras do médium. Mas quem sabe? E se realmente houver robôs e uma nave espacial de uma civilização perdida em nosso planeta? Isso teria sido cuidadosamente escondido pelas autoridades egípcias?

(Fonte)


Verdadeiro ou não aquilo que o artigo acima menciona, enquanto houver controle estrito de acesso ao que há abaixo das pirâmides e da Esfinge do Egito, as histórias/estórias continuarão a aparecer e intrigar todos nós. Mas, seja como for, nunca deixaremos de imaginar o que pode existir abaixo das areias, não só abaixo dos históricos monumentos, mas sim de todo aquele deserto.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!
arqueologiacidade subterrâneamistériopirâmides do Egito
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.