Astrônomos publicam nova imagem impressionante do buraco negro

Tempo de leitura: 2 min.

Em 2019, uma equipe de astrônomos divulgou a primeira imagem já feita de um buraco negro. Foi saudado como um grande avanço pela comunidade científica.

Agora, a mesma equipe está revelando uma visão inteiramente nova do mesmo objeto: um enorme buraco negro no centro de Messier 87 (M87), uma galáxia supergigante a 53 milhões de anos-luz da Terra.

A nova imagem, divulgada pela colaboração Event Horizon Telescope (EHT) – uma equipe internacional de cientistas com mais de 300 membros usando uma rede global de telescópios para fazer observações sem precedentes – mostra o buraco negro na luz polarizada. Em outras palavras, é a assinatura dos campos magnéticos do buraco negro.

Ao combinar dados de oito telescópios da rede ao redor do mundo, a equipe foi capaz de aumentar o zoom de tal forma que você seria capaz de medir o comprimento de um cartão de crédito na superfície da Lua, de acordo com um comunicado.

Monika Mościbrodzka, coordenadora do Grupo de Trabalho de Polarimetria EHT e professor assistente da Radboud University, na Holanda, informou no comunicado:

“Estamos vendo agora a próxima peça crucial de evidência para entender como os campos magnéticos se comportam em torno dos buracos negros e como a atividade nesta região muito compacta do espaço pode conduzir jatos poderosos que se estendem muito além da galáxia.”

Iván Martí-Vidal, outro coordenador do grupo e pesquisador da Universitat de València, Espanha, acrescentou:

“Este trabalho é um marco importante: a polarização da luz carrega informações que nos permitem entender melhor a física por trás da imagem que vimos em abril de 2019, o que não era possível antes.”

Assim como as lentes dos óculos de sol polarizados, a luz se torna polarizada quando passa por certos filtros e pode nos permitir reduzir o brilho e os reflexos de objetos brilhantes. Ao observar o buraco negro em luz polarizada, a equipe foi capaz de distinguir muito mais detalhes e mapear suas linhas de campo magnético.

A nova imagem pode aumentar significativamente a nossa compreensão dos buracos negros, especialmente quando se trata dos jatos energéticos expelidos de seu núcleo, comportamento que ainda é um mistério para os astrônomos.

Qualquer matéria que não seja engolida pelo próprio buraco negro é capturada e lançada no espaço profundo, formando jatos de partículas energizadas. Esses jatos estendem-se por impressionantes 5.000 anos-luz do centro do núcleo do M87, tornando-o um quebra-cabeça galáctico para os astrônomos.

Jason Dexter, professor assistente da Universidade de Colorado em Boulder e coordenador do grupo de trabalho EHT, disse:

“As observações sugerem que os campos magnéticos na borda do buraco negro são fortes o suficiente para empurrar o gás quente e ajudá-lo a resistir à atração da gravidade. Apenas o gás que desliza pelo campo pode espiralar para dentro do horizonte de eventos.”

(Fonte)

Colaboração: Turista Xtradimensional


O que mais me intriga é o que pode haver do outro lado…

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

PARTICIPE DOS COMENTÁRIOS MAIS ABAIXO…


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!
astronomiaburaco negrocosmologia
Comentários não são disponíveis na versão AMP do site. (0)
Clique aqui para abrir versão normal do artigo e poder comentar.