Arcontes e os gnósticos: expondo a intrusão alienígena

Tempo de leitura: 3 min.

Por John Lash

Desde a explosão do fenômeno ETs/OVNIs em 1947, as especulações sobre a intrusão alienígena no planeta Terra têm aumentado.

Seriam os arcontes manipuladores da raça humana?

Meia dúzia de teorias dominam o debate, mas há uma teoria que ainda não foi examinada. Ela não surgiu depois de 1947, mas sim aproximadamente 1600 anos antes.

Para ser mais preciso, a evidência dessa teoria veio à tona por meio de uma descoberta no Egito em dezembro de 1945, embora o significado da descoberta não tenha sido percebido até – adivinhe quando? – 1947.

Naquele ano, o estudioso francês Jean Doresse identificou o achado egípcio em Nag Hammadi como um esconderijo de textos gnósticos raros.

“Gnosticismo” é o rótulo que os estudiosos usam para um conjunto de ensinamentos derivados das Escolas de Mistérios da antiguidade pré-cristã. Os gnósticos que protestaram contra as doutrinas cristãs, como a retribuição divina e a ressurreição de Cristo, foram considerados hereges e foram brutalmente reprimidos pelos primeiros convertidos à Única Fé Verdadeira.

Esta é a história não contada de como os Mistérios terminaram. Desde aquele ano sinalizador, 1947, parte do conhecimento perdido da Escola de Mistérios foi recuperado.

A gnose (“conhecimento interior”) era um caminho de misticismo experimental no qual os iniciados das Escolas de Mistérios exploravam a psique e o cosmos em geral. Usando plantas psicoativas, ioga e magia sexual, esses antigos videntes experimentaram estados alterados e desenvolveram siddhis, habilidades ocultas como clariaudiência e visão remota.

A gnose era uma espécie de ciência noética iogue mesclada com a parapsicologia. Em percepção intensificada, os gnósticos desenvolveram uma vasta visão cosmológica centrada em uma divindade feminina, a Divina Sofia. O mito da criação gnóstica é o único que inclui uma explicação completa de como seres alienígenas inorgânicos chegaram a estar presentes em nosso sistema solar.

O material de Nag Hammadi contém relatos de experiências visionárias dos iniciados, incluindo encontros em primeira mão com seres inorgânicos chamados arcontes. O ensino gnóstico explica que essas entidades surgiram no estágio inicial da formação do sistema solar, antes que a Terra fosse formada.

Arcontes habitam o sistema solar, o reino extraterrestre como tal, mas eles podem se intrometer na Terra.

Curiosamente, essa visão gnóstica está de acordo com a visão de Jacques Vallée, que afirma que ETs/ciborgues provavelmente pertencem ao reino planetário local. Vallee também propõe que o enigma ET/OVNI é um “sistema de controle espiritual”, um fenômeno que “se comporta como um processo de condicionamento”(Mensageiros da decepção).

Isso é exatamente o que os gnósticos disseram sobre os arcontes: eles podem afetar nossas mentes por meio de técnicas de condicionamento subliminar.

Suas principais táticas são o erro mental (vírus intelectual ou falsa ideologia, especialmente doutrinas religiosas) e simulação. Arcontes são predatórios, ao contrário de uma ampla gama de seres não humanos e de outras dimensões também conhecidos pelos gnósticos, seres que são benevolentes ou neutros em relação à humanidade.

Descrições físicas de Arcontes ocorrem em vários códices gnósticos.

Dois tipos são claramente identificados:

  • Um tipo recém-nascido ou embrionário
  • Um tipo dracônico ou reptiliano

Obviamente, essas descrições se ajustam aos grays e reptilianos dos relatos contemporâneos a um ET.

Investigando os materiais gnósticos, é um choque descobrir que os antigos videntes detectaram e investigaram o problema da intrusão alienígena durante o primeiro século A.C., e certamente bem antes. (Os Mistérios datam de muitos séculos antes da Era Cristã).

O que é surpreendente sobre a teoria gnóstica dos arcontes não é apenas o pano de fundo cosmológico (explicando a origem dessas entidades e a razão de seu enredamento com a humanidade), mas a especificidade da informação sobre os seres alienígenas, descrevendo como eles operam e o que eles querem de nós.

Por um lado, os gnósticos ensinaram que essas entidades nos invejam e se alimentam de nosso medo. Acima de tudo, eles tentam nos impedir de reivindicar e desenvolver nossa “luz interior”, o dom da inteligência divina interior.

Embora os ensinamentos gnósticos sobre os arcontes, ou o que resta de tais ensinamentos, tenham todas as respostas para o enigma ET / OVNI, uma coisa é clara:

“Eles apresentam uma análise coerente e abrangente da intrusão alienígena, bem como práticas específicas para resistir a ela.”

Eles são muito mais completos e sofisticados do que qualquer teoria em discussão hoje.

Em suma, os antigos videntes dos Mistérios na Europa e no Levante parecem ter realizado 2.000 anos atrás o que muitos de nós tentamos fazer desde 1947:

  • Descobrir quem são os ETs
  • De onde eles se originam
  • Como eles se relacionam conosco
  • E o mais importante de tudo, como devemos nos relacionar com eles

Pelo que eu sei, além de mim, apenas um escritor na questão de ETs/OVNIs identificou diretamente os arcontes gnósticos com ETs contemporâneos.

Este é Nigel Kerner, cujo livro, “The Song of the Greys” (“A Canção dos Greys”, em tradução livre), é uma contribuição estranha, singular e pouco conhecida para o debate.

Kerner cita os textos de Nag Hammadi apenas de passagem e não desenvolve os ensinamentos gnósticos sobre os arcontes. Ele defende fortemente que houve uma interferência alienígena no genoma humano, mas essa afirmação não se opõe à análise gnóstica. Textos gnósticos usam linguagem mitológica para descrever eventos reais na pré-história, bem como desenvolvimentos de longo prazo na psique humana.

De acordo com os antigos videntes, os arcontes não podem acessar nossa composição genética, mas podem simular uma intervenção. Considerando a confusão da humanidade nos tempos modernos, uma intervenção falsa seria tão boa quanto real. Isso tipifica a tática dos arcontes de nos fazer imaginar e acreditar em coisas que não são verdadeiras e aceitar a simulação como realidade.

Desse modo, ensinavam os gnósticos, esses primos alienígenas podem desviar a espécie humana de seu verdadeiro e adequado curso de evolução.

(Fonte)


Esta é mais uma de tantas vertentes que tentam explicar a possível presença alienígena na Terra, contudo em provas concretas além de relatos e textos. Mas, ao contrário de muitas dessas vertentes, esta nos diz que a presença maior no nosso planeta é a de seres invejosos e nocivos à raça humana.

Porém, sinceramente, não precisamos de extraterrestres nocivos a nós, pois já contamos com muitos humanos fazendo este papel. Não obstante, se os arcontes realmente existem, talvez tenham sido eles que ensinaram a esses humanos abjetos sua “profissão”.

Enquanto isso não temos acesso aos fatos concretos, continuamos em busca da verdade.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

USE O CUPOM OVH10 E GANHE 10% DE DESCONTO!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
alienígenasarcontesextraterrestresgnoseinvasão alienígena
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.