Inteligência artificial acha antepassado “fantasma” do genoma humano

Compartilhe com a galáxia!
Tempo de leitura: 2 min.
Ouça este artigo...

O artigo abaixo foi publicado no site br.sputniknews.com:

Crédito: Pixabay/sgrunden

Ninguém sabe exatamente quem ela era ao certo, apenas que era uma adolescente humana pré-histórica de mais de 50 mil anoe bastante peculiar, pois parecia ser um humano “híbrido”, algo que os cientistas nunca tinham visto.

Recentemente, os pesquisadores descobriram evidências de que essa adolescente não era a única de sua “espécie”. Em um estudo de 2019, após ser analisada a complexa e confusa pré-história da humanidade, os cientistas utilizaram inteligência artificial para identificar uma espécie ancestral humana desconhecida, informa o portal Science Alert.

“Há cerca de 80 mil anos, ocorreu a chamada Saída da África, quando parte da população humana, que já consistia em humanos modernos, abandonou o continente africano e migrou para outros continentes, dando origem a todas as populações atuais”, explicou o biólogo evolucionista Jaume Bertranpetit, da Universidade Pompeu Fabra, na Espanha, citado na matéria.”

Como foram os humanos modernos a achar o caminho para a Eurásia, durante sua viagem também se reproduziram com hominídeos antigos de outras espécies.

Anteriormente, pensava-se que estes parceiros sexuais ocasionais incluíam humanos neandertais e denisovanos, desconhecidos até 2010.

Porém, neste estudo, um terceiro cromossoma de há muito tempo atrás foi isolado no DNA eurasiático, graças aos algoritmos de aprendizado estruturado profundo, que destacaram uma massa complexa de código genético humano antigo e moderno.

Usando uma técnica estatística chamada inferência Bayesiana, os cientistass encontraram evidências da chamada “terceira introgressão” – uma população “fantasma” com a qual os humanos modernos se cruzaram durante o êxodo africano.

Em seu artigo, os pesquisadores reiteram que é possível que esta terceira população na história da humanidade tenha sido, possivelmente, uma mistura entre os próprios neandertais e denisovanos.

No entanto, há ainda muita pesquisa a ser feita neste campo, sendo que o uso deste tipo de análise através da inteligência artificial é uma técnica nova no estudo da ancestralidade humana.

(Fonte)

Colaboração: Roberto C.C


…E não esqueça: Nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui para acessá-la.

ATENÇÃO: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

IMPORTANTE: Se puder, colabore para manter o OVNI Hoje no ar, pois cada doação, por menor que seja, é crucial para manter este espaço de informação e conhecimento disponível para todos os interessados. Ao utilizar o QR code do PIX abaixo ou a chave PIX “OVNIHoje” (sem aspas), você está desempenhando um papel fundamental na sustentação deste site.

Lembre-se que as doações não são apenas um ato de generosidade, mas também uma demonstração do seu compromisso em apoiar o compartilhamento de informações relevantes e o crescimento da comunidade interessada em assuntos tão fascinantes, possibilitando a continuação das pesquisas, análises e publicações que enriquecem nosso entendimento.

Seja parte deste movimento contínuo em prol do conhecimento. O OVNI Hoje e seus leitores agradecem sinceramente por seu apoio dedicado.

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward Vaz Jr. ❤️ Silas Raposo ❤️ Leopoldo Della Rocca ❤️ Egídia L dos Santos ❤️

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS
(Mais abaixo…👇)

ATENÇÃO:


genoma humanohumanidadeinteligência artificial
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.