Panspermia: A Vida alienígena pode ter a chance de se espalhar por toda a galáxia

Tempo de leitura: 4 min.

A vida pode se espalhar em uma galáxia como a Via Láctea sem intervenção tecnológica? Essa pergunta está em grande parte sem resposta. Um novo estudo está analisando essa questão usando uma galáxia simulada semelhante à Via Láctea. Em seguida, eles investigaram esse modelo para ver como os compostos orgânicos podem se mover entre seus sistemas estelares.

A questão central na ciência é provavelmente “Como a vida começou?” Não há nenhuma pergunta maior e nenhuma resposta, até agora. Uma pergunta secundária é mais acessível: “A vida pode se espalhar de estrela em estrela?” Essa é a teoria da panspermia, em poucas palavras.

A história da Terra apresenta uma questão importante quando se trata de panspermia. Os cientistas acham que não houve tempo suficiente entre o momento em que a Terra resfriou o suficiente para se tornar habitável e o aparecimento de vida. É claro que nem todos os cientistas pensam assim. Há uma série de pensamentos sobre o assunto. Mas a questão permanece: houve tempo suficiente para que a vida baseada no DNA avançasse de forma independente na Terra ou a panspermia desempenhou um papel?

Enquanto grande parte da conversa em torno da panspermia diz respeito a formas de vida simples movendo-se de alguma forma entre as estrelas, a conversa mais séria diz respeito ao movimento de compostos orgânicos necessários para a vida. Os cientistas descobriram alguns desses compostos em cometas e em outras partes do espaço. Agora sabemos que eles não são necessariamente raros. Então, esses compostos podem se mover de um sistema solar para outro?

O novo estudo é intitulado “Panspermia in a Milky Way-like Galaxy”  (“Panspermia em uma Galáxia Semelhante à Via Láctea”). O autor principal é Raphael Gobat, do Instituto de Física, Valparaíso, Chile. O artigo está disponível no site de pré-impressão arxiv.org.

Então, a panspermia é real? Dentro de um sistema solar como o nosso, parece possível. Meteoritos de Marte pousaram na Terra, o que é uma evidência bastante sólida. Se as rochas podem fazer a viagem, por que não os produtos químicos dentro ou sobre essas rochas? Os esporos poderiam fazer a viagem interestelar entre sistemas estelares?

A equipe de pesquisadores se propôs a responder a essa pergunta. Eles trabalharam com uma galáxia simulada do MUGS, McMaster Unbiased Galaxy Simulations (Simulações Imparciais MacMaster de Galáxia. MUGS é um conjunto de 16 galáxias simuladas criadas por pesquisadores no início dos anos 2000. Em 2016, Gobat et al adicionaram um modelo de habitabilidade galáctica modificado, chamado GH16.

A galáxia escolhida foi a g15784. Ela um pouco mais massiva do que a Via Láctea e tem um histórico de fusões inativas. Não se fundiu com nada muito massivo há muito tempo e é orbitada por várias galáxias esféricas.

A equipe calculou um nível de habitabilidade para cada partícula estelar na galáxia. Nesse caso, isso significa o número de estrelas de baixa massa da sequência principal com planetas terrestres dentro de suas zonas habitáveis. Eles seguiram o GH16 para fazer isso. GH16 leva em consideração a metalicidade estelar, massa mínima e máxima, histórico de formação e as faixas internas e externas de sua zona de habitabilidade (HZ).

Eles também consideraram o efeito das explosões de supernovas na habitabilidade. O núcleo galáctico é a parte mais densamente povoada da galáxia. Portanto, embora haja mais planetas potencialmente habitáveis ​​lá, também há supernovas mais mortais. A maior densidade de estrelas no núcleo significa que cada planeta habitável tem uma chance maior de ser tornado inabitável por uma supernova. A maior metalicidade no núcleo também reduz a habitabilidade, segundo os autores. Isso torna a região central um lugar difícil para a panspermia.

O grupo também analisou os braços espirais da g15784. Embora a densidade de estrelas também seja alta lá, assim como as taxas de supernova (SNR), elas não afetaram a habitabilidade da mesma forma que na protuberância. Eles também observaram o disco galáctico e o halo.

O estudo mostra que a panspermia é pelo menos possível, embora não haja uma resposta simples para a pergunta. Eles descobriram que enquanto a habitabilidade mediana aumenta com o raio galactocêntrico, a probabilidade de panspermia é inversa. Isso se deve à maior densidade de estrelas no bojo galáctico.

Mas a probabilidade de panspermia é baixa no disco central. Isso ocorre por causa das taxas de supernova mais altas e uma fração de escape mais baixa devido à maior metalicidade. A habitabilidade natural não varia muito ao longo da galáxia, enquanto a probabilidade de panspermia varia amplamente, em várias ordens de magnitude.

A equipe não encontrou correlação entre a probabilidade de panspermia e a habitabilidade da partícula receptora. (Neste estudo, partícula se refere a um grande número de estrelas, devido à baixa resolução da simulação.)

Por último, eles descobriram que a panspermia é menos eficaz do que a evolução prebiótica in-situ, embora digam que não podem quantificar isso com precisão.

Em sua conclusão, os autores apontam várias ressalvas para o trabalho:

“Primeiro, inclui vários fatores que consideramos constantes desconhecidas (por exemplo, a fração de captura de esporos por planetas alvo, a relação entre a habitabilidade e a presença de vida, a velocidade típica de objetos interestelares e o valor absoluto da fração de escape dos compostos orgânicos interestelares dos planetas fonte)…”

Como resultado, eles consideram suas descobertas como “… naturalmente mais qualitativos do que quantitativos”.

Eles também alertam que, embora uma galáxia real como a Via Láctea seja dinâmica e mutável, a galáxia simulada é apenas um “instantâneo”.

“Como tal, estes resultados só se aplicam se a escala de tempo típica para panspermia for muito mais curta do que a escala de tempo dinâmica de uma galáxia.”

Existem outras diferenças entre a galáxia simulada e a Via Láctea.

“Por exemplo, nossa galáxia simulada tem um valor maior de proporção de luz protuberante para disco do que a Via Láctea real, e sugeriu-se que a protuberância galáctica seja adequada para panspermia.”

Finalmente, eles apontam que as MUGS são simulações de baixa resolução, e uma simulação de alta resolução poderia produzir algumas diferenças nos resultados.

Recentemente, fomos visitados por dois objetos interestelares: o ‘Oumuamua e o cometa 2L/Borisov. Portanto, sabemos que os objetos estão viajando entre sistemas estelares. Provavelmente houve muito mais visitantes interestelares que não éramos tecnologicamente capazes de ver. E sabemos que os blocos de construção orgânicos estão presentes no espaço.

Isso não prova que os blocos de construção orgânicos possam viajar entre as estrelas, mas parece possível. Graças a essa pesquisa, podemos saber um pouco mais sobre o quão provável é e em que galáxia isso pode ocorrer.

(Fonte)


Conjecturas, conjecturas…

A verdade sobre a panspermia ninguém ainda sabe. Contudo, trata-se de uma possibilidade muito forte, principalmente considerando-se que a idade da Terra não fornece tempo suficiente para o desenvolvimento da vido do “zero” até onde estamos hoje. Ou a panspermia ocorreu, ou formos implantados aqui por outros meios mais misteriosos.

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…

USE O CUPOM OVH10 E GANHE 10% DE DESCONTO!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

Atenção:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores. Pessoas que insistirem em burlar as regras serão banidas dos comentários.
galáxiaspanspermiaVia Lácteavida
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.