Portais estranhos conectam a Terra ao Sol a cada 8 minutos

Tempo de leitura: 3 min.

Durante o tempo que você ler este artigo, algo acontecerá bem acima de sua cabeça em que até recentemente muitos cientistas não acreditavam. Um portal magnético será aberto, conectando a Terra com o Sol a uma distância de 150 milhões de quilômetros entre eles, relata a NASA Science.

Crédito: NASA

Toneladas de partículas de alta energia passarão por essa abertura antes que ela se feche novamente, quando você chegar ao final do artigo.

Isto é chamado de “evento de transferência de fluxo” ou “FTE” (em sua sigla em inglês), diz o físico espacial David Seebeck, do Goddard Space Flight Center, um importante laboratório de pesquisa da NASA.

Ele disse:

“Em 1998, eu tinha certeza que eles não existiam, mas agora a evidência é irrefutável.”

De fato, David Seebeck provou sua existência e apresentou essa evidência em um encontro internacional de físicos espaciais, num seminário de plasma em 2008 em Huntsville, Alabama.

Depois, a NASA confirmou totalmente que esses portais ligando o Sol e a Terra aparecem a cada 8 minutos.

Os pesquisadores há muito pensavam que a Terra e o Sol devem estar relacionados. A magnetosfera da Terra (a bolha magnética que envolve nosso planeta) é preenchida com partículas de alta energia do Sol que entram através do vento solar e penetram na blindagem magnética do planeta.

Seebeck diz:

“Costumávamos pensar que essa conexão era permanente e que o vento solar poderia se infiltrar no espaço próximo à Terra a qualquer momento em que estivesse ativo.

Estávamos errados. As conexões não são aleatórias e não dependem de chamas ou da velocidade de fluxo das partículas solares. Esses portais abrem a cada 8 minutos.”

Os cientistas falaram sobre como esses portais são formados.

No lado diurno da Terra (o lado mais próximo do Sol), o campo magnético da Terra é pressionado contra o campo magnético do Sol.

Aproximadamente a cada oito minutos, esses dois campos brevemente se fundem ou “se reúnem”, formando um portal pelo qual as partículas podem passar. O portal tem a forma de um cilindro magnético da largura da Terra.

Quatro espaçonaves ESA Cluster e cinco sondas NASA THEMIS voaram através desses cilindros e os cercaram, medindo seus tamanhos e registrando as partículas que passavam por eles.

“Eles existem”, diz Seebeck.

Agora que a Cluster e a THEMIS exploraram diretamente os portais, os cientistas podem usar essas medidas para modelar portais em seus computadores e prever seu comportamento.

O físico espacial Jimmy Rader, da Universidade de New Hampshire, apresentou um desses modelos em um seminário. Ele disse a seus colegas que os portais cilíndricos geralmente se formam acima do equador da Terra e, em seguida, passam sobre o pólo de inverno da Terra:

Dezembro – portais que conectam o Sol e a Terra passam pelo Pólo Norte

Em julho, os portais que conectam o Sol e a Terra passam pelo Pólo Sul.

Seebeck acredita:

“Acho que existem dois tipos desses portais: ativo e passivo.”

Portais ativos são cilindros magnéticos pelos quais as partículas passam com bastante facilidade; eles são importantes condutores de energia para a magnetosfera da Terra.

Os portais passivos são cilindros magnéticos que oferecem mais resistência; sua estrutura interna não permite esse fluxo de luz de partículas e campos (FTEs ativos são formados nas latitudes equatoriais quando o IMF é direcionado para o sul; FTEs passivos são formados em latitudes mais altas quando o IMF é direcionado para o norte).

Seebeck calculou as propriedades de FTEs passivos e incentiva seus colegas a procurarem seus sinais nos dados da THEMIS e da Cluster.

Ele disse:

“FTEs passivos podem não ser muito importantes, mas até que saibamos mais sobre eles, não podemos ter certeza.”

Existem muitas perguntas sem resposta:

Por que os portais se formam a cada 8 minutos?

Como os campos magnéticos dentro de um cilindro se torcem e se enrolam?

Enquanto isso, bem acima de sua cabeça, um novo portal está se abrindo, conectando nosso planeta ao Sol. Recepção e transmissão de dados?

(Fonte)


Muito daquilo que os cientistas há pouco tempo duvidavam vem se comprovando. Uma prova de que ainda temos um longo caminho pela frente para entendermos o Universo em que vivemos.

Hoje qualquer cientista que você perguntar dirá que a viagem entre sistemas estelares é impossível devido às enormes distâncias. Segunda a física que conhecemos, mesmo se conseguíssemos viajar na velocidade da luz, levaria uma centena de anos para chegarmos à estrela mais próxima. Porém, certamente não sabemos tudo, e tampouco dominamos tecnologias que talvez tornariam essas façanhas viáveis.

Mas há uma esperança: como tem sido uma constante, a vida tem imitado a arte e, segundo a arte (filmes), um dia conseguiremos viajar através das vastas distâncias do universo em pouco tempo, utilizando a “dobra espacial“.

Será?

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!
astronomiacampo magnéticoportalSolTerra
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.